Pular para o conteúdo principal

CANDIDATURA BOLSONARO NA ANÁLISE DE PAULO KRAMER

Foto: Blog do Elza Fiuza/Ag, Brasil

O cientista político, Paulo Kramer, professor da UnB, questionado sobre a candidatura à Presidência da República, de Jair Bolsonaro (PSL-RJ) afirmou que “está na hora de pararmos de achar que Bolsonaro é pouco competitivo, algo que é muito mais projeção de desejos e temores do comentariado do que outra coisa”.
Lembrou que “esse negacionismo foi responsável em grande medida, pela amarga surpresa acarretada pela vitória de Donald Trump, nos EUA. Vitória ‘inesperada’ só mesmo para quem não queria enxergar sinais que já estavam à vista de quem quisesse ver”. Na avaliação de Kramer, Bolsonaro é competitivo”. E acrescentou: “pesquisas de circulação restrita mostram que ele é o mais bem posicionado para atrair votos dos eleitores de outras candidaturas, quando estas são excluídas nas diversas simulações”. Por último, mas não em último, assinalou o cientista político, “se Bolsonaro fizer ajustes consentâneos com as observações acima, reduzirá significativamente sua vulnerabilidade no segundo turno. ”
Recursos para os parlamentares
A decisão dos partidos tende a não dispersar recursos, expressam na prática concentrar o foco na formação de grandes bancadas nos Parlamentos. Esta é uma tendência geral dos partidos intermediários, pois fora os hegemônicos PT e PSDB, todos os demais estão botando seus pré-candidatos na balança, mesmo aqueles que chegaram a nomes bem indicados nas pesquisas.
Já Ciro Gomes, do PDT, corre pelas beiradas. O dono de legendas está nas cadeiras de assembleias, Câmara e Senado. Por isso, o grande número de parlamentares que aproveitaram as janelas partidárias para trocar de legenda.
Concentrando forças
O Partido Progressista do Rio Grande do Sul vai concentrar suas forças na reeleição da senadora Ana Amélia, que lidera as pesquisas ao lado do senador Paulo Paim, do PT, ambos com os mesmos 24% de intensão de votos. Foi essa pesquisa que levou a ex-presidente Dilma Rousseff, aspirante a uma cadeira no Senado, tal como outros ex-presidentes, a desistir do Rio Grande do Sul e buscar espaço em Minas Gerais. Esta é uma posição coerente com a estratégia nacional do partido: não dispersar recursos, concentrar nos dois majoritários.
Já no PSB, continua a hesitação de Joaquim Barbosa de assumir a candidatura e montar no cavalo que, aparentemente, passa encilhado à sua frente.
Poder nos Estados
Em reunião com os governadores do PSB, em Brasília, o ex-ministro não transmitiu muita animação. Para os governadores, que estão com a chave do cofre, a prioridade é manter o poder em seus estados. Joaquim Barbosa pensa no desafio de ter de superar a concentração de recursos nas campanhas estaduais.
Jair Bolsonaro, outro pré-candidato bem colocado nas pesquisas quantitativas, mas que tem pela frente uma legião de candidatos das legendas que o apoiam, todos garimpando recursos. A realidade é que o financiamento público concentra os recursos nos partidos majoritários. Com isso, o poder dos pequenos e médios partidos vem de suas capacidades de barganha com o poder maior, tanto a nível federal como nos respectivos estados.
Por: Edgar Lisboa

LEIA TAMBÉM



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.