Pular para o conteúdo principal

A Reforma política de fato em Brasília acontecerá dessa forma

Rejane Pitanga está licenciada da Câmara Legislativa e quer voltar; Rafael Barbosa filiou-se ao Partido dos Trabalhadores neste ano e Geraldo Magela deve se candidatar à Câmara Federal ou ao Senado
O primeiro escalão do governo deve ter uma renovação de mais de 35% de seus integrantes no início do ano que vem. A mudança não tem relação com nenhuma reforma do secretariado, mas com a disputa eleitoral. Pelo menos 13 secretários do GDF pretendem disputar mandato eletivos em 2014 e, portanto, terão que se desincompatibilizar até abril. A legislação eleitoral determina que os ocupantes desses cargos deixem o governo pelo menos seis meses antes da data das eleições. Essa lista deve crescer, já que o prazo para filiações partidárias termina no próximo 5 de outubro e há integrantes dos altos cargos que ainda negociam mudanças de legenda de olho no pleito do ano que vem. O Ministério Público Eleitoral promete monitorar a atividade dos integrantes do governo que serão candidatos com o objetivo de coibir o uso da máquina pública para inflar candidaturas.

Alguns dos principais nomes do secretariado do Distrito Federal vão concorrer a mandatos no ano que vem. O secretário de Saúde, Rafael Barbosa, faz sua estreia na política disputando uma cadeira de deputado federal. Ele se filiou ao Partido dos Trabalhadores no fim do ano passado e já falou sobre o assunto — diferentemente da maioria dos secretários candidatos, que prefere não levar ao público suas intenções por enquanto. Outro representante importante do primeiro escalão que concorrerá em 2014 é o petista Geraldo Magela, chefe da pasta de Habitação e Desenvolvimento Urbano. Ele ainda não sabe se tentará a reeleição para a Câmara dos Deputados ou se será o candidato de Agnelo Queiroz para o Senado. Os detalhes sobre cargos devem ser definidos no início de 2014.

A secretária da Criança, Rejane Pitanga, está licenciada da Câmara Legislativa e sonha com a reeleição. Ela diz que o excesso de candidatos fortes no PT não a intimida. “Serei candidata a distrital e sei que o partido tem nomes com muita densidade eleitoral. Isso não me assusta: quem não quer concorrência não deve nem sequer sair candidato”, comenta.

Enquanto não chega a reforma política, a regra é clara, como diria um comentarista de futebol: quem trocar de partido pode ser enquadrado pela Lei de Fidelidade Partidária. A rigor seria assim, mas existem brechas na Lei que permitem a quem detém mandato continuar no cargo eletivo. Com a proximidade do prazo final (5 de outubro), intensificaram-se nos últimos dias conversas de bastidores entre os que desejam disputar uma cargo eletivo no próximo ano.

Especulações mais intensas tem foco no deputado federal Luiz Pitiman (por enquanto no PMDB), um “novato” que ousou desafiar o partido, saindo da zona de conforto do governo Agnelo Queiroz “para construir um projeto de gestão voltado para os cidadãos de Brasília e não a um grupo político”. Depois de se reunir com os mais importantes lideres do Congresso e do Distrito Federal, deve mesmo ir para o PSDB, conforme articulações do senador Aécio Neves e do governador de Goiás, Mar­co­ni Perillo. “Muitas pessoas me abor­dam na rua e mesmo em reu­niões de lideres classistas, perguntando qual será o meu caminho. Respondo de imediato: o melhor para o Distrito Federal. Meu trabalho tem sido o de so­mar forças em busca de mudanças políticas e administrativas que tire o DF da letargia em que vivemos”. Pitiman não coloca seu nome como “salvador da pá­tria”, apenas defende que os partidos de oposição, se “unam em torno de um líder comprometido com os interesses do DF”.

No PSD, o que se ouve é a possível debandada das deputadas distritais Celina Leão e Eliana Pedrosa. Celina busca um partido pequeno que possa viabilizar sua reeleição, aproveitando o coeficiente eleitoral. O problema é que a maioria dos chamados “nanicos” está atrelada à base do governador Agnelo Queiroz (PT). Como Ce­lina é a mais aguerrida das opositoras do governador, sua margem de negociação fora do PSD se estreita. Outro problema de Celina é a falta do apoio da família Roriz, caso ela vá para um partido que não esteja dentro da esfera de interesses da aliança Liliane Roriz e a irmã Jaqueline, ambas com 100% de apoio do pai. Nos demais partidos, muita gente deve migrar para outras legendas, principalmente ao PMDB do vice-governador Tadeu Filippelli.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as