Pular para o conteúdo principal

NOVO NÃO PROÍBE ENTRADA DE NINGUÉM, SOMENTE DOS MAUS POLÍTICOS

“O NOVO não proíbe a entrada de políticos. Ele não permite a entrada de maus políticos”. disse Alexandre Guerra pré-candidato ao GDF pelo Novo

Nesta semana os Blogueiros de Política de Brasília e entorno realizaram duas entrevistas coletivas de muita significância para os entrevistados e muito importante para o eleitorado local e da região.
Na sexta (23), entrevistamos o vereador goianiense Jorge Kajuru(PRP) e na segunda-feira (26) foi a vez do empresário Alexandre Guerra (Novo). 

O pré-candidato a governador pelo NOVO Alexandre Guerra concedeu entrevista para a Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno (ABBP). Alexandre é herdeiro do Giraffas e se afastou das atividades administrativas da rede para se dedicar a sua pré-campanha. 


A ABBP ouvirá todos os pré-candidatos ao Governo do Distrito Federal e realizará um debate durante as eleições com os candidatos que viabilizarem suas candidaturas rumo o Palácio do Buriti.

Imparcialidade

O projeto Sabatina ABBP está em sua 35ª edição. Durante os três anos do projeto, a ABBP agiu de forma imparcial ouvindo políticos da oposição, situação e de diversos partidos políticos, independente da ideologia.

Reforma política

“O NOVO acredita que o indivíduo é o agente de transformação da sociedade e não o Estado. Defendemos uma reforma política e eleitoral profunda, pois o vício na nossa política começa nos partidos”.

Orçamento:  pré-candidato afirma o que a maioria deles dizem

“Mesmo com R$ 42 bilhões de orçamento por ano, num Estado pequeno como o Distrito Federal, os serviços públicos não têm sido ao contento da sociedade. 77% do orçamento do DF está voltado para o salário dos servidores públicos. O Estado não pode viver para se sustentar sem perspectiva de investimentos na cidade”.

O orçamento da Saúde

“O orçamento da Saúde do DF é de R$ 6,5 bilhões de reais. Com esse investimento deveríamos ter um serviço de qualidade. Já o orçamento da Educação é de R$ 8 bilhões por ano, mesmo assim temos uma educação sem qualidade”.

Forma diferente de fazer política

“Queremos mudar a forma que a política é feita. Os cidadãos de bem precisam se envolver na política. Não adianta ficar reclamando e não fazer nada. Sei que não é fácil promover essas mudanças num processo político tão viciado, mas acredito que é possível fazer as transformações necessárias. Basta começar”.

Aliança pós eleição

“Vencendo as eleições, procuraremos as lideranças políticas para debater a cidade, mas a composição será em prol da comunidade e não de espaço no governo. As lideranças políticas do DF devem estar unidas em prol do bem da população”.

O projeto de governo e sua discussão já estão em andamento afirma Guerra:

“Atualmente os dirigentes do NOVO estão gastando seu tempo focados em montar um plano de governo para governar e resolver os problemas do DF. Os demais partidos estão perdendo seu tempo em dividir e lotear o próximo governo em busca de alianças que garantam mais espaço no tempo de rádio e TV”.

O Novo rejeita o Fundo Partidário

“O fundo partidário distorce a igualdade de competição entre os candidatos. O NOVO sobrevive com recursos vindo dos seus filiados. São R$ 29 reais por mês pago por cada filiado, que paga por opção”.

Os candidatos a cargo eletivo não é indicação do presidente do partido

“No NOVO o presidente do partido não escolhe os candidatos. O presidente não tem influência na seleção dos pré-candidatos que é totalmente digital por meio de um processo seletivo. Não inventamos candidatos, nem direcionamos os recursos para os candidatos apadrinhados”

Instituições independentes

“Valorizamos a independência dos poderes. Por isso, o parlamentar do NOVO não pode indicar nenhum cargo no Executivo. Um dos problemas da falta de gestão é que as indicações políticas são feitas sem valorizar a competência das pessoas, o que prejudica o funcionamento do Estado”.

Sistema político falido

“O problema de gestão e a corrupção estão ligados ao que chamam de governabilidade. Isso se dá com o parcelamento do governo em troca de apoio no Executivo. As indicações políticas são feitas para atrair aliados e não para dar resultados práticos para a população. Além de anular a independência do Legislativo que perde sua principal função que é fiscalizar o Executivo”.

Equidade com os demais

“O NOVO brigará em pé de igualdade com os demais partidos e coligações. O número máximo de candidatos são 48, tanto por coligação, quanto por partido e o NOVO lançará 48 candidatos”.

Mulheres na política

“A prática é que o fundo partidário não é distribuído de forma igualitária. No NOVO não tem isso. Nossos candidatos precisam mobilizar as pessoas para doarem para o partido. E em relação a cota feminina afirmo que no NOVO não haverá candidatas fantasmas. No NOVO as mulheres serão candidatas de verdade e terão voto”.

O Partido não tem só empresários

“Metade dos candidatos do NOVO são funcionários públicos incluído o presidente do NOVO do DF. O partido não é composto apenas de empresários como tentam vender. Temos filiados e pré-candidatos de diversos segmentos da sociedade”.

Porteira aberta

“O NOVO não proíbe a entrada de políticos. Ele não permite a entrada de maus políticos”.


Emprego, segundo pré-candidato está relacionado com preparo, com formação.

“Não estamos formando nossos jovens para os empregos do futuro. Não existem investimentos na educação para isso porque isso não dá votos”.

Fonte: Sandro Gianelli




LEIA TAMBÉM



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Notícias do Planalto Central

Simbologia  A imagem (foto) marcante e mais simbólica da semana foi sem dúvida nenhuma a do governador Ibaneis Rocha na Ceilândia cercado de políticos "peso pesados" da Capital. Ladeado de Flávia Arruda (PL) o encontro sinaliza para uma aliança sólida neste ano de 2022.  'Puliça' O encontro de Ibaneis foi no reduto mais cobiçado da Capital, a Ceilândia (maior colégio eleitoral do DF), onde a foto fala mais do que qualquer palavra. O anfitrião,   o delegado Fernando Fernandes estava com sorriso de orelha a orelha com apoio e prestígio. O delegado deverá se filiar ao partido Republicanos com a benção de Ibaneis.  Volta à Cena O empresário e ex-senador  Luiz Estevão que agora goza de liberdade volta aos pouquinhos à cena política e parece já influenciar definitivamente alguns poucos  políticos da Capital, principalmente os distritais. Luiz tem política nas veias e participou discretamente de algumas "confras" ao lado da esposa Cleucy.   Decisão Fraga erra na tá

Coluna: Notícias do Planalto Central

Ex-governador Rollemberg Marketing reverso Na última semana de 2021, antes de assumir sua candidatura a deputado federal o ex-governador Rodrigo Rollemberg publicou um vídeo em que dizia do quanto dá trabalho cuidar das suas bezerrinhas. Fico imaginando o quanto é trabalhoso cuidar do seu curral eleitoral . Em tempo: no vídeo o político aparece todo sujo de esterco. Carnaval Atendendo a oração de muitos e mais ainda ao avanço de uma outra onda do vírus chinês o governador Ibaneis Rocha(MDB) cancelou o Carnaval de rua no DF. Ontem o vice Paco Britto anunciou não descartar um novo lockdown. "Saúde acima de tudo!"   Evangélicos Viver um paradoxo real é também ato de fé, na proporção em que a falta de Carnaval faz mal ao comércio e ao turismo da cidade, a pandemia do vírus chinês também faz mal à população deixando um rastro de pobreza (desemprego) e morte . O discurso dos evangélicos com referência ao fechamento das igrejas precisa encontrar um ponto de convergência ou

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as