Pular para o conteúdo principal

Notícias do Planalto Central

A campanha já começou

Não é novidade para ninguém que muitas articulações estão em curso com um único objetivo: eleições.

Tem político que acorda, passa o dia e dorme pensando “naquilo”!

Redes Sociais

É bem verdade que aprenderam a usar as redes sociais e capitalizam higienicamente, o meio mais transparente existente: instagram, Facebook e Whatsapp. No instagram tem ex-vice governador que já está de dieta, come dobradinha todo dia.

Logo logo, haverá ativismo judicial para regulamentar ou interferir de vez nesta que é a maior forma do político se mostrar ao  eleitorado.

‘Tudo como dantes no quartel-general em Abrantes’

Então, querer todo mundo quer, mas ocupar cargos com salários generosos e ter fóro previlegiado vai além da vontade pessoal. Na Câmara Legislativa do DF a aposta de muitos especialistas é que uma parcela próxima do 50% terá que desocupar o lugar. O Deputado distrital é mais do que imaginamos e muitos menos do que eles próprios imaginam.

No Buriti a disputa ainda não vingou, ninguém com densidade eleitoral ou com grupo  competitivo se colocou como  adversário de verdade do governador Ibaneis Rocha. Será por que? Porquê todos sabem o valor da gestão do governador, mas também das dificuldades naturais de uma campanha majoritária: Aglutinar um grupo competitivo, desconstruir outras candidaturas e alavancar recursos suficientes para chegar até o final com chances reais.

Não assumem

Leila do Volei e Reguffe além de dependerem da aliança dos diretórios nacionais dependem da vontade dos grupos políticos tradicionais da Capital.

A ex-jogadora de Volei, faz mandato discreto no Senado Federal com pouco destaque, já  Reguffe que terá seu mandato finalizado vive um dilema: muda de partido ou terá palanque com o odiado – pelos dois lados da política – Sérgio Moro.

Situação de Flávia Arruda é mais delicada ainda, pois além  das dicas do marido depende de uma decisão de Bolsonaro para fincar uma candidatura do PL no Planalto Central.

De fato mesmo somente um pré-candidato forte a ser batido: Ibaneis com a caneta azul “reconstruindo” a capital em três anos. Impressionante e desafiador para quem desejar para enfrentá-lo.

Desordem na Ordem

Numa disputa para eleger um novo presidente a OAB demonstrou uma ‘desordem’ total no processo eleitoral que deu vitória ao atual presidente da seccional do DF Délio Lins, que ficará por mais um mandato na presidência da OAB/DF.

Moro, Lula e todos outros contra o Bolsonaro

A única novidade é que o calça apertada está ficando para trás e Moro deverá ocupar espaço para os almofadinhas de plantão. Obcecados por Bolsonaro terão candidato de centro: Moro, que de centro não tem nada nem o caminhado.

A tática de dar “uma pausa” na campanha pegou. Todos os pré-candidatos deram uma recuada e saíram de cena neste fim de ano. Tática que parece correta, isto se este tempo não lhes fizer falta lá na frente quando estivermos próximo da linha de chegada. No fundo ninguém em sã consciência parou com a campanha. Ops, pré-campanha!

Não há nada que não possa mudar até a próxima edição desta coluna.

*Hamilton Silva – Economista formado pela Universidade Católica de Brasília e Gestão Pública pelo Instituto Processos. Jornalista e Diretor de Comunicação e Marketing da Associação Brasileira de Portais de Notícias.  


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.