Pular para o conteúdo principal

IBANEIS ROCHA; O CANDIDATO DA ESPERANCA

O velho senador/governador é desafiado pelo advogado Ibaneis Rocha


Brasília tem vivenciado nos últimos dez anos inúmeros escândalos com diversos nomes da política tradicional brasiliense: Mensalão do DEM que fora deflagrado em novembro de 2009 e o terremoto causado pelo vazamento das conversas entre Celina Leão (PPS) e Liliane Roriz (PTB) exemplifica momentos de muita tristeza da política no Distrito Federal. 

O brasiliense é vítima de um estigma mentiroso do mal  que ensinua engajar novos discípulos. É preciso dar um basta. Tem sido assim na últimos 58 anos de sua fundação.  Até mesmo o finado Joaquim Roriz, indolatrado por muitos, renunciou ao cargo de senador por causa de corrupção.
Todavia, vivemos uma  "onda" de transformação na política que não cessa no próxima dia 28, pelo contrário,  esta data é o inicio de um novo ciclo na vida politico/social do Brasil.

Prestemos atenção nas votações para Câmara Legislativa onde a vontade popular resgatou a esperança de novas relações com o poder público (2/3). O executivo local se vê à beira de uma derrota expressiva em torno de 80% para o candidato Ibaneis Rocha(MDB) e a Câmara Federal abriga a partir de 2019 uma renovação de quase 100%, só permanecendo a deputada petista Érica Kokay.

Isso significa uma desconexão de representação. Significa que o eleitor deseja novos projetos e novos discursos. Discursos e comportamentos gerenciais baseado no exemplo limpo e incorruptível passando a mensagem que quatro anos passa rápido. 
Ibaneis Rocha é identificado como "outsider" e alguém que não tem vida política tradicional, talvez isso explique sua votação no primeiro turno e uma subida meteórica nas pesquisas desbancando os conhecidos políticos.  

Ataques de toda natureza, principalmente do atual governador nos remete à seguinte reflexão: Qual a verdadeira significância de se querer continuar no governo? Qual o motivo da não oxigenação de poder? Principalmente quando os objetivos e PROMESSAS não foram realizados?
Verdade, o advogado e rico Ibaneis era desconhecido da massa, mas muito conhecido de segmentos de influência, portanto não interessa se não era conhecido.  O que interessa é se vai realizar o que promete e às referências diante da administração da Ordem dos advogados,  onde lutou por um piso mais justo aos advogados e a diminuição da contribuição. 

Uma candidatura corporativa, você poderia alegar, todavia a corporação que o candidato deverá defender e trabalhar será a de todos os brasilienses de.maneira a saber dos maus tratos e precarização dos serviços prestados pelo Estado.

Por fim o medbista não é salvador das contas e nem da gestão. Incompetência é nata de muitos, assim como a competência. Ele é uma esperança de dias melhores. Se o Ibaneis fizer o arroz com feijão já fará muito devido ao descaso com a população e servidores nos últimos anos. 

Por: Hamilton Silva

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.