Pular para o conteúdo principal

ABBP: TRÊS ANOS, TRÊS PILARES

Foto: Fred Lima-Hamilton Silva
Fred Lima é Fundador da ABBP e Jornalista

Fundada em dezembro de 2014, Associação dos Blogueiros de Política do DF passa no teste do tempo e vai se consolidando como a representante da blogosfera na capital


FRED LIMA*

Há cinco anos, Arthur Sulzberger Jr., editor do The New York Times, deu uma declaração sobre a visão futurista do jornal norte-americano com relação ao jornalismo. “Para nós, o futuro do jornalismo é crescentemente digital e crescentemente global”, afirmou.  Sulzberger estava certo ao enxergar que em um futuro próximo o digital substituirá definitivamente o papel, uma tendência mundial que acontece a todo vapor.
Seguindo esse prognóstico, em meados de outubro de 2014 recebi uma mensagem daquele que foi um dos meus professores durante o curso de jornalismo, nas faculdades ICESP/PROMOVE, no Guará-DF: o prof. Francisco de Paula Lima Junior (in memoriam), mais conhecido como professor Chico.
Dois anos depois da faculdade, meu caminho novamente voltou a se cruzar com o do professor Chico, mas desta vez na área do webjornalismo, na blogosfera política. Meu blog tinha sido lançado apenas há seis meses, sem que eu soubesse ao certo qual seria o resultado da nova empreitada.
A mensagem do prof. Chico foi a seguinte: “Vamos criar uma associação de blogueiros de política e você tem que fazer parte dela. Te aviso quando marcarmos a primeira reunião para discutirmos sobre o assunto”. Disse que participaria, embora não tivesse entendido a magnitude da ideia, pois era foquinha (apelido utilizado para o jornalista novato) na blogosfera.
Na primeira reunião, um time de peso compareceu em uma sala de aula do ICESP/PROMOVE. Falei muito pouco. Passei o tempo inteiro ouvindo e tentando compreender a importância que teria uma associação de blogueiros para a categoria. Nomes relevantes da blogosfera, como Odir Ribeiro, Sandro Gianelli, dentre outros, estavam presentes.
Após vários debates, nasceu a Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno (ABBP), cuja missão é representar, defender e unir a categoria de blogueiros de Brasília e da Região Metropolitana.
A existência da ABBP não tem como missão acabar com a grande mídia. Quem pensa assim está equivocado. O motivo principal da fundação da entidade foi para unir e fortalecer a classe de blogs, que andava dispersa, sem que pudesse contar com uma instituição que a representasse.
Toda associação ou movimento tem que surgir no cenário em que atua para somar e contribuir com o debate, não criar meios de inibição ou desmerecimento da atuação de outros agentes, o que acaba implodindo a própria categoria. No caso da blogosfera, o aparecimento da ABBP contribuiu para um olhar mais atencioso da classe política e jornalística para os profissionais que trabalham na fábrica da notícia digital, que pautam, por diversas vezes, a imprensa convencional.
Trata-se de uma associação ampla, editorialmente falando, cujos blogueiros com suas matérias jornalísticas alcançam camadas específicas da população até então pouco exploradas por outros veículos. A amplitude também é geográfica, contemplando todo o país, com a cobertura da política nacional, mas o foco acaba sendo a política distrital, já que a sede se encontra na capital.
Vale ressaltar que, apesar da importância de personalidades imprescindíveis para a sua história, a ABBP não é fruto do trabalho de um homem só, mas da força do conjunto, que é plural e coeso. E é por este motivo que ela se tornou maior que qualquer associado, assim como acontece com as grandes entidades que sobrevivem com o passar dos anos. O todo tem que ser maior que a soma de suas partes.
O processo minucioso de fundação, construção e expansão foi fundamental para dar estrutura à obra. Sem esses três pilares, a instituição não chegaria até aqui e teria se desmoronado com a primeira tempestade.
Nos seus três anos de existência, a Associação demonstra ter uma característica importante: não cede à perigosa vaidade e passa na primeira etapa do espinhoso teste do tempo, sendo a entidade que mais agrega blogueiros que fazem a cobertura política em diversos segmentos da sociedade brasiliense e do entorno.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.