Pular para o conteúdo principal

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2012 - Opinião


Vivi, por muitos anos, envolvido efetivamente na política em todos os níveis, mas as circunstâncias pessoais e profissionais me levaram a me afastar da militância de forma definitiva daquela que era a paixão que tomou minha vida desde adolescência. 

Hoje sou privilegiado, pois assisto distante aquilo que, no primeiro momento é algo imprevisível, mas este jogo tem demonstrado no ciclo da existência brasileira, como sendo algo necessário e algo reflexivo do caráter do ser humano, componente da sociedade formadora dos conceitos e opiniões, ou seja, previsível. Veremos domingo, Haddad ganhando a prefeitura de São Paulo e o “carlismo” em Salvador. 

A lei é a seguinte: em São Paulo o governo federal vai vir com todo seu aparato intelectual e financeiro. Na Bahia o carioca Wagner é simpático, mas a ingerência em muitos casos da administração local não deve prevalecer teve dificuldade em colocar nos trilhos o metrô, por exemplo. O Saudosismo, e o “sangue novo” de ACM Neto deve prevalecer, apesar do “peso” do Palácio do Planalto. 

O que quero dizer é que as pessoas que hoje concorrem a um cargo eletivo são seres humanos sensíveis e com possibilidades reais de serem corrompidos. 

Pela vaidade pessoal e pelo segmento social que representam todos eles sem exceção gostariam de acertar. Porém nem todos farão isto. O que pode ser um diferencial na administração dos novos eleitos é o caráter pessoal. Por isso às vezes, a competência e os títulos que esse cidadão possui não influencia a decisão do eleitor. Mas sim a forma como esse candidato tem vivido e tratado o “público” nos últimos tempos. 

É a vaidade pessoal e o interesse nebuloso que impede a tomada de decisões imparciais que leva o prefeito ao erro. Seja estratégico seja tático. É esse mesmo tipo de erro que leva o eleitor a errar quando vota. Não pensa no coletivo, não pensa no tempo em que esse prefeito vai ficar no seu município governando, pensa exclusivamente em interesses pessoais no poder de barganha que terá se fulano for eleito. Não tenho como mensurar o desenvolvimento dos eleitores, mas creio que o brasileiro tem consciência da estirpe de muitos candidatos que se dispõe a representa-lo. 

Na abertura democrática tínhamos a desculpa de não termos experiência com o voto, argumento vencido pelo tempo. Então o que se coloca hoje é o caráter e a essência motivadora do erro, seja nas alianças de composição e estratégia da campanha, seja no formato adotado pelo político depois de eleito. 

Um tema “batido” e de uma retórica incrível, a Educação é o cerne é o ponto nevrálgico é a fonte inspiradora do acerto. Conclusão já aceita pelas autoridades legislativas e executivas como sendo a única forma definitiva de criar uma nação justa e mais igualitária(menos currupção). 

Por fim, não dá para encarar um embate sangrento uma guerra , como se tem visto nos jornais e redes sociais, e não sair sem nenhum ferimento de morte ou sem nenhuma cicatriz. Mas a pergunta que não quer calar. O QUE LEVA UM SER HUMANO INVESTIR TANTO TEMPO E DINHEIRO NUMA BATALHA TÃO VIOLENTA, SE GOVERNAR UM MUNICÍPIO E TÃO DIFÍCIL E EM MUITOS CASOS TÃO INGRATO? Tenho a certeza de que vale a pena lutar essa batalha. Se não valesse não teríamos tão competentes e influentes pessoas interessadas em estar destacadas no meio de milhares de candidatos. 

Adquirir o título de autoridade (prefeito) é só um detalhe. Ter poder é tudo para quem não tem escrúpulos. 

Saber escolher, estudar os candidatos, não votar em partido, votar em pessoas e ter conhecimento da lei eleitoral é o mínimo que o eleitor deveria saber. Papel do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) ou do TRE (Tribunal do Regional Eleitoral)? 

O fato é que só fazendo, praticando, errando é que o brasileiro vai chegar em um nível de excelência e mandando para o executivo local pessoas com um caráter melhor e mais envolvidos na mudança definitiva da sociedade local. Acredite meu amigo.
  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as