Pular para o conteúdo principal

QUAIS AS DIFERENÇAS ENTRE BOLSONARO E O GENERAL EISENHOWER


Vale a pena estudar a campanha presidencial do General Eisenhower de 1953, para avaliar as chances de Bolsonaro em 2018.
Embora Eisenhower tenha sido um General e um herói nacional enquanto Bolsonaro é somente um Capitão, é bom lembrar que Eisenhower era um militar que não somente ganhou a eleição, mas foi reeleito.
Eisenhower venceu com duas bandeiras: combate ao Comunismo e Corrupção da era Truman, mesmíssimos temas desta campanha de 2018.
Eisenhower também não entendia de economia, mas seu governo foi exemplar porque ao contrário da maioria dos Presidentes dos Estados Unidos, entendia de administração e muito.
Administrar um exército, especialmente em tempos de guerra é saber administrar crises, com recursos escassos, sob enorme pressão, como ninguém.
Utilizamos até hoje dezenas de técnicas desenvolvidas por militares na área de comunicação, logística, motivação e treinamento, inclusive a Matriz criada pelo próprio.
Os Estados Unidos ganharam a guerra não pela bravura de seus soldados, mas pela eficiência da sua máquina de guerra.
Eisenhower, seguindo o bom senso, escolheu nada menos do que nove administradores profissionais como seus ministros e secretários a seguir:
George P. Baker, Diretor da Harvard Business School.
Charles Erwin Wilson, the CEO of General Motors, Secretário da Defesa.
Neil H. McElroy presidente da Procter & Gamble.
George M. Humphrey, CEO da Hanna Mining para Ministro da Fazenda.
Douglas McKay, Ministro do Interior, dono de uma distribuidora de automóveis.
Sinclair Weeks, director of the National Association of Manufacturers.
John Ed Warren, Senior Vice President of First National City Bank.
Harold Boeschenstein, President of Owens-Corning Fiberglass – Emergency Production Agency.
Frank Pace Jr., Executive Vice President of General Dynamics.
Agora compare esses nomes com os que os Militares de 64 e o Bolsonaro, até agora, escolheram para orientá-los.


Por: Steven Kanitz




LEIA TAMBÉM







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as