Pular para o conteúdo principal

"O PROJETO CENTRAL DO PSB É REELEGER RODRIGO ROLLEMBERG"

Foto: Internet - Hamilton Silva

O Secretário das Cidades do Governo de Brasília, Marcos Dantas, concedeu entrevista para a Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno (ABBP). O encontro foi realizado na Associação Comercial do Distrito Federal (ACDF). Dantas é o 3º vice-presidente do PSB-DF e pré-candidato a Câmara dos Deputados. Temas como eleições, reforma política, militância e governo Rollemberg, foram tratados durante a coletiva. A Coluna On´s e Off´s trouxe um resumo das declarações.
Eleições 2018
“O projeto central do PSB é reeleger Rodrigo Rollemberg governador, eleger uma bancada de deputados distritais e eleger deputados federais”.
Filiados X Militantes
“Essa relação de filiados com a militância pra mim é o menos importante. O mais importante e você ter uma militância que faça o debate, discuta e possa ir pra rua, falar do governo, fazer o debate nas cidades, questionar quando for preciso e hoje o PSB-DF tem mais de 2.500 filiados. Como dirigente partidário entendo que é melhor ter qualidade do que quantidade de filiados”.
Representação política
“Temos que rever muita coisa em relação aos partidos políticos. Hoje temos verdadeiros cartórios. Isso se reflete na população que não se sente representada por aqueles que deveriam representa-los. A representação esta muito longe dos seus representados. A classe política, ou entende isso definitivamente, ou continuaremos dessa forma, com essas crises políticas que estamos atravessando”.
Expulsão de deputados
“Semana passada o PSB ia expulsar seis parlamentares federais, ainda bem que eles pediram para sair. Isso porque eles foram contra a decisão do partido. Partido tem que ter ordem, tem que ter linha, tem que ter um programa. Se não fica cada um atirando pra um lado ou fazendo aquilo que mais lhe convier”.
Reforma Política
“Precisamos fazer uma reforma profunda. Essa reforma começa pelos partidos políticos. Todos sabemos que temos vários partidos de aluguel. Partidos que só funcionam para patrocinar o tempo de televisão em campanha eleitoral. Nós que somos democratas temos que rever isso imediatamente”.
Cláusula de barreira
“Defendo que a cláusula de barreira deva ser mais endurecida. Não é possível termos 36 partidos”.
Legislativo X Executivo
“Na Câmara Legislativa temos mais de 16 partidos. São 24 parlamentares e 16 partidos. Isso atrapalha muito a política e dá um sentido muito ruim para a população”.
Representação
“Acredito que a política é o canal para fazer a comunicação entre o poder e o povo. Essa ponte tem que estar sempre erguida”.
Descrédito
“Falar de política hoje para a população é um tema muito complicado, as pessoas estão com uma aversão a tudo que estamos vendo. O descrédito da política, dos políticos e dos partidos é muito grande”.
Alianças
“Após a eleição interna do PSB-DF passamos a tratar com mais intensidade a composição de alianças para as eleições de 2018. A vinda da Maria de Lourdes Abadia é prova disso. Fizemos uma construção para atrair uma sigla importante que é o PSDB. Estamos conversando com diversos partidos para uma ampla aliança em 2018”.
Mobilidade
“Contratamos uma empresa de consultoria que tem a missão de redesenhar todas as linhas de ônibus do DF. Comecei esse processo quando fui Secretário de Mobilidade. Esse trabalho é demorado e tem o objetivo de garantir as integrações, além de mais efetividade dos ônibus, proporcionando que os ônibus passem mais vezes e o tempo de viagem diminua”.
Crise hídrica
“Há 16 anos não se investia um centavo para a captação de água nessa cidade. Esse governo esta investindo. Estamos atuando desde janeiro para poder diminuir a crise hídrica. Estamos investindo mais de 500 milhões somente em Corumbá. Esses investimentos vão assegurar pelo menos 15 anos sem problema hídrico no DF”.
Grilagem de terra
“Evitamos que fosse ocupado irregularmente uma cidade do tamanho de Samambaia. Essas medidas provocam insatisfação. Estamos combatendo a grilagem. A crise hídrica vem das invasões desenfreadas. A grilagem é um dos motivos da crise que o DF tem passado”.
Desgaste
“A questão fundiária é um dos motivos que trouxe um certo desgaste para o governo. Outra decisão foi a de não pagar os ajustes para os funcionários públicos. Se tivéssemos pago essa cidade estaria vivendo um verdadeiro caos econômico e financeiro, e não esta, graças a gestão financeira desta gestão”.
Economia
“As coisas continuam melhorando, os empregos voltaram a aparecer, a economia voltou a crescer e a arrecadação começa a melhorar. A economia esta se deslocando da política. Até pouco tempo atrás a crise e a economia andavam juntas. Isso tem propiciado que as coisas melhorem”.
Cidades Limpas
“Já chegamos a tirar 70 toneladas de lixo, de entulho, em uma semana de atividades do programa Cidades Limpas. Precisamos intensificar a cultura de conservação das cidades”.
Centro Administrativo
“Não há previsão para que o governo se desloque para o Centro Administrativo em Taguatinga. A obra é objeto de várias ações judiciais. Nós não concordamos com o valor que o consorcio queria cobrar do GDF. Contratamos uma consultoria para realizar um diagnóstico da situação”.

Por: Sandro Gianelli
GOVERNO FEDERAL PROÍBE O GDF DE USAR AÇÕES DO BRB PARA RECOMPOR IPREV
Em sessão tumultuada, distritais aprovam benefício fiscal para diversos grupos
Arrecadação do GDF sobe, mas brasiliense não vê a cor do dinheiro

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.