Pular para o conteúdo principal

Contradições Políticas: reconhecimento de Lula à gestão de Ibaneis no Sol Nascente desafia narrativas partidárias

 Contradições no cenário político se revelam quando líderes de destaque em partidos de oposição reconhecem o trabalho de governantes criticados por suas próprias legendas. Um exemplo recente disso ocorreu durante a visita do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à região administrativa do Distrito Federal conhecida como Sol Nascente.

Em meio às obras e investimentos que têm impulsionado a transformação dessa localidade desde 2019, Lula expressou surpresa ao constatar que o Sol Nascente destoava do estereótipo usual associado a uma favela. Mais impressionante ainda foi seu elogio às melhorias implementadas, especialmente sob a gestão de Ibaneis Rocha, atual governador, reconhecendo o esforço conjunto da comunidade e do setor público.

A cerimônia de lançamento do campus do Instituto Federal de Brasília (IFB) na região foi palco para as declarações de Lula, destacando a metamorfose do local em uma área administrativa própria, simbolizando um avanço no desenvolvimento urbano.

Essa mudança de postura, vinda de uma figura emblemática do PT, lança luz sobre a discrepância entre a retórica partidária e a realidade do progresso local. Enquanto o partido critica Ibaneis Rocha, seu maior líder enaltece os avanços que vê no terreno. Tal convergência de perspectivas ressalta a importância de intervenções direcionadas para melhorar a qualidade de vida dos habitantes do Sol Nascente.

As obras não apenas promovem a infraestrutura física, mas também fortalecem os laços comunitários e contribuem para uma sensação geral de segurança e bem-estar. Assim, a transformação em curso desafia as expectativas e evidencia o impacto positivo do investimento público na vida das pessoas. Ascende luz de alerta nos opositores partidários de plantão desclassificados, assim como na claque que ousou à deselegância para com a vice governadora.

 

Por: Hamilton Silva – editor-chefe do Portal DFMobilidade, jornalista há 13 anos, economista e diretor de Relações Institucionais da Associação Brasileira de Portais de Notícias (ABBP) -DRT- 11.815-DF

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as