Pular para o conteúdo principal

AS INCERTEZAS POLÍTICAS DERRUBAM NOSSA MOEDA

Foto: Internet

Definitivamente a variação da moeda americana para cima, nos últimos dias, revelou o poder das incertezas, insegurança e nebulosidade na política interna . 

É fato que os interesses encabeçados pelo presidente norte americano Donald Trump, baseados nos discursos eleitorais de protecionismo e recuperação das dívidas (+ de 100 milhões tem atingidos seus objetivos e a economia americana tem se fortalecido ao ponto de influenciar a desvalorização das moedas pelo resto do mundo, principalmente em países de desenvolvimento frágil como a nossa.

Donald Trump reduziu o número de desempregados ao menor números dos últimos dezesseis anos.

O dólar fechou nesta sexta-feira (18), a R$ 3,7369, alta de 1,01%, na sexta valorização consecutiva. Na quinta-feira, o dólar atingiu R$ 3,6994, sua maior cotação em pouco mais de dois anos, e na semana, a moeda acumulou ganho de 3,8%.

Assim como no câmbio, o Ibovespa, após ter recuado mais de 2%, diminuiu o ritmo na reta final do pregão, fechando aos 83.081,88 pontos, perda de 0,65%, com alguns investidores aproveitando as pechinchas. Na semana, o índice perdeu 2,51%.

Além do movimento de reprecificação global do dólar com a perspectiva de alta mais intensa dos juros americanos, o desconforto com a decisão do Copom de manter a Selic em 6,5% ao ano, apesar de ter sinalizado um corte de 0,25 ponto porcentual, continuou a pressionar os ativos domésticos.

A manutenção dos juros significa que muitos parâmetros inflacionários estão sendo monitorados e que o Banco Central contabiliza pequenas, pequenas mesmo tá, altas nos índices inflacionários.

Como já virou quase uma regra nos últimos pregões, houve muita volatilidade e a moeda americana chegou a variar centavos: da mínima de R$ 3,7136 à máxima de R$ 3,77.

As perspectivas é que esse viés de alta permaneça até o fim das eleições no Brasil e que a economia externa, principalmente a americana continue atraíndo capital valorização sua economia.



Por Hamilton Silva - economista e jornalista



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

Economia - Função de Oferta

FUNÇÃO DE OFERTA  PODE-SE CONCEITUAR OFERTA COMO SENDO AS VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM, OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO EM FUNÇÃO DE PREÇO (Px). Seja os dados abaixo uma escala de oferta PREÇO (Px) QUANTIDADE OFERTADA (x) 1,00 1.000 3,00 3.000 6,00 6.000 8,00 8.000 10,00 10.000 OUTRAS VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA X= OFERTA Px= Preço do bem ofertado Pi = Preço de Insumos (fatores de produção); T = Tecnologia  X =f (Pi)  à X=f (Px, Pi,T) EQUILIBRIO DE MERCADO A lei da oferta e demanda (procura): Tendência de Equlibrio Pts. PREÇO (Px) PROCURA OFERTA SITUAÇÃO DE MERCADO A 1000 11000 11000 Excesso de demanda (escassez oferta) B 3000 9000 3000 Excesso de demanda (escassez de oferta) C 6000