Pular para o conteúdo principal

GOVERNO E DIVERSOS SETORES DA SOCIEDADE SE UNEM PARA IMPULSIONAR AECONOMIA DO DF


Apoiar grandes empreendimentos em Brasília e no Entorno com foco nas áreas de comércio, serviços, turismo, economia criativa e inovação é o principal objetivo da Câmara Especial de Articulação de Projetos Estruturantes para o Desenvolvimento do DF, lançada nesta quarta-feira (20). O grupo é composto por representantes do setor produtivo, do governo de Brasília, da Câmara Legislativa, da esfera pública federal, do setor financeiro, de organizações internacionais e da área acadêmica.

O secretário de Fazenda, João Antônio Fleury, o governador Rodrigo Rollemberg e o presidente da Fecomércio, Adelmir Santana durante o lançamento da Câmara Especial.

O secretário de Fazenda, João Antônio Fleury, o governador Rodrigo Rollemberg e o presidente da Fecomércio, Adelmir Santana, durante o lançamento da Câmara Especial de Articulação de Projetos Estruturantes para o Desenvolvimento do DF.

“Nosso objetivo é discutir a nossa cidade ajudando o governo a impulsionar projetos de importância para o DF”, ressaltou Adelmir Santana, presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Distrito Federal (Fecomércio-DF), entidade responsável pela iniciativa.

Entre os objetivos específicos da câmara especial estão a geração de emprego e renda, o incentivo a ações de qualificação de recursos humanos e a proposição de programas de incentivos ao setor produtivo do DF e de municípios da Região Integrada de Desenvolvimento Econômico do Distrito Federal e Entorno (Ride).

O lançamento ocorreu na sede da Fecomércio, no Setor Comercial Sul, e contou com o governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, que destacou a cooperação entre governo e iniciativa privada. “A criação dessas câmaras é muito importante para haver um diálogo permanente entre o governo e o setor produtivo, para que possamos enfrentar juntos as dificuldades e criar no DF um ambiente econômico de desenvolvimento e de geração de empregos”, afirmou. Em junho foi lançada a Câmara de Turismo e Hospitalidade.Áreas estratégicas para o desenvolvimento de Brasília

Rollemberg citou cinco áreas estratégicas para o desenvolvimento da capital: educação; ciência, tecnologia e inovação; cultura; turismo; e meio ambiente. “Devemos fazer todo o esforço necessário para que empresas vinculadas a essas áreas venham para Brasília.”

Durante o lançamento, foram apresentados projetos como as ideias da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) para o parque tecnológico a ser constituído no Distrito Federal e a ampliação do Aeroporto Internacional de Brasília Juscelino Kubitschek, com a criação de um terminal, mais salas de embarque, hotéis e edifícios comerciais.

Rollemberg reforçou ações importantes em andamento no DF, como as obras na saída norte de Brasília, o Corredor Eixo Oeste, e o lançamento do edital Startups Brasília 2016 — seleção pública que dá apoio financeiro ao desenvolvimento de produtos e processos inovadores, com investimento de R$ 5 milhões. Destacou ainda parcerias que o governo tem buscado com a iniciativa privada.FECOMÉRCIO APRESENTA PROJETO VOLTADO AO DESENVOLVIMENTO DA CIDADE

Também participaram da cerimônia os secretários de Fazenda, João Antônio Fleury, e de Planejamento, Orçamento e Gestão, Leany Lemos; o secretário adjunto de Relações Institucionais da Casa Civil, Igor Tokarski; o presidente do Banco de Brasília (BRB), Vasco Cunha Gonçalves; as diretoras-presidentes da Agência de Fiscalização do Distrito Federal (Agefis), Bruna Pinheiro, e da Fundação de Apoio à Pesquisa (FAP-DF), Ivone Resende Diniz; e os deputados distritais Rodrigo Delmasso (PTN) e Chico Vigilante (PT); além de representantes de diversos setores relacionados à iniciativa. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

BRASIL É SEXTA ECONOMIA

  A Crise ajuda o Brasil EUA, China, Japão, Alemanha, França, Brasil essa é a nova ordem. Afirma o Centro de Pesquisa de Economia e Negócios do Reino Unido (CEBER, sigla em inglês). A China deverá crescer 7,6% e a Índia deverá crescer 6% o Brasil, segundo autoridades brasileiras deverá crescer em torno dos 3,5% se consolidando como a sexta economia mundial. O Reino Unido só não vai ficar mais desesperado porque a França indica um queda significativa para os próxmios anos. PIB de 2,5 trilhões de dólares A soma de todos os bens e serviços (Produto Interno Bruto-PIB) se mantem entre os maiores mundiais, o contraponto é justamente aquele que o Partido dos Trabalhadores sempre usou como principal bandeira, o social, que precisará de muita atenção da chefe do executivo. Com a decisão de elevar o salário mínimo para R$ 622,00 fará com que se  tenha uma acréscimo de 0,4 pontos percentuais no PIB de 2012. Fato muito importante para a manutenção da política econômica. A indústria