Pular para o conteúdo principal

Coluna: Notícias do Planalto Central

Ex-governador Rollemberg

Marketing reverso

Na última semana de 2021, antes de assumir sua candidatura a deputado federal o ex-governador Rodrigo Rollemberg publicou um vídeo em que dizia do quanto dá trabalho cuidar das suas bezerrinhas. Fico imaginando o quanto é trabalhoso cuidar do seu curral eleitoral . Em tempo: no vídeo o político aparece todo sujo de esterco.


Carnaval

Atendendo a oração de muitos e mais ainda ao avanço de uma outra onda do vírus chinês o governador Ibaneis Rocha(MDB) cancelou o Carnaval de rua no DF. Ontem o vice Paco Britto anunciou não descartar um novo lockdown. "Saúde acima de tudo!"
 

Evangélicos

Viver um paradoxo real é também ato de fé, na proporção em que a falta de Carnaval faz mal ao comércio e ao turismo da cidade, a pandemia do vírus chinês também faz mal à população deixando um rastro de pobreza (desemprego) e morte . O discurso dos evangélicos com referência ao fechamento das igrejas precisa encontrar um ponto de convergência ou se perderá com o  tempo.

Distrital digital

Alguns portais de notícias da capital, Radar DF e Expressão Brasiliense, por exemplo, descreveram com exatidão e maestria as dificuldades que deputados eleitos com ajuda das redes sociais terão para repetir a mesma faceta do passado. Cito aqui Daniel Donizete, considerado pelos conservadores como traidor, o distrital acomodou-se no PL, mesmo partido de Jair Bolsonaro.

Dura realidade

Talvez o que ocorreu em 2018, com tantos novos out siders e desconhecidos da vida real, nunca mais aconteça. Daniel Donizete resolveu adotar pets como bandeira de sobrevivência política e tenta a reeleição para distrital. Já Luis Miranda (DEM), que adora uma treta, disse que ia implodir a República no caso improvável e não provado de corrupção no Ministério da Saúde já está com o 'pézinho' fora da Capital porque corre risco de perder o mandato. Bia Kicis (PSL) possivelmente terá missão, não confirmada, em São Paulo: derrotar o tucanato clássico e virar senadora.

Mulheres poderosas

Já em 2018, este colunista, avaliava que as mulheres teriam destaque nas eleições deste ano na Capital: Flávia Arruda (PL), Bia Kicis (PSL), Celina Leão (PP) e Leila do Volei (Cidadania) além da petista Érica Kokay são agentes definitivos de grande influência e de articulação na formação de nominatas. Das citadas quase todas estão na disputa para concorrer a uma vaga em cargo majoritário.

Não tão poderosas

Érica Kokay tem uma jornada relativamente fácil se tentar reeleição. O PT-DF resolveu investir na desconhecida Rosilene Correa para disfarçar uma candidatura realmente competitiva e 'escantear' Érica e o veterano Magela. 'No frigir dos ovos' o partido estará ao lado da mulher socialista: Leila do Volei a senadora sem carisma. Celina, distante do eleitorado terá caminho definido por terceiros, explico: depende do PP Nacional e dos acordos no DF.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.