Pular para o conteúdo principal

BANCO DE BRASÍLIA CRESCE E DÁ LUCRO

Foto: Internet -Hamilton Silva

Balanço do BRB aponta crescimento e lucro de R$ 70,1 milhões
O 3º trimestre de 2017 teve alta de 13,6%, se comparado ao mesmo período de 2016, com o menor índice de inadimplência do mercado


O Banco de Brasília (BRB) fechou o balanço do terceiro trimestre de 2017 com lucro líquido de R$ 70,1 milhões, um crescimento de 13,6% se comparado ao mesmo período de 2016. A saúde financeira do banco público e o crescimento devem-se a políticas adotadas que também renderam nos meses de julho, agosto e setembro o menor índice de inadimplência do banco com relação ao mercado. Os percentuais saíram de 4,3%, em 2015, para 3%, em 2017. A média do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é de 3,6%.
Com 2,2 mil superendividados entre os 500 mil correntistas, o BRB intensificou a política de crédito consciente. As regras para a concessão de empréstimos ficaram mais seletivas. “Renegociamos as dívidas e fizemos um trabalho de reeducação financeira, com cursos presenciais tanto para os funcionários do GDF, quanto para o público em geral”, afirmou o presidente do BRB, Vasco Cunha Gonçalves, em entrevista ao Metrópoles. Desde 2008, 25 mil pessoas foram treinadas.
Com o endurecimento das regras, a carteira de crédito apresentou redução de 5%. Mas como a inadimplência caiu, a receita atrelada aos empréstimos aumentou e o resultado final foi positivo, com 18% de crescimento.
Entre as iniciativas que contribuíram para a recuperação financeira do BRB, estão medidas como a liquidação das dívidas com previdência, a diminuição de despesas com pessoal (foram implementados dois Programa de Demissão Voluntária, que alcançaram quase 200 empregados) e a redução de diretorias (de 14, o corpo diretivo passou a reunir oito representantes).
O mais recente balanço do BRB apresentado na última segunda-feira (13/11) à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) demonstra que, nos últimos três meses, o banco estatal alcançou o índice mais baixo nas Despesas de Intermediação Financeira, com redução de -39,7% se comparados o terceiro trimestre de 20117 com o mesmo período do ano passado. Essas despesas estão relacionadas com recursos obtidos no mercado local através de Depósitos a Prazo (CDBs e DPGEs), Depósitos Interfinanceiros, entre outras operações.
Em entrevista ao Metrópoles, o presidente do BRB, Vasco Cunha Gonçalves, repercutiu os resultados do balanço, comentou sobre as ações para recompor do Instituto de Previdência dos Servidores do DF (Iprev) e falou sobre os próximos desafios da instituição. Confira:
No acumulado do ano, o BRB cresceu?
Sim. Crescemos 6% nos últimos nove meses. O lucro acumulado foi de R$ 162,1 milhões. Neste mesmo período do ano passado, somávamos R$ 150 milhões.

Qual a importância de um banco estatal ser financeiramente sadio?
Com resultados positivos, podemos atender melhor a população, ir até onde for necessário. Hoje, somos os primeiros a chegar ao Riacho Fundo, Estrutural e Vicente Pires. Além disso, 96% das ações do BRB são do GDF. O lucro acumulado, que nos últimos nove meses já soma R$ 162,1 milhões, será dividido entre os acionistas. Temos a obrigação legal de distribuir, no mínimo, 25% desse saldo, mas no ano passado, chegamos a partilhar 50% do lucro líquido. Significa dizer que o GDF já pode contar até agora com R$ 40 milhões do BRB referentes ao exercício de 2017.

Como o BRB atuou para reduzir a inadimplência e o número de superendividados?
As regras para empréstimos ficaram mais rígidas, por isso perdemos um pouco nas operações de crédito, que recuaram em 5%. No entanto, nosso índice de inadimplência é o mais baixo do mercado. Está menor do que o previsto pelo Sistema Financeiro Nacional. Chegamos a 3% – a média do SFN é de 3,6%. Em 2015, para se ter uma ideia, o percentual atingiu 4,5%, considerado muito alto. Não podíamos continuar com a aquela política de deixar o cliente acumular empréstimos, cheque especial, isso não se sustenta. Era preciso ter uma seleção, educar o nosso cliente, foi o que fizemos.

O crédito imobiliário teve um crescimento de 5% no trimestre. Isso significa uma recuperação da economia?
Sim. A economia começa a dar sinais de crescimento. Já observamos clientes que estão planejando construções para daqui a dois anos. As demandas voltaram. Trabalhamos com financiamento de construções e com a compra do imóvel.

O BRB reduziu despesas internas, como usto com pessoal e administrativo?
 De 2015 até os dias atuais, foram 200 desligamentos. Fizemos dois planos de demissão voluntária (PDVs). Além disso, reduzimos as diretorias do banco, de 14 para oito. Isso significou 40% a menos na folha de pessoal. Hoje, temos 3,2 mil funcionários. Também diminuímos a quantidade de horas extras dos servidores, revimos os contratos com fornecedores e realizamos novas licitações.

A instabilidade na folha de pagamento do GDF, especialmente nos dois primeiros anos de governo, impactou o banco estatal?
Hoje, 44,5% dos nossos clientes são servidores públicos e 55,5%, espontâneos. A perspectiva de parcelamento de salário, por exemplo, nos obrigaria a readequar a negociação de empréstimos, por exemplo, com cada cliente. O fato é que este fantasma está cada vez mais distante de nós.
Quando as ações do BRB – previstas para recompor a retirada de R$ 493,5 milhões do Iprev – serão incorporadas ao instituto?
Tivemos que contratar uma empresa por meio de licitação para avaliar quanto vale o banco. Entregamos documentos, fizemos todos os trâmites legais. O resultado desse trabalho está previsto para sair na primeira quinzena de dezembro. O GDF tem 96% das ações e vai repassar ao Iprev o percentual correspondente ao montante autorizado pela Câmara Legislativa. Assim, teremos um novo sócio, o que considero bastante positivo.


FOTO: ARTE DO METRÓPOLE -HAMILTON SILVA


Quais são os desafios do BRB daqui para frente?
Com números tão positivos, considero que nosso maior desafio é não ficar para trás no quesito mobilidade. Em agosto, o banco lançou a versão atualizada do aplicativo para mobile; aumentou a segurança e a eficiência dos parques tecnológicos com a troca de mais de 700 máquinas em todo o país. Em 2013, o banco ficou uma semana fora do ar, até hoje tem gente que me aborda lembrando de um fato tão antigo. Isso não pode acontecer, porque mancha a reputação da instituição. Temos a meta de nos tornarmos cada vez mais eficientes e seguros. E a tecnologia é a chave para essa evolução. O sistema financeiro passa por um momento de transformação nesse sentido e estamos nos adequando a essas mudanças. Em breve, trabalharemos também com a biometria.

Fonte: Metrópoles



LEIA TAMBÉM



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.