Pular para o conteúdo principal

EDUCAÇÃO NO DF E O BBB19

foto: internet

ESCOLA SEM DISCIPLINA É PARA OS FRACOS

Enquanto alguns sindicalistas comunistas esperneiam pela implementação de parceria da PMDF com a Secretaria de Educação Distrito Federal, a população assiste passivamente uma decisão do GDF única que deveria ser digna de menção de louvor na mais altas Câmaras. O povinho do mimi continua empatando.

Aqui a proposta de Ibaneis Rocha é robusta e ousada. Mas existe alguns projetos na cidade de Itabuna (100% dos alunos do colégio militar foram aprovados no ENEN 2018), por exemplo, e algumas nas cidades do entorno do DF que merecem destaque e parecem inspirar o governador. No estado de Goiás a parceria entre a Polícia Militar e Secretaria de Educação já inaugurou mais 50 colégios, todos com a aprovação da Assembleia Legislativa.

Com desempenho muito aquém dos recursos financeiros circulantes na capital, Brasília não atingiu as metas propostas para a edição de 2017 e 2018 do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). Maior levantamento do nível das escolas brasileiras, o Ideb apontou desempenho satisfatório apenas nos anos iniciais do ensino fundamental (1° ao 5° ano).

Em 2017 entrevistei o diplomata e ex-BBB Rômulo Neves ele foi enfático ao dizer que o programa global de entretenimento, Big Brother Brasil teria temporadas até 2040 ou mais, isto porque é o programa da Rede Globo que mais fatura. 

Nossos jovens são diretamente influenciados por esses tipos de programas porque são de fácil acessibilidade, barato, pois passa na TV aberta, se utiliza de linguagem própria e indica o que é certo ou errado. Todos nós precisamos de referencias, de arquétipos. Quais você está apresentando aos seus filhos?

E o que isso tem a ver com nossa educação? TUDO!. Respondo sem pestanejar. Não é o que acontece dentro de nossas casas que pautam ou influenciam os diretores da Rede Globo, pelo contrário. 

Os "intelectualmente superiores" são a parcela dominante nas cátedras universitárias e no show bussiness. A presença de pessoas com esse pensamento diferenciado em sua moral superior nos levou ao caos e à crise moral e de autoridade que se instalou não só nas escolas, mas em toda organização pública do país.

Diante dos ataques e rejeição de parte dos esquerdistas, corporativos que manipulam nossas crianças de dentro das escolas conduzidas por governos socialistas na capital federal, o mimimi  é notório. As resistências seriam até aceitáveis se a população excluísse a possibilidade de mudança. Fato é que a população não se opoe ao projeto de Gestão Compartilhada e ainda sinaliza contundentemente que o atual método educacional de Piaget está ultrapassado e falido. A grande virtude das escolas militares resulta do resgate dos valores tradicionais que sustentam o processo de ensino pervertidos pelos imorais dominantes. 

Banho de Sol ou recreio?

No DFTV primeira edição da última sexta-feira(22) produziu uma matéria negativa ao projeto educacional questionando sobre o tempo de descanso dos alunos alegando que o Banho de Sol não poderia ser chamado assim porque lembra os presídios. Ora! o que menos importa neste momento crítico de nossa educação é nome dado ao intervalo dos alunos.

A disciplina, a ordem, reconhecimento da autoridade e respeito implementada nos colégios militares tão requeridas no comportamento social brasileiro, serão sim exercitadas nas escolas e daí? Qual o problema? o que realmente importa são os resultados vejamos:

Na Bahia a parceria também está trazendo uma profunda transformação social, pelo menos para os alunos das escolas militares. No Enem de 2015, por exemplo, das 100 primeiras escolas da Bahia com as melhores notas só duas eram públicas: o Colégio Militar de Salvador (CMS), na quarta posição, e o Colégio da Polícia Militar (CPM) Eraldo Tinoco, em Vitória da Conquista, na 68ª colocação. Um resultado surpreendente foi o alcançado pelos alunos do 3º ano do ensino médio no Colégio da Polícia Militar (CPM) de Itabuna, todos os 75 alunos alcançaram pontuação suficiente no Enem e preencheram vagas em universidades. De acordo com o diretor do colégio, tenente-coronel Alberto Beanes, o sucesso é vem “como o resultado de um conjunto de fatores, como a qualidade dos profissionais (consequentemente do ensino), a disciplina como método, a participação da família e o esforço dos alunos”. 

Neste momento são somente quatro escolas da rede pública do DF que funciona com a presença de 20 a 25 policiais militares, mas a população convencional, desvinculada das corporações: professores, sindicatos, partido e ideologia comunista, aderiu de maneira tão positiva que o governador já planeja ampliar. 

O governador conectado com seu eleitor e com anseios do contribuinte responde positivamente quando amplia o projeto.

Gestão Compartilhada




"Criar um ambiente propício á aprendizagem" disse o secretário Rafael Parente em entrevista na manhã desta segunda-feira(25) no DFTV logo bem cedo.

As promotoras de Justiça Cátia Gisele Vergara e Márcia da Rocha, entenderam que o modelo está em sintonia com os princípios norteadores da educação, entre os quais a gestão democrática, a universalidade e a gratuidade do ensino público.

Vale uma reflexão. 

Comentários

Unknown disse…
A negativa da R. Globo quanto ao colégio militar é simples, pra que educar as crianças se quanto mais burro se aprende só coisas fúteis. Assim, quanto mais burro, melhor.
Unknown disse…
A maioria esmagadora do povo brasileiro é conservadora! A pauta esquerdista nas escolas foi, é e sempre será com a intenção de formar "soldados" militantes de esquerda! A programação jovem do Rede Esgoto é alinhada à mesma pauta podre!
Hamilton Silva disse…
Muito bem colocada sua observação. Nós somos conservadores.

Postagens mais visitadas deste blog

Notícias do Planalto Central

Simbologia  A imagem (foto) marcante e mais simbólica da semana foi sem dúvida nenhuma a do governador Ibaneis Rocha na Ceilândia cercado de políticos "peso pesados" da Capital. Ladeado de Flávia Arruda (PL) o encontro sinaliza para uma aliança sólida neste ano de 2022.  'Puliça' O encontro de Ibaneis foi no reduto mais cobiçado da Capital, a Ceilândia (maior colégio eleitoral do DF), onde a foto fala mais do que qualquer palavra. O anfitrião,   o delegado Fernando Fernandes estava com sorriso de orelha a orelha com apoio e prestígio. O delegado deverá se filiar ao partido Republicanos com a benção de Ibaneis.  Volta à Cena O empresário e ex-senador  Luiz Estevão que agora goza de liberdade volta aos pouquinhos à cena política e parece já influenciar definitivamente alguns poucos  políticos da Capital, principalmente os distritais. Luiz tem política nas veias e participou discretamente de algumas "confras" ao lado da esposa Cleucy.   Decisão Fraga erra na tá

Coluna: Notícias do Planalto Central

Ex-governador Rollemberg Marketing reverso Na última semana de 2021, antes de assumir sua candidatura a deputado federal o ex-governador Rodrigo Rollemberg publicou um vídeo em que dizia do quanto dá trabalho cuidar das suas bezerrinhas. Fico imaginando o quanto é trabalhoso cuidar do seu curral eleitoral . Em tempo: no vídeo o político aparece todo sujo de esterco. Carnaval Atendendo a oração de muitos e mais ainda ao avanço de uma outra onda do vírus chinês o governador Ibaneis Rocha(MDB) cancelou o Carnaval de rua no DF. Ontem o vice Paco Britto anunciou não descartar um novo lockdown. "Saúde acima de tudo!"   Evangélicos Viver um paradoxo real é também ato de fé, na proporção em que a falta de Carnaval faz mal ao comércio e ao turismo da cidade, a pandemia do vírus chinês também faz mal à população deixando um rastro de pobreza (desemprego) e morte . O discurso dos evangélicos com referência ao fechamento das igrejas precisa encontrar um ponto de convergência ou

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as