Pular para o conteúdo principal

QUAIS AS DIFERENÇAS ENTRE BOLSONARO E O GENERAL EISENHOWER


Vale a pena estudar a campanha presidencial do General Eisenhower de 1953, para avaliar as chances de Bolsonaro em 2018.
Embora Eisenhower tenha sido um General e um herói nacional enquanto Bolsonaro é somente um Capitão, é bom lembrar que Eisenhower era um militar que não somente ganhou a eleição, mas foi reeleito.
Eisenhower venceu com duas bandeiras: combate ao Comunismo e Corrupção da era Truman, mesmíssimos temas desta campanha de 2018.
Eisenhower também não entendia de economia, mas seu governo foi exemplar porque ao contrário da maioria dos Presidentes dos Estados Unidos, entendia de administração e muito.
Administrar um exército, especialmente em tempos de guerra é saber administrar crises, com recursos escassos, sob enorme pressão, como ninguém.
Utilizamos até hoje dezenas de técnicas desenvolvidas por militares na área de comunicação, logística, motivação e treinamento, inclusive a Matriz criada pelo próprio.
Os Estados Unidos ganharam a guerra não pela bravura de seus soldados, mas pela eficiência da sua máquina de guerra.
Eisenhower, seguindo o bom senso, escolheu nada menos do que nove administradores profissionais como seus ministros e secretários a seguir:
George P. Baker, Diretor da Harvard Business School.
Charles Erwin Wilson, the CEO of General Motors, Secretário da Defesa.
Neil H. McElroy presidente da Procter & Gamble.
George M. Humphrey, CEO da Hanna Mining para Ministro da Fazenda.
Douglas McKay, Ministro do Interior, dono de uma distribuidora de automóveis.
Sinclair Weeks, director of the National Association of Manufacturers.
John Ed Warren, Senior Vice President of First National City Bank.
Harold Boeschenstein, President of Owens-Corning Fiberglass – Emergency Production Agency.
Frank Pace Jr., Executive Vice President of General Dynamics.
Agora compare esses nomes com os que os Militares de 64 e o Bolsonaro, até agora, escolheram para orientá-los.


Por: Steven Kanitz




LEIA TAMBÉM







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Notícias do Planalto Central

Simbologia  A imagem (foto) marcante e mais simbólica da semana foi sem dúvida nenhuma a do governador Ibaneis Rocha na Ceilândia cercado de políticos "peso pesados" da Capital. Ladeado de Flávia Arruda (PL) o encontro sinaliza para uma aliança sólida neste ano de 2022.  'Puliça' O encontro de Ibaneis foi no reduto mais cobiçado da Capital, a Ceilândia (maior colégio eleitoral do DF), onde a foto fala mais do que qualquer palavra. O anfitrião,   o delegado Fernando Fernandes estava com sorriso de orelha a orelha com apoio e prestígio. O delegado deverá se filiar ao partido Republicanos com a benção de Ibaneis.  Volta à Cena O empresário e ex-senador  Luiz Estevão que agora goza de liberdade volta aos pouquinhos à cena política e parece já influenciar definitivamente alguns poucos  políticos da Capital, principalmente os distritais. Luiz tem política nas veias e participou discretamente de algumas "confras" ao lado da esposa Cleucy.   Decisão Fraga erra na tá

Coluna: Notícias do Planalto Central

Ex-governador Rollemberg Marketing reverso Na última semana de 2021, antes de assumir sua candidatura a deputado federal o ex-governador Rodrigo Rollemberg publicou um vídeo em que dizia do quanto dá trabalho cuidar das suas bezerrinhas. Fico imaginando o quanto é trabalhoso cuidar do seu curral eleitoral . Em tempo: no vídeo o político aparece todo sujo de esterco. Carnaval Atendendo a oração de muitos e mais ainda ao avanço de uma outra onda do vírus chinês o governador Ibaneis Rocha(MDB) cancelou o Carnaval de rua no DF. Ontem o vice Paco Britto anunciou não descartar um novo lockdown. "Saúde acima de tudo!"   Evangélicos Viver um paradoxo real é também ato de fé, na proporção em que a falta de Carnaval faz mal ao comércio e ao turismo da cidade, a pandemia do vírus chinês também faz mal à população deixando um rastro de pobreza (desemprego) e morte . O discurso dos evangélicos com referência ao fechamento das igrejas precisa encontrar um ponto de convergência ou

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as