Pular para o conteúdo principal

"DESENVOLVIMENTO É MUITO MAIS QUE DISCURSO UFANISTA"

Foto: Hamilton Silva
Hamilton Silva - Economista e Jornalista DRT- 11815/DF

Por: Hamilton Silva
Li, semana passada, uma matéria muito interessante na revista da Associação Comercial do DF - ACDF(Associação Comercial do DF) e assinada por renomado jornalista da cidade, sobre a tentativa de debater o desenvolvimento de Brasília, titulada DESENVOLVIMENTO É MUITO MAIS QUE DISCURSO UFANISTA.
Tenho muito orgulho da cidade onde nasci. Posso ser  considerado Ufanista? Posso, mas nem de longe me sinto responsável pela desordenada  e mal sucedida gestão dos governos que conduziram o Distrito Federal a desmandos quase irreversíveis. Principalmente no que diz respeito ao crescimento urbano desordenado e pela imigração descontrolada das últimas décadas.
Zoneamento Ecológico Econômico (ZEE) é base
Eu gostaria de ressaltar a vocação máxima e única administrativa com a qual Brasília foi idealizada e fundada. A capital não orbita em torno das cidades satélites ou das cidades goianas e mineiras, pelo contrário. Diferente dos que defendem uma violação de sua essência, a cidade por muitas vezes demonstrou aos seus "gerentes" de plantão que jamais será condicionada à vontade de seus algozes. 

Descobrir o perfil de cada cidade satélite é um desafio diário e permanente não só de seus gestores e de seus moradores. O verdadeiro conteúdo produtivo das cidades é contínuo na formação do caráter social.
Se não há um Plano de Desenvolvimento do DF a culpa não é, nem de longe, dos que aqui vivem ou de sua comunidade produtiva que possuem a capacidade criativa e institucional para contornarem a carência . Os governantes e "intelectuais" indicam importar uma forma de gerenciar a cidade de maneira que desconsiderem sua principal característica marcante e tentam induzir uma evolução industrial da região convencional que nunca vingará. RIDE e Região Metropolitana é uma excelente iniciativa para os que amam debates acadêmicos  eleitorais.
Engana-se o jornalista, deputado, senador e governador que não atentar-se para os maiores geradores de rendas e votos da cidade sonhada por Dom Bosco
IDH respeitável e orçamento bilionário se pulveriza com crescimento demográfico 
Para caracterizarmos um processo de desenvolvimento, é fundamental observarmos ao longo do tempo a existência de: 1º crescimento do bem-estar econômico medida por indicadores, como, por exemplo: Produto Nacional Total e Produto, per capita; 2º diminuição nos níveis de pobreza, desemprego e desigualdades; 3º elevação das condições de saúde, nutrição, educação, moradia. E, se analisarmos todos esses dados com profundidade, verificaremos uma degradação significativa dos parâmetros descritos que compõem o desenvolvimento quando nos distanciamos do centro, do Plano Piloto. 
O aspecto fundamental é que desenvolvimento econômico não pode ser analisado, somente, por meio de indicadores como crescimento do produto real ou crescimento do produto real per capita. Desenvolvimento econômico deve ser complementado por indicadores que representem, ainda que de forma incompleta, a melhoria da qualidade de vida dos indivíduos, bem como a elevação das condições de saúde, nutrição, higiene, moradia, dentre outras variáveis sociais.
Cidade Digital e outras soluções
Não se pode jogar no lixo as tentativas de encontrar soluções, mesmo que fracassadas,para fomentar o desenvolvimento da Capital, foi assim com o projeto da Cidade Digital. Democratizar e "debater" com a sociedade em muitas vezes não se resolve o problema já que eleger prioridades para muitos gestores se tornou secundário devido à escravidão estéril das amarras orçamentárias. Mas principalmente ao comportamento evoluído fisiologista dos executivos e legislativo sempre contaminando os debates. Quem não se lembra das inúmeras reuniões do Orçamento Participativo?
Ufanismo Falso
O  autor do artigo publicado na Revista esqueceu de escrever que esteve por duas vezes em posição de destaque em governos que poderiam sim startar a discussão de forma definitiva, mas não o fez. Por que? Convergimos no fato de que políticos, acadêmicos e autoridades que posicionam falsamente na possibilidade de debate propositivo e "desinteressado". 

Para finalmente ajudar o desenvolvimento de Brasília na direção irrevogável e pungente é a valorização do funcionalismo e consequentemente do  setor de  comércio/serviços. Os que governam, governam para si, para estabelecerem aqui, na Capital, suas empresas beneficiadas com subsídios fiscais e estruturais como renúncia de IPTU, ICMS  e outros. Parece até chantagem. Esses nunca irão amar de fato a Capital. 


LEIA TAMBÉM



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

Economia - Função de Oferta

FUNÇÃO DE OFERTA  PODE-SE CONCEITUAR OFERTA COMO SENDO AS VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM, OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO EM FUNÇÃO DE PREÇO (Px). Seja os dados abaixo uma escala de oferta PREÇO (Px) QUANTIDADE OFERTADA (x) 1,00 1.000 3,00 3.000 6,00 6.000 8,00 8.000 10,00 10.000 OUTRAS VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA X= OFERTA Px= Preço do bem ofertado Pi = Preço de Insumos (fatores de produção); T = Tecnologia  X =f (Pi)  à X=f (Px, Pi,T) EQUILIBRIO DE MERCADO A lei da oferta e demanda (procura): Tendência de Equlibrio Pts. PREÇO (Px) PROCURA OFERTA SITUAÇÃO DE MERCADO A 1000 11000 11000 Excesso de demanda (escassez oferta) B 3000 9000 3000 Excesso de demanda (escassez de oferta) C 6000