Pular para o conteúdo principal

A CORAGEM DE UM PRÉ-CANDIDATO; PILOTO "VAI IDOSO"

FOTO: INTERNET

A corrida eleitoral pelo Buriti parece ter atingido seu ápice nos últimos dias, desde que o líder dessa corridaJofran Frejat(PR), decidiu um por um  pit stop nessa desleal competição.

A necessidade do start  exigia do pré-candidato uma aliança que pudesse impulsionar os motores da campanha de maneira que pudesse movimentar um carro "pesado" e com muita gente dentro e que esse empurrão inicial proporcionasse uma velocidade, forca e combustível necessário para se chegar ao fim da corrida, em outubro,  liderando o pleito.

Com bagagem (conteúdo) de sobra, Frejat, agora precisa se livrar de alguns pesos mortos e ganhar folego, entretanto, esse pit stop revela a coragem de um piloto, arrojado, audacioso, minucioso e rápido. Os embarcados que parecem, só parecem, roer as entranhas da candidatura do republicano, já roeram as celas da Polícia  Federal e de outros governos brasilienses. Especialistas em roer o dinheiro público e numa lábia para alcançar votos, estas ratazanas fazem qualquer negócio para continuar a defrenestar os honestos da vida pública.

Outras paradas táticas podem ser fazer necessárias devido ao tamanho dos roedores embarcados no carangoPor outro lado, o grande número de espectadores que torcem nas arquibancadas devem estar atentos para que a passividade de torcida não inviabilize a forte personalidade demonstrada por Frejat. A certeza é de que todos deverão dar um empurrãozinho.

Princípio de vencedor. É o que denota a parada tática do concorrente. Ouvi e li muita bobagem nos últimos dias, mas também li muitas coisas interessantes sobre os candidatos suas estratégias mirabolantes. Gente, a questão posta neste momento é exatamente o grande tema que movimenta nossos noticiários policiais:Corrupção!! Parece não ser, mas é. Se os caras que pressionam o republicano fossem do bem ou não tivessem a ficha corrida que tem o doutor Jofran estaria nadando de braçada . Como numa corrida de carros velozesé preciso ajustar os aerofólios, calibrar pneus e verificar o óleo, todavia o vento da corrupção empurra a candidatura do "vai idoso" para fora da pista, podendo, inclusive, leva-lo a uma colisão fatal.

O carango do "vai idoso" tem em seu capô o número 22  que, por sua vez, ganhou notoriedade, na Capital, pelo espaçoso e experiente piloto, o presidente da escuderia, Waldemar deu garantias de que o astuto piloto terá a direção nas mãos. As críticas? Às favas com as críticas. Toda sociedade de bem deveria estar embarcada nessa viatura, já que ficha limpa é coisa rara e isso poderia fortalecer o ex-deputado, ex-ministro e ex-secretário da saúde contra os ratos graúdos que roem pelas beiradas e desejam uma selfie com  líder nas pesquisas. Mas não, os hipócritas acreditam na pureza e até num ser humano sem mácula, perfeito. Não existe perfeição.

Poucos são os pré-candidatos que consideram e valorizam os servidores públicos da capital como determinantes nessa corrida, haja vista as características peculiares de nossa cidade composta de servidores públicos bem como o fato de  que o atual detentor do troféu Buriti“ ignorou seus eleitores (torcedores) e esnobou a IMPORTÂNCIA dos que movimentam e movimentaram a economia local.

Enquanto o "vai idoso" observa, atentopelo retrovisor, os outros competidores, se degladiam  e jogam armadilhas, na pista, o povo, esperançoso mas, não iludido(até tem muitos), aguarda a bandeira quadriculada para um vitorioso que, sem vaidade (81 anos!!! Que maravilha, para uns, e inconcebível, já que muito velho, para outros) e com valores que os demais não apresentaram até o momento, vai devagar e sempre, sem arranques no motor que danifiquem a sua máquina potente e confiável. Aguardemos as próximas voltas desse circuito sinuoso com lamaçal profundo e cheio de traíras.  Que os justos possam celebrar a bandeirada !!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.