Pular para o conteúdo principal

Graças ao ‘desgoverno Lula’ os problemas na saúde não são exclusividade de Brasília

Problemas na Saúde do Distrito Federal: Reflexos de um Sistema Nacional em Crise

A saúde pública no Distrito Federal enfrenta uma série de desafios que são reflexos de problemas crônicos e agudos em todo o Brasil. Recentes casos de mortes de crianças em hospitais públicos do DF chamam atenção para a gravidade da situação. Em maio de 2023, duas crianças faleceram no Hospital Regional de Taguatinga devido a falhas no atendimento de emergência. Essas tragédias são parte de um quadro maior de precariedade no sistema de saúde (SUS) do país,  notoriamente dependente de recursos do ‘desgoverno Lula’.

Dependência do Orçamento Federal e Supremacia do Governo Federal

A administração da saúde no DF é significativamente influenciada pelo governo federal, tanto em termos de políticas quanto de orçamento. Entre transferências constitucionais, legais e discricionárias para o governo e cidadãos de todo o DF, R$ 31,74 bilhões foram repassados em 2023. No entanto, essa dependência expõe a fragilidade da gestão local, que muitas vezes fica à mercê das decisões e priorizações do ‘desgoverno Lula’

Um exemplo emblemático dessa dinâmica é o caso da funcionária do Ministério da Saúde que tirou férias em meio a uma crise sanitária. Durante uma visita de inspeção ao Hospital de Base do DF em janeiro de 2024, foi descoberto que a secretária executiva do Ministério da Saúde estava de férias no exterior em meio à pandemia de dengue. Esse descaso refletiu diretamente na falta de coordenação e agravamento dos problemas no atendimento hospitalar.

Com quase 6,3 milhões de casos prováveis de dengue, sendo mais de 3 milhões confirmados em laboratório, o Brasil ocupa o primeiro lugar no ranking de países com maior número de notificações da doença em 2024.

Causas Crônicas e Seus Reflexos no Distrito Federal

Os problemas crônicos na saúde brasileira, como a falta de infraestrutura e de profissionais qualificados, têm reflexos diretos no DF. Em março de 2023, uma mulher grávida perdeu seu bebê no Hospital Regional de Ceilândia devido à escassez de médicos (por causa dos baixos salários e a ‘sabotagem/assédio aos médicos’ pelo sistema de saúde privada) e equipamentos básicos de atendimento. Em abril de 2024, o surto de dengue no DF revelou a incapacidade do sistema de saúde em lidar com emergências, com várias unidades de saúde sobrecarregadas e pacientes atendidos em corredores.

Esses casos são apenas a ponta do iceberg de um sistema que há décadas sofre com subfinanciamento, má gestão e corrupção no SUS do Brasil inteiro. A demora no repasse de verbas federais e a burocracia excessiva complicam ainda mais a situação, gerando um ciclo vicioso de ineficiência e sofrimento para a população.

Brasília teve um governador médico de 1º de janeiro de 2011; a 1º de janeiro de 2015 que foi condenado por improbidade administrativa por ter aumentado o próprio salário de médico da Secretaria de Saúde, em 2014, dentre outras notícias de corrupção. O socialista Rodrigo Rollemberg é o pai da criança chamada IGES e agora esse mesmo grupo político critica sistemáticamente o Instituto. Qual seria a razão?

Inutilidade das CPIs: Um Histórico de Ineficácia
As Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs) têm um histórico de pouca efetividade na resolução dos problemas estruturais da saúde. A CPI da COVID, realizada em 2021, é um exemplo claro de como essas investigações podem se transformar em palanques políticos sem resultados práticos. Apesar das promessas de mudanças e de responsabilização dos culpados, pouco foi feito para reformar o sistema de saúde. Agora, com a possibilidade de uma nova CPI na Câmara Legislativa do DF, muitos se questionam se não será apenas mais um espetáculo midiático.

A Indústria da Doença: Interesses Ocultos na Saúde

A saúde no Brasil, e no DF em particular, está inserida em um contexto onde interesses econômicos das indústrias farmacêutica e de planos de saúde desempenham um papel significativo. Em 2023, as principais empresas farmacêuticas no Brasil registraram um faturamento combinado de mais de R$ 190 bilhões. Esse montante revela a força e a influência dessas indústrias na formulação de políticas públicas.

As empresas de planos de saúde também tiveram um ano lucrativo, com um faturamento de R$ 250 bilhões em 2023 e um lucro liquido de  R$ 3 bilhões. Esses números demonstram que, enquanto a saúde pública sofre com falta de recursos, a saúde privada se expande e lucra cada vez mais, muitas vezes em detrimento da qualidade do atendimento oferecido à população que depende do sistema público.

A crise na saúde do Distrito Federal é um reflexo de problemas crônicos que afetam todo o Brasil. A dependência do orçamento federal, a má gestão e os interesses econômicos das indústrias de saúde compõem um cenário desanimador. As CPIs, historicamente ineficazes,  incapazes de promover as mudanças tornam-se palanques eleitorais e oportunistas (assim como chacais na carniça). Enquanto isso, a população sofre as consequências de um sistema que precisa de reformas profundas e urgentes.

Por: Por: Hamilton Silva – editor-chefe do Portal DFMobilidade, jornalista há 13 anos, economista formado pela Universidade Católica de Brasília.

SEGUE ABAIXO ALGUNS EXEMPLOS DO QUE ACONTECE EM OUTROS ESTADOS DA FEDERAÇÃO

 

 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as