Pular para o conteúdo principal

CÂMARA LEGISLATIVA APROVA MUDANÇA NA PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO DF

foto: Metroples - Hamilton Silva

Foi cercada de muita polêmica a tramitação do PLC 122/2017 na Câmara Legislativa, desde que ele foi protocolado. Vários substitutivos foram apresentados à proposta colocada pelo Executivo e, no final, por 14 votos favoráveis, nove contrários e uma ausência, o governo conseguiu aprovar um texto substitutivo melhor do que ele realmente pretendia. A proposta, inicialmente colocada pelo presidente da Casa, Joe Valle (PDT), em uma tentativa de se chegar a um consenso, foi emendada de tal forma que garante o uso de todo o recurso do fundo previdenciário e cria a previdência complementar, assim como sempre quis o Executivo.
Nesta terça-feira (26), durante a votação, o líder do governo, Agaciel Maia (PR), repetiu em diversas oportunidades que o texto colocado em votação era de autoria de Valle, sem mencionar as manobras das emendas. Nos bastidores, a conversa era de que o presidente tentou construir o consenso, mas foi engolido pela astúcia dos governistas. “Nem o governo esperava um presente tão bom”, cravou Chico Vigilante (PT), ao repetir que esse era um dia “muito triste” para ele.
Agaciel Maia também reconhece que a proposta aprovada é melhor do que se esperava. “O texto estabelece o Fundo Garantidor Solidário, que garante novas receitas para se pagar as aposentadorias”, cita, ao lembrar que, para redigir o texto, “o deputado Joe colheu sugestões de varias órgãos”, incluindo o Tribunal de Contas do DF. “Temos que reconhecer que o projeto ficou melhor que o original. E melhor, também, que o substitutivo que eu tinha construído junto com o PT”, explicou Maia, ao confirmar que o governador Rodrigo Rollemberg estava satisfeito com o resultado.
Pelo projeto original, o governo propôs reunir, em um só fundo de pagamento de aposentadorias, todos os funcionários do governo. Até então, os servidores eram divididos em dois grupos: os que entraram até 31 de dezembro de 2006 e os que ingressaram depois de 1/1/2007. O fundo do primeiro grupo (o financeiro), que tem 58 mil aposentados e 52 mil servidores contribuindo, é deficitário e o governo precisava usar R$ 170 milhões do Tesouro todos os meses para quitar a folha destes inativos.
Já o segundo grupo, com 34 mil funcionários, tem uma espécie de poupança (o fundo capitalizado) para garantir a aposentadoria de quem tem menos tempo de casa e ainda deve demorar para se aposentar. São R$ 3,7 bilhões poupados até agora e apenas 152 aposentados. O governo pretendia colocar todos os servidores no mesmo grupo para poder acessar o superávit e conseguir pagar todos os aposentados sem fazer aportes mensais.
“É como se, antes, o governo pudesse usar o dinheiro do aluguel da casa. Agora, ele vai poder vender parte da casa”, comparou o deputado Reginaldo Veras (PDT), ao criticar o texto final aprovado pela Casa. “Daqui a três anos, o dinheiro acaba e o governo volta para pedir mais”, disse ele. O Fundo Garantidor Solidário, usado como justificativa de que seria uma garantia para o futuro das aposentadorias, é “uma farsa”, conforme o pedetista.
Nem Joe Valle votou
Nem o próprio Joe Valle votou na proposta que ele costurou. Para o governo, ele disse “não” por capricho. “Ele queria que fosse votado na próxima terça-feira”, justificou José Flávio de Oliveira, secretário adjunto de Relações Legislativas da Casa Civil do DF.
Além de Valle, foram contrários os petistas Chico Vigilante, Wasny de Roure e Ricardo Vale; os deputados do PPS, Celina Leão e Raimundo Ribeiro; Reginaldo Veras (PDT), Cláudio Abrantes (sem partido) e Wellington Luiz (PMDB). Sandra Faraj (SD) está de licença maternidade, portanto, não compareceu à sessão. No time do governo, jogaram Rafael Prudente (PMDB), Liliane Roriz (PTB), Luzia de Paula (PSB), Juarezão (PSB), Lira (PHS), Telma Rufino (Pros), Cristiano Araújo (PSD), Julio Cesar Ribeiro (PRB), Robério Negreiros (PSDB), Rodrigo Delmasso (Podemos), Chico Leite (Rede), Israel Batista (PV), Bispo Renato (PR) e, claro, Agaciel Maia.
Receita extra entra na mira
O texto aprovado na Câmara Legislativa estabelece que novas receitas devem ser buscadas para complementar o pagamento dos inativos. Cita até a exploração dos estacionamentos públicos, já cogitada para outras receitas, a exemplo do subsídio do transporte público. E cria ainda uma taxa de administração de 0,5% sobre a folha de pagamento dos servidores ativos e inativos – o que renderá ao Iprev uma receita de R$ 60 milhões por ano. O recurso será retirado integralmente das contribuições dos servidores.
Questionamento judicial
Mal foi aprovado e o substitutivo já será levado à Justiça. Quem pretende fazê-lo é o deputado Cláudio Abrantes, para quem o Artigo 73 do texto, que é de autoria de deputados, contém grave inconstitucionalidade. Trata-se do trecho da proposta que cria o Fundo Solidário Garantidor, que, conforme o parlamentar, é competência exclusiva do Executivo. “Cabe uma ação direta de inconstitucionalidade”, explicou.
Millena Lopes

millena.lopes@jornaldebrasilia.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.