Pular para o conteúdo principal

Empreededorismo é o caminho para Brasília



De cada quatro trabalhadores do Distrito Federal, um se encaixa na definição de empreendedor: são 299.181 autônomos, profissionais liberais e empregadores, que representam 24,5% das pessoas ocupadas. Divulgado ontem pela Companhia de Planejamento do DF (Codeplan), o estudo Potencial Empreendedor no Distrito Federal tem por objetivo fornecer subsídios ao governo e às demais instituições que podem traçar políticas de desenvolvimento. Em uma unidade da Federação onde o setor público tem presença marcante na economia, o empreendedorismo é visto como uma das saídas para descentralizar e diversificar a estrutura produtiva.

O presidente da Codeplan, Júlio Miragaya, chama a atenção para o fato de que a renda média do DF é três vezes superior à nacional, o que representa "amplo espaço" de crescimento para o empreendedorismo. "Até pela renda excepcional, a economia local se especializou no serviço às pessoas, e não às empresas", explica. Mais do que apresentar respostas, diz, o objetivo do trabalho é pautar o debate do empreendedorismo.


No evento de lançamento do estudo, no auditório da Codeplan, o superintendente do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Distrito Federal (Sebrae-DF), Valdir Oliveira, afirmou que a principal meta da entidade de 2015 a 2018 foi estabelecida pelo governador Rodrigo Rollemberg: fortalecer a atuação fora do Plano Piloto. Embora apenas 6,32% dos autônomos, profissionais liberais e empregadores do DF estejam no Plano Piloto, é nessa região administrativa que o Sebrae faz 32% dos atendimentos.

"Na nossa posse, o compromisso com o Rollemberg foi o de descentralizar", lembrou Oliveira, referindo-se ao evento de 5 de janeiro, quando tomaram posse a diretoria e o conselho administrativo do Sebrae-DF. Uma das prioridades da entidade é aumentar a presença em Ceilândia, Samambaia, Taguatinga e adjacências. As regiões administrativas agregam 40,99% dos empreendedores do DF – ou 122 mil profissionais. O atendimento digital, segundo o superintendente do Sebrae-DF, será o meio de alcançar o máximo possível de pessoas.


Onde estão os empreendedores do Distrito Federal
(Autônomos, profissionais liberais e empregadores)

Plano Piloto - 18.903 - 6,32%

Lago Norte, Lago Sul e Varjão - 9.762 - 3,26%
SIA, Estrutural, Cruzeiro, Sudoeste, Octogonal e Guará - 27.140 - 9,07%
Núcleo Bandeirante, Park Way, Candangolândia e Riacho Fundo - 12.110 - 4,05%
Taguatinga – 25.125 - 8,43%
Águas Claras e Vicente Pires - 24.295 - 8,12%
Ceilândia e Brazlândia - 56.218 - 18,79%
Samambaia, Recanto das Emas e Riacho Fundo II - 41.390 - 13,83%
Sobradinho I e II e Fercal - 17.492 - 5,85%
Planaltina - 14.754 - 4,93%
Paranoá e Itapoã - 12.234 - 4,09%
Gama e Santa Maria - 24.227 - 8,1%
São Sebastião e Jardim Botânico - 15.441 - 5,16%


A força de trabalho do DF

Empregado com carteira assinada - 617.095
Autônomo - 278.748
Servidor público - 194.168
Empregado sem carteira assinada - 81.471
Estagiário - 16.701
Empregador - 13.126
Profissional liberal - 7.309
Ocupante de cargo comissionado - 4.763
Empregado temporário - 4.045
Aprendiz - 1.189
Trabalhador não remunerado - 373
Subtotal - 1.218.988

Não trabalha - 1.215.174
Menor de 10 anos - 352.107
Total - 2.786.648

Fonte: CODEPLAN

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as