Pular para o conteúdo principal

AUSTERIDADE COM PRÓPOSITO ALIMENTA ESPERANÇA

Foto: Internet - Hamilton Silva
Na pessoa de seu presidente, Joe Valle, a CLDF(Câmara Legislativa) dá exemplo 

Com pressão por todo  lado, a Câmara Legislativa toma a drástica decisão de cortar na própria carne. Com aval do Presidente da Casa, Joe Valle, o legislativo local deseja votar em breve um projeto que corta gastos com verbas indenizatórias, incluindo despesas com aluguel de imóveis e veículos na ordem de 450 milhões de reais por ano.
A pressão social se dá através de projeto "Câmara+Barata" dentre outros e a colheita de assinaturas  para a apresentação de um projeto de lei de iniciativa popular (Plip) que acaba com a verba indenizatória.
Mesmo sendo  um ano eleitoral, podemos considerar como sendo uma ótima iniciativa. Ainda que os parlamentares tirem proveito do "evento" trata-se de uma economia de recursos públicos. Pode até parecer casuística a iniciativa e soar hipocrisia, mas o Presidente da Casa tem que receber os louros da justa medida. Num país onde a austeridade tem sido objeto de discurso  populista, a Câmara Legislativa dá robustez nas ações que podem trazer fortes economias do nosso dinheiro e aliviar a tão desgastada imagem da Casa. A CLDF segue outros Estados que já cortaram tal imoralidade, mas ainda tem um longo caminho para "limpar sua barra" com o eleitor.
O  parlamentar do Distrito Federal que saiu na frente e adotou o corte de verbas indenizatórias é o senador Reguffe que resiste em sua trincheira de baixo clero fazendo valer o vínculo com sua representação popular.
Cada parlamentar distrital recebe R$ 25.322,00 por mês que engrossa suas remunerações indiretas. Essa medida trará um pouco de alento aos eleitores que desejam ver uma Câmara Legislativa mais produtiva e menos cara.
Segundo o presidente da CLDF, a previsão é de que a matéria seja votada em plenário na primeira semana de março, após passar pela análise da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e da Comissão de Economia, Orçamento e Finanças (CEOF).

Por: Hamilton Silva (Jornalista e Economista)
 LEIA TAMBÉM



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.