Pular para o conteúdo principal

Notícias do Planalto Central

Simbologia 

A imagem (foto) marcante e mais simbólica da semana foi sem dúvida nenhuma a do governador Ibaneis Rocha na Ceilândia cercado de políticos "peso pesados" da Capital. Ladeado de Flávia Arruda (PL) o encontro sinaliza para uma aliança sólida neste ano de 2022. 


'Puliça'

O encontro de Ibaneis foi no reduto mais cobiçado da Capital, a Ceilândia (maior colégio eleitoral do DF), onde a foto fala mais do que qualquer palavra. O anfitrião,   o delegado Fernando Fernandes estava com sorriso de orelha a orelha com apoio e prestígio. O delegado deverá se filiar ao partido Republicanos com a benção de Ibaneis. 

Volta à Cena

O empresário e ex-senador  Luiz Estevão que agora goza de liberdade volta aos pouquinhos à cena política e parece já influenciar definitivamente alguns poucos  políticos da Capital, principalmente os distritais. Luiz tem política nas veias e participou discretamente de algumas "confras" ao lado da esposa Cleucy.  


Decisão

Fraga erra na tática e pode ficar sem mandato. 
O ex-deputado federal e apoiador quase incondicional do presidente Jair Bolsonaro disse no programa Police in Cast do Major Aquiar pelo canal do Youtube que apoiará o crítico fervoroso de Bolsonaro e agora companheiro de partido do ex-juiz Moro, ou seja, o senador Reguffe. 

Quase, mas não aconteceu

Fraga quase foi ministro do governo de Jair Bolsonaro, o que não ocorreu porque haviam pendências judiciais que o presidente, provavelmente, levou  em conta numa indicação que não aconteceu. 

Dica

Police Cast é um excelente canal que trata, prioritariamente de segurança pública. Fica a dica e o link do programa.


Praga pouca

A semana começou com a notícia da tragédia na Bahia onde 18 mortos viraram estatísticas do governo.
Não basta ser governado por socialistas,  os nordestinos da Bahia tem que conviver com tragédias naturais. 

Filhos: quem manda?

Na segunda-feira (27)  Jair Bolsonaro disparou uma pérola: que a filha dele não iria se vacinar de covid.
Foi mais uma afronta aos que querem controlar cidadãos. Com autoridade vilipendiada pelo Supremo Tribunal Federal , o mandatário parece que nem em casa manda mais. Só Jesus! 

Cerão

Há deputado que nestas festas de fim de ano não deixou Brasília, nem mesmo para pegar uma praia. Diante das dificuldades para se reeleger, a legislação mudou. É melhor fazer hora extra nesta última semana de 2021. Nas semanas de férias de janeiro haverão  muitos deles travestidos de político "prestador de contas". Cuidado o cara passou quatro ou oito anos sumido e só agora aparece! 

Chuva contínua

O Brasil todo está sendo lavado pela chuva, aqui na Capital chove sem parar. Parece que Deus quer limpar  definitivamente a "sujeirada" impregnada na política.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.