Pular para o conteúdo principal

INTERVENÇÃO FEDERAL NO RIO O QUE TEM A VER COM NÓS DAQUI?

FOTO:INTERNET -HAMILTON SILVA


Acordei perplexo na manhã de sexta-feira (16) com uma voz dizendo: "Intervenção Federal... no Rio", suspirei esfreguei os olhos e quase que a taquicardia me leva ao êxtase. O sentimento de alívio misturou-se  a sensação de frustração, pois lá no fundo eu imaginei, numa fração de segundo, que seria no país inteiro. Levantei e na mesa do café pensei mais racionalmente.

Poucas reflexões

  • -1- Os efeitos da força desproporcional dispensada contra as forças do crime no Estado do Rio talvez não comporte a sensatez dos homens probos que Exército Brasileiro (EB) carrega em suas fardas. E posteriormente a frágil sociedade de bem de todas os segmentos cariocas, esperançosas de dias melhores, mais calmos, com paz, possam desfrutar da riqueza natural da região o que há muito tempo, décadas, o crime organizado arrancou do cidadão;.
  • -2- O mercantilismo do tráfico terá no curto e médio prazo uma queda de arrecadação que levará aos seus líderes diversificarem suas ações migrando para outros crimes (assalto a bancos, tráfico de novas drogas e sequestro) que penalizam outras cidades próximas ao Rio e outras onde a influência das organizações Criminosas já se instalaram, Sabido que na região do entorno sul de Brasília por exemplo;
  • -3- Com política tradicional da pior estirpe, como o clientelismo e a canibalização dos trabalhadores, de maneira geral e particular o servidor, o governo Temer irá sim continuar na missão de aprovar a Reforma da Previdência, mas discordo daqueles que defendem em seus "Textões de Facebook" que a manobra se dá  manipulando o decreto de Intervenção Federal. Michel Temer é mais esperto que os ingênuos companheiros  ressentidos que os chamam de golpista;  
  • -4- Sabendo que a Reforma da Previdência não será aprovada da maneira nenhuma antes das eleições nem no tempo que deseja, Temer irá tentar melhorar sua popularidade para quem sabe disputar ou indicar seu sucessor nas eleições e aí sim, com suporte dos índices econômicos, efetuar o golpe de misericórdia em 2019;
  • -5- Claro amigo leitor, que essa Intervenção Federal na segurança do Rio nos afeta diretamente porque na forma que a República Federativa está distribuída  vinculada socialmente, economicamente e politicamente aos estados nos remete a reflexão de que estados como o Ceará, Rio Grande do Norte, Goiás e toda a região norte possam ser a bola da vez. Observe o movimento nas fronteiras e a força da imigração recente. Só aí se justifica a criação de uma força tarefa e um pacto federativo de Segurança Nacional dos Estados envolvidos;
  • -6- O E.B tem a chance de mostrar um serviço diferenciado lá no Rio, mas nem de longe podemos sugerir uma intervenção na Federação. Sem chance.
 E tenho dito.


Por Hamilton Silva é jornalista DRT nº 11.815/DF






LEIA TAMBÉM





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

Economia - Função de Oferta

FUNÇÃO DE OFERTA  PODE-SE CONCEITUAR OFERTA COMO SENDO AS VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM, OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO EM FUNÇÃO DE PREÇO (Px). Seja os dados abaixo uma escala de oferta PREÇO (Px) QUANTIDADE OFERTADA (x) 1,00 1.000 3,00 3.000 6,00 6.000 8,00 8.000 10,00 10.000 OUTRAS VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA X= OFERTA Px= Preço do bem ofertado Pi = Preço de Insumos (fatores de produção); T = Tecnologia  X =f (Pi)  à X=f (Px, Pi,T) EQUILIBRIO DE MERCADO A lei da oferta e demanda (procura): Tendência de Equlibrio Pts. PREÇO (Px) PROCURA OFERTA SITUAÇÃO DE MERCADO A 1000 11000 11000 Excesso de demanda (escassez oferta) B 3000 9000 3000 Excesso de demanda (escassez de oferta) C 6000