Pular para o conteúdo principal

Comissão especial vai apurar casos de pedofilia no DF

Deputado Distrital Rodrigo Delmasso PTN

Dez deputados distritais assinaram, nesta semana, um requerimento para criação de uma comissão especial da Câmara Legislativa para investigar casos de pedofilia. O requerimento já foi protocolizado na Casa, que deve instalar a comissão em fevereiro. O autor da iniciativa é o deputado Rodrigo Delmasso (PTN).

Para o deputado Rodrigo Delmasso (PTN), o alto índice de crimes de pedofilia registrados no DF justifica a necessidade de uma ampla investigação sobre o tema. "Temos que fazer um mapa do problema, identificar por que ainda há tanta impunidade e, ao mesmo tempo, oferecer informações para a sociedade sobre esse tipo de crime, que pode estar mais perto do que se imagina", explica o deputado.

A comissão deverá apurar casos já apresentados pela imprensa e ouvir autoridades, parentes de vítimas e representantes de entidades de defesa da criança e do adolescente. A proposta é baseada no artigo 227 da Constituição Federal, que coloca os direitos da criança e do adolescente como prioridade absoluta.

Segundo informações da assessoria de Delmasso, o requerimento que pede a criação da comissão especial já foi assinado pelos deputados Agaciel Maia (PTC), Celina Leão (PDT), Juarezão (PRTB), Júlio César (PRB), Liliane Roriz (PRTB), Lira (PHS), Luzia de Paula (PEN), Renato Andrade (PR) e Telma Rufino (PPL).

*Com informações da assessoria de comunicação do deputado Rodrigo Delmasso.

Luís Cláudio Alves - Coordenadoria de Comunicação Social CLDF

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as