Pular para o conteúdo principal

O BANCO DE BRASÍLIA DESTACA-SE EM RANKING DA REVISTA EXAME




A pesquisa considerou os 50 maiores bancos brasileiros

No sábado (2), a Revista Exame publicou ranking com os 50 maiores bancos brasileiros. Divulgado anualmente, os números do ranking refletem a realidade do setor financeiro. Nesta análise, o Banco de Brasília (BRB) obteve colocações consideradas positivas pela Instituição: 8º lugar no crédito imobiliário; 9º posição no crédito consignado; 10º no crédito pessoal; 11º no depósito à vista; 12º no depósito a prazo, no depósito em poupança, no crédito para automóveis, no número de agências e em emissores de cartões de crédito; e 14º no crédito rural. 
Para o presidente do BRB, Vasco Gonçalves, as colocações são resultado de um trabalho feito pela atual gestão, no sentido de explorar o potencial do Banco. “Atualmente, o foco está concentrado nas carteiras cujos riscos são menores e que trazem um relacionamento de longo prazo e de qualidade para o cliente. O maior exemplo disso é o posicionamento do Banco como o maior em crédito imobiliário entre os bancos estaduais, além de ser o que mais cresceu nessa carteira em relação aos seus principais concorrentes em 2015 (31,6%)”, explicou.
Vasco destaca ainda que, do ponto de vista do financiamento das operações, o Banco possui uma estrutura de captação pulverizada no varejo, cujo custo é menor, e que é, inclusive, elogiada pelas agências de classificação de riscos: “Ou seja, em tempos desafiadores como os que estamos vivendo, uma estratégia mais conservadora reflete na contenção da inadimplência, na preservação da qualidade da nossa carteira de crédito, que é bem acima da média do Sistema Financeiro Nacional (62,9% classificado em AA, contra 37% do SFN) e na liquidez do Banco”, finalizou. 
Conforme apresentado no levantamento, o BRB é o banco estadual mais bem posicionado nas captações em poupança e em depósitos a prazo. O resultado dessa estratégia, no médio e longo prazo, é que a margem financeira do Banco tenha um crescimento robusto, sustentado por ativos de qualidade e com custos reduzidos.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

Economia - Função de Oferta

FUNÇÃO DE OFERTA  PODE-SE CONCEITUAR OFERTA COMO SENDO AS VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM, OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO EM FUNÇÃO DE PREÇO (Px). Seja os dados abaixo uma escala de oferta PREÇO (Px) QUANTIDADE OFERTADA (x) 1,00 1.000 3,00 3.000 6,00 6.000 8,00 8.000 10,00 10.000 OUTRAS VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA X= OFERTA Px= Preço do bem ofertado Pi = Preço de Insumos (fatores de produção); T = Tecnologia  X =f (Pi)  à X=f (Px, Pi,T) EQUILIBRIO DE MERCADO A lei da oferta e demanda (procura): Tendência de Equlibrio Pts. PREÇO (Px) PROCURA OFERTA SITUAÇÃO DE MERCADO A 1000 11000 11000 Excesso de demanda (escassez oferta) B 3000 9000 3000 Excesso de demanda (escassez de oferta) C 6000