Pular para o conteúdo principal

AS INCERTEZAS POLÍTICAS DERRUBAM NOSSA MOEDA

Foto: Internet

Definitivamente a variação da moeda americana para cima, nos últimos dias, revelou o poder das incertezas, insegurança e nebulosidade na política interna . 

É fato que os interesses encabeçados pelo presidente norte americano Donald Trump, baseados nos discursos eleitorais de protecionismo e recuperação das dívidas (+ de 100 milhões tem atingidos seus objetivos e a economia americana tem se fortalecido ao ponto de influenciar a desvalorização das moedas pelo resto do mundo, principalmente em países de desenvolvimento frágil como a nossa.

Donald Trump reduziu o número de desempregados ao menor números dos últimos dezesseis anos.

O dólar fechou nesta sexta-feira (18), a R$ 3,7369, alta de 1,01%, na sexta valorização consecutiva. Na quinta-feira, o dólar atingiu R$ 3,6994, sua maior cotação em pouco mais de dois anos, e na semana, a moeda acumulou ganho de 3,8%.

Assim como no câmbio, o Ibovespa, após ter recuado mais de 2%, diminuiu o ritmo na reta final do pregão, fechando aos 83.081,88 pontos, perda de 0,65%, com alguns investidores aproveitando as pechinchas. Na semana, o índice perdeu 2,51%.

Além do movimento de reprecificação global do dólar com a perspectiva de alta mais intensa dos juros americanos, o desconforto com a decisão do Copom de manter a Selic em 6,5% ao ano, apesar de ter sinalizado um corte de 0,25 ponto porcentual, continuou a pressionar os ativos domésticos.

A manutenção dos juros significa que muitos parâmetros inflacionários estão sendo monitorados e que o Banco Central contabiliza pequenas, pequenas mesmo tá, altas nos índices inflacionários.

Como já virou quase uma regra nos últimos pregões, houve muita volatilidade e a moeda americana chegou a variar centavos: da mínima de R$ 3,7136 à máxima de R$ 3,77.

As perspectivas é que esse viés de alta permaneça até o fim das eleições no Brasil e que a economia externa, principalmente a americana continue atraíndo capital valorização sua economia.



Por Hamilton Silva - economista e jornalista



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.