Pular para o conteúdo principal

Com 58,2 % de aprovação, Ibaneis pilota o voo "Bsb 2026" em céu de brigadeiro

No mundo moderno, onde criticar, destruir reputações e a cultura do cancelamento são práticas comuns, é inspirador ver pessoas que reconhecem as qualidades dos outros e fazem análises construtivas.

Com essa inspiração, avalio que a administração de Ibaneis Rocha à frente do GDF, refletida em uma aprovação de 41,2% como ótima e 58,2% no total, conforme pesquisa de julho de 2024, demonstra um avanço significativo: Isso não só mostra a evolução do debate político por parte do eleitorado, mas principalmente da política no Distrito Federal.


Com 58,2% dos entrevistados aprovando sua gestão, Ibaneis demonstra um forte apoio popular. A soma de avaliações ótimas e boas atinge 41,2%, evidenciando que uma parte significativa da população reconhece e valoriza as ações do governo. 

Além disso, a avaliação regular de 30,6% sugere que muitos cidadãos consideram a gestão de Ibaneis adequada, o que pode ser visto como uma base sólida para aprimorar políticas públicas e conquistar ainda mais apoio. A baixa porcentagem de eleitores que não souberam ou não opinaram (4,6%) indica um alto grau de engajamento e interesse da população O Instituto Paraná Pesquisas divulgou esses dados no dia 04 de julho. O Instituto tem ganhado credibilidade devido à sua assertividade nas últimas eleições.

Apesar das críticas e tentativas de desconstrução, Ibaneis Rocha tem se mostrado um excelente executor de obras e um articulador político habilidoso. Isso é evidenciado pelos resultados de seus adversários e da sua vice, Celina Leão, na pesquisa divulgada em 4 de julho.

A pesquisa traz surpresas, especialmente para quem não acompanha a política diariamente, como a inclusão de nomes inesperados. Entre as surpresas estão José Roberto Arruda, inelegível, e o desempenho do deputado federal de primeiro mandato Fred Linhares para o Senado. Embora Fred possa não ter o apoio dos bispos da Universal, seu partido, o Republicanos, será um 'player' influente na eleição de 2026. Poderá estar na chapa majoritária. 

O maior desafio de Ibaneis foi sua reeleição em 2022, especialmente considerando a herança de governos anteriores que atrasaram o desenvolvimento do DF por décadas (rorizismo, arrudismo e petismo/socilialista). No entanto, o próximo desafio será garantir a sucessão de Celina Leão (PP) e se eleger senador. Com o apoio heterogêneo de grupos políticos e os resultados positivos das pesquisas, Ibaneis tem uma ferramenta importante para alcançar seus objetivos.

Isso não significa que não enfrentarão conspirações, especialmente do Partido dos Trabalhadores e da esquerda aloprada, que podem tentar desestabilizar a administração implementando uma política de oposição do "quanto pior melhor". Para se proteger dessas ofensivas, Ibaneis já está em alerta, especialmente após os eventos de 8 de janeiro e a intervenção na segurança pública, onde o governo federal violentou o eleitor do DF.

Assim como um piloto precisa de uma carta de navegação bem planejada, Ibaneis traçou seu caminho ao lançar Celina como sua sucessora em 2023, fazendo acordos e gerenciando a exigente máquina pública do GDF.

Tudo indica que o voo BSB2026 será tranquilo e com 'céu de brigadeiro'. Mas, como dizia Magalhães Pinto: "Política é como nuvem. Você olha e ela está de um jeito. Olha de novo e ela já mudou".


Por: Hamilton Silva – editor-chefe do Portal DFMobilidade, jornalista há 13 anos e economista desde 1998


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as