Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2013

A Reforma política de fato em Brasília acontecerá dessa forma

Rejane Pitanga está licenciada da Câmara Legislativa e quer voltar; Rafael Barbosa filiou-se ao Partido dos Trabalhadores neste ano e Geraldo Magela deve se candidatar à Câmara Federal ou ao Senado O primeiro escalão do governo deve ter uma renovação de mais de 35% de seus integrantes no início do ano que vem. A mudança não tem relação com nenhuma reforma do secretariado, mas com a disputa eleitoral. Pelo menos 13 secretários do GDF pretendem disputar mandato eletivos em 2014 e, portanto, terão que se desincompatibilizar até abril. A legislação eleitoral determina que os ocupantes desses cargos deixem o governo pelo menos seis meses antes da data das eleições. Essa lista deve crescer, já que o prazo para filiações partidárias termina no próximo 5 de outubro e há integrantes dos altos cargos que ainda negociam mudanças de legenda de olho no pleito do ano que vem. O Ministério Público Eleitoral promete monitorar a atividade dos integrantes do governo que serão candidatos com o obje…

Um mundo de impostos

Governo arrecada cerca de R$ 54 mil por segundo em impostos Por volta do meio-dia e meia desta terça-feira, dia 27, o Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) atingirá a marca de 1 trilhão de reais. Esse é o total de impostos, taxas e contribuições arrecadados pelos governos estaduais, municipais e federal no Brasil até agora em 2013. A média diária de arrecadação foi de R$ 4,72 bilhões, ou R$ 54.633,48 por segundo. O montante foi atingido dois dias antes do que em 2012 e deve chegar a R$ 1,62 trilhão até o fim do ano. Quem liderou a arrecadação foi a região Sudeste, com 63,52% do valor, seguida da região Sul, com 13,41%. Em seguida vem o Centro-Oeste com 10,61% e o Nordeste com 9,07%. A região Norte do país responde por 3,39% dos impostos. O imposto mais importante foi o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), responsável por 20,66% da arrecadação, seguido de perto pela contribuição previdenciária para o INSS, com 18,02%. Em seguida vem o Imposto de Ren…

Efervecência política

Não tem copa das confederações nem copa do mundo que chame tanta atenção nesse momento como a calmaria aparente que ronda nossas autoridades. Parece que tudo anda muito calmo excetuando-se a preocupação com a alta do dólar e os problemas sociais crônicos que assolam nosso povo.
As preocupações de uma pessoa comum e normal nada mais é  que pagar contas, educação dos filhos, e corresponder com altivez as provocações do trânsito destrutivo de nossas modernas cidades?  Não. Penso que existe algumas pessoas que vão além disso. Vão além das preocupações do dia a dia. Um pensamento estratégico não permite que essas pessoas estejam na "mão da via".

Travestidos de muita criatividade e poder de especulação, influência e lobby, a classe política já está com a cabeça no dia 03 de outubro de 2014. A multiplicação do stresse causado por essa data leva alguns seres humanos a visualizar um futuro hoje, não só visualisar, mas a viver uma tensão pré estabelecida pelo calendário eleitoral.

Isso p…

CIdade digital de Brasília atraindo mais $

O governo do Distrito Federal apresentou, dia 21 quarta, a representantes da UnitecBlue, empresa argentina de nanotecnologia, o Parque Tecnológico Capital Digital com o objetivo de mostrar os diferenciais da cidade para a provável instalação da primeira fábrica de chips eletrônicos no país.

“As condições de mercado no Brasil são mais favoráveis do que na Argentina. Precisamos do apoio do governo em curto, médio e longo prazos para elaborar um plano de negócios e entender o alcance do nosso empreendimento”, disse o diretor comercial da UnitecBlue, Horacio Huergo.

O diretor da Companhia Imobiliária de Brasília (Terracap), José Humberto Matias, explicou ao grupo o processo de instalação da fábrica no Parque Tecnológico: “Queremos reunir empresas da área de tecnologia que dominem o mercado. Para isso, vamos negociar incentivos fiscais, tributários e creditícios”, disse.

Durante a conversa, os secretários de Ciência, Tecnologia e Inovação, de Desenvolvimento Econômico e de Assuntos Internacio…

A força dos evangélicos

Todos estão de olho em 2014! Ano de Copa do Mundo, na qual o País vai ser sede, os brasileiros vão às urnas escolher um novo presidente - ou reeleger Dilma Roussef (PT) - e votar em seus representantes no Congresso e nas Assembleias Legislativas: deputados federais, estaduais e senadores. Se para muitos eleitores é cedo demais para pensar no assunto, para os que estão no poder ou anseiam por ele o momento é decisivo. 
É hora de mostrar serviço e fortalecer seus apoios.Os evangélicos no Congresso - 14,2% dos deputados e 5% dos senadores – compõem a Frente Parlamentar Evangélica e têm como desafio manter sua expressividade no Legislativo. Trata-se de 72 deputados federais, quatro senadores, sem esquecer-se do ministro da Pesca e da Agricultura, Marcelo Crivella, eleito senador pelo PRB.
A seu favor, o grupo tem o crescente número de evangélicos - cerca de 22%, segundo dados do IBGE - e a visibilidade que ganhou na mídia, que o diga o deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP), que por sema…

2014, tem no Orçamento, destinados 264 milhões para o Trem balaa

Orçamento de 2014 prevê R$ 267 milhões para projeto do trem-bala16/08/201316:19    O ministro dos Transportes, César Borges, disse nesta sexta-feira (16) que o Orçamento do governo federal para 2014 prevê o gasto de R$ 267 milhões para investimento no projeto executivo do primeiro trem-bala brasileiro, que deve ligar as cidades de Campinas, São Paulo e Rio de Janeiro, e cujo leilão, marcado para setembro, foi adiado nesta semana pelo governo por tempo indeterminado.Em entrevista concedida a jornalistas em Brasília, Borges negou a informação, publicada nesta sexta pelo jornal “O Globo”, de que, mesmo sem sair do papel, o trem-bala deve custar aos cofres públicos pelo menos R$ 1 bilhão até o fim do governo da presidente Dilma Rousseff, sendo R$ 900 milhões com a preparação do projeto executivo. Segundo o jornal, a informação foi dada pelo presidente da Empresa de Planejamento e Logística (EPL), Bernardo Figueiredo, resposável pelo trem-bala.
HISTÓRICO DO TREM-BALA 2009 -  Governo prevê lei…

Novo presidente para o Tricolor

Depois de tudo que vem acontecendo no São Paulo Futebol Clube, desejo muito que Rogério Ceni seja o novo presidente.
Desmando e vaidade estão dominando a pauta do clube mais vitorioso na última década, aquele que mais faturou e aquele que proporcionou alegria à minha familia.
É inegável o poder de influência do capitão são paulino, por tudo que fez pelo time e por muitos atletas que passaram pelo clube, agora tá no hora de parar e contribuir de forma mais produtiva fora das quatro linhas.
Rogério Ceni como presidente pode ter novos motivos para ganhar libertadores, brasileiro e paulistão. Além das metas pessoais o goleiro vencedor "artilheiro" pode e deve agregar suas ambições pessoais às coletivas. 
Deficiência técnica e eficiência são incompatíveis. E nesse momento a tranquilidade atrapalha definitivamente os anseios de um plantel de muita qualidade técnica e carentes de títulos.
Amigo acredite, adaptar-se a mudanças faz parte de grandes campeões.

Oposição incopetente

Depois da vitória de Lula em 2002, e  das manifestações ocorridas no último junho podemos nos contentar com mais uma nova vitória do petismo neoliberal.
Não por eficiência, nem por uma necessidade eleitoral, mas pela ineficácia do atos administrativos e das omissões do poder executivo em relação à corrupção se transformaram em indignações diversas e apartidárias.
Infelizmente a incompetência do governo contaminou a oposição que não se aproveitou dos baixos níveis de aceitação da presidente Dilma e deflagrou um plano de governo alternativo e eficiente para acabar com as mazelas na educação, saúde, transporte e segurança.
O que está acontecendo? Sabemos que o governo tem uma máquina poderosa que vai ser utilizada na reeleição e sabemos também que as figuras ditas de oposição se esforçaram para serem o que são e não vejo nenhuma explicação para uma apatia generalizada em relação ao sistema político senão o total descrédito na própria capacidade dos movimentos sociais organizados e se destac…