Pular para o conteúdo principal

Coluna: Notícias do Planalto Central

 “Notícias do Planalto Central ” é uma coluna dedicada aos nossos leitores publicada todo domingo no Portal www.dfmobilidade.com.br. Nela você fica sabendo de todos os bastidores da política do DF e das notícias de interesse da sociedade brasiliense, direto do Planalto Central. A coluna é assinada pelo Editor, Jornalista e Economista Hamilton Silva. 

Bolsonaro

Não há dúvida de que o evento da semana passada foi a chegada do Presidente da República no Partido Liberal (PL). Outra certeza é a de que isto influencia diretamente nas escolhas para uma nominata competitiva na Capital. 

Filiação

Além de concorrido o ato de filiação teve distrital socialista fazendo live diretamente do evento. Logo ao lado estava o distrital Daniel Donizete, eleito pela onda bolsonarista e considerado “traidor” pelos conservadores da Capital.

Agaciel, Donizet e outros liberais que ocupam cargos no GDF terão que decidir que palanque  subir ano que vem. Isto porque a influência política do Palácio do  Planalto fará diferença nas eleições do DF.

 

Ovelha negra

Pastor da Batista Central critica feriado do evangélico. O pastor que acabara de fazer as pálpebras, sim ele é vaidoso. Criticou uma lei distrital que muitos evangélicos conquistaram no legislativo local. “Mais oração”, disse o religioso. Eu digo: menos Instagram, menos vaidade.

 

Oportunismo

Na quarta teve político, papagaio de pirata nas obras do GDF . Luís Miranda deputado federal e autor da emenda para construir uma nova saída de Águas Claras esteve presente na assinatura de início da obras.  Outros políticos que ‘metem o pau’ no governador agora ficam querendo pegar carona no excelente trabalho do executivo local. A distrital do novo Julia Lucy andou distribuindo sorrisos e “tirando casquinha” da popularidade do governador. Nada contra aderir ao governo, mas estes precisam se definir. Sair de cima do muro.

 

Desconectado

No feriado do dia do evangélico teve distrital se esbaldando no samba. Foi lá pelas bandas do Cruzeiro.Nada contra também,  mas respeitar um feriado religioso seria o mínimo. Ou não?

 

Mico

Passado quinze dias da inauguração da UBS15 da Ceilândia, um tal Cel. “Sangue Bom” quis lacrar pra cima do governador pergutando no meio da multidão se havia jeito de mexer no interstício da PM. Mal sabia ele que haviam dois meses que Ibaneis tinha resolvido o problema antecipando o tal interstício. Vamos se informar melhor gente! Pagou mico.

 

A qualquer custo

Aparecer a qualquer custo  é uma constante. Tem distrital que se acha a última bolacha do pacote, querendo barrar a indicação do conselheiro Clemente ao TCDF. Pura falta do que fazer.

 

Unanimidade

Governar é eleger prioridades para seus governados. Ibaneis mandou bem ao decidir pelo cancelamento da festa de réveillon e priorizar a saúde do brasiliense. Não sou eu quem está dizendo foi a socialista Leila do Vôlei.

 

Referência

Não é novidade para ninguém  que o governador Ibaneis se tornou uma das maiores lideranças políticas do Brasil, não à toa que ex -políticos se aconselham com o jovem, mas tarimbado e testado nas urnas. A foto (almoço de sexta-feira 03/12) abaixo descreve com exatidão a capacidade de negociar e dialogar. Dizem que nós jornalistas  não podemos brigar com a imagem, e esta diz muito.

Governador Ibaneis Rocha sendo consultado por Paulo Octávio e Cristóvão Buarque, ambos de olho nas eleições do ano que vem


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.