Pular para o conteúdo principal

Formação Econômica das Gerações



A Geração "X" ou Geração Coca-Cola


“A teoria do subdesenvolvimento traduz a tomada de consciência das limitações impostas ao mundo periférico pela divisão internacional do trabalho que se estabeleceu com a difusão da civilização industrial.” Celso Furtado 

Elaborei uma reflexão sobre o intervalo histórico onde nasceram nossas gerações. Enfatizei a economia nacional, mas o objetivo é criar uma reflexão sobre aqueles brasileiros que nasceram e viveram em diferentes conjunturas. Não se tem a pretensão de aprofundar de forma acadêmica, mas tem sim, a pretensão de aguçar o espirito crítico dos leitores e mostrar como o ciclo econômico influência diretamente na educação e consequentemente no desenvolvimento do país. Hoje postarei sobre a geração que estou inserido. A 13ª geração.

A Geração X nasceu aproximadamente entre 1965 e 1981. A especialista no estudo de gerações do Brasil, Eline Kullock, afirma que essa geração entrou em um novo mundo fora das perspectivas utópicas, tendo que se conformar com um padrão de vida mais realista e consumista em pleno período de Guerra Fria. Na década de 1970, a taxa de natalidade média era de quase seis filhos por mulher. As consequências são sentidas agora. Desde a minha infância, há quarenta anos atrás, a população brasileira saltou de 90 para quase 200 milhões de pessoas. 
Vivemos boa parte do período do “milagre econômico”, 1968 a 1973. Passamos por  uma etapa, um degrau do desenvolvimento, vivemos o auge do subdesenvolvimento, pois o Brasil cresceu a taxas insignificantes no início dos anos 60. E com o golpe militar a concentração de renda cresceu muito e a classe média alta foi privilegiada. Entre 1968 e 1973 o PIB real cresceu à taxa média de 11,2%. O forte crescimento do setor de bens duráveis deveu-se não somente a concentração de renda que ocorreu no período, mas também a forte expansão do financiamento ao consumo. Diferentemente do que ocorria nos países centrais, no Brasil a produção dos bens de consumo era direcionado a um segmento da sociedade que já era acostumada a consumir, mas que agora tinha um produto industrializado de ponta e a sua disposição novas linhas de créditos. A exclusão de grande massa de consumo não impediu o crescimento econômico. Porque havia uma liquidez de fácil acesso no exterior e o Brasil tinha interesse nesse capital. E tomava empréstimo.

O período de 1968-1973 é um período de boom na economia brasileira. O PIB em alta, a indústria de transformação cresce a uma taxa média de 13,3% ao ano, a indústria de construção a uma taxa média de 15% ao ano e os serviços industriais de utilidade pública, 12,1% ao ano. O setor terciário apresenta uma expansão média de 11,1% ao ano e o setor primário 4,5% ao ano em média. 
O Milagre Econômico consistia em três linhas de ações:
  • concentrar riqueza a fim de favorecer a formação de capital fixo e de promover a ampliação do mercado de bens duráveis, 
  • reduzir o salário real básico (que foi reduzido durante toda a década de 1960) e;
  • fomento, mediante subsídios, à exportação de alguns produtos indústrias, além da diminuição de tarifa em 1967. Essas estratégias foram seguidas através da utilização de instrumentos cambiais, fiscais, creditícios e salariais. 
Enfim, o aumento da dívida externa favoreceu o aumento das importações e muitas empresas foram beneficiadas com essa operação. Aproveitando a fase de liquidez da economia internacional o governo passou a buscar empréstimos e acumular reservas. Apartir do endividamento e o aumento de importações, pela análise de Fernando Henrique Cardoso, naquela época, quem liderava o desenvolvimento capitalista no Brasil a partir dos anos 1960, passa não ser mais a burguesia nacional, ou o Estado Brasileiro e sim a burguesia internacional que operava através de trustes no Brasil em associação com a parte da burguesia nacional e com o Estado. Daí o perfil xenófobo da geração coca-cola. O “Milagre”, portanto foi um período de grande crescimento econômico, grande industrialização e de modernização de nossa economia. Porém grande parcela de nossa população permaneceu excluída. 
Com um grau de analfabetismo elevado o governo se viu obrigado a criar o MOBRAL, Movimento Brasileiro de Alfabetização, que durou 15 anos, mas com pouco resultado. Em 1970 o índice de analfabetismo estava em 33,6% e chegou em dez anos depois, 1980 em 25,5%. Decréscimo. 

No Mundo
Apartir de 1974, com o choque do preço do petróleo a balança comercial passa por fortes instabilidades e um crescimento negativo da economias desenvolvidas. O barril do petróleo triplicou de preço em menos de três meses no ano de 1973. Nessa mesma época, a crise entre os produtores orientais e o bloco capitalista piorou com o estouro da Guerra do Yom Kippur. Esse foi um dos vários conflitos entre árabes e judeus envolvendo os territórios da Palestina. Discordando da ofensiva judaica, as nações árabes vizinhas, produtoras de petróleo, organizaram um boicote contra toda a nação que apoiasse a causa dos israelenses. Não suportando a elevação do barril para a casa dos US$ 40,00, vários países abandonaram a guerra. Em 1979 o mercado sofreu outro baque quando preço atingiu U$80,00 dólares, um absurdo. 

A partir de 1973 o cenário mundial e o brasileiro mudam. Para o falecido Celso Furtado a crise do dólar e o primeiro choque do petróleo, mudou o quadro internacional que havia possibilitado a industrialização. Houve um aumento da liquidez internacional e uma baixa nas taxas de juro, o que gerou o sobreendividamento de vários países do Terceiro Mundo. 

Curiosidades
Foi na década de 70 que a necessidade de se ter departamentos e diretorias de marketing nas grandes empresas, passando para outras áreas das organizações e a possibilidade de  um executivo se destacar se torna ainda mais real com a quebra de paradigmas. 
Nessa década a segunda maior economia do mundo era a União Soviética, que só perdia para os Estados Unidos, mas não conseguia crescer e viveu estagnada durante todo o período. Era o principal opositor americano no campo bélico, fato que direcionou por muitos anos a economia mundial.

Nascemos num país sem liberdade, onde havia censura da imprensa, prisões arbitrárias, guerrilha política e os mais pobres não tinham vez. E que culminou numa crise hiperinflacionária, com distribuição de renda inexistente e muitos poucos sequer tinha acesso a uma conta bancária. Graças a ela, podemos ver uma curva de inflexão não apenas no crescimento populacional mas em todos os indicadores de que este planeta poderá ser cada vez mais civilizado, com respeito aos direitos humanos, democracia, responsabilidade social e defesa do equilíbrio ambiental. 
A próxima postagem será sobre uma das famosas gerações, Y, Z ou baby boomers. Até a próxima.

Ricardo Nahra Hammoud, Crescimento e Desenvolvimento e desigualdade da renda; Análise dos Clássicos.
Rainer Sousa – Professor de História, Equipe Brasil Escola
Taysa Regina Bahry - Doutora em Desenvolvimento Econômico. UFPR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.