Pular para o conteúdo principal

PSDB na capital já é pequeno no Brasil implodiu de vez

Após o ensaio das prévias (temporariamente interrompidas por dúvidas no processo de apuração), o PSDB saiu menor.

Como um "partido de quadros" (termo que se usa na Ciência Política para designar partidos políticos menores, porém, de referência, de quadros técnicos, de "ilustres", mas não de "massas"), o PSDB quis insistir em uma tradição que não era sua (as prévias, consagradas como efetivo fenômeno eleitoral entre correligionários nos EUA e que, no Brasil, têm sido tipicamente realizadas na definição de candidaturas majoritárias do PT, que é, este sim, um "partido orgânico de massas"). Resultado: as diferentes oligarquias tucanas disputaram poder em público, quando deveriam ter lavado a "roupa suja" em casa.

O PSDB é hoje um partido em crise de identidade. Isso porque:

 a) sua geração de dirigentes da passagem entre as décadas de 1980-90 (centrista e moderadamente social democrata, à moda do PSD português) já quase não existe mais virou um partido "socialista fabiano" contaminado pelo Pacto de Princeton ;
b) o líder nacional naturalmente herdeiro da legenda Aécio Neves tornou-se uma persona não  grata onde era adorado chegando ao ápice quando perdera as eleições para Dilma Roussef; e
c) a sigla foi tomada por uma liderança exógena Doria que está disposta a dobrar o PSDB e transformá-lo em algo como o PP Espanhol (talvez um pouco menos conservador), acelerando o processo de transição do partido da Centro Direita para a Direita Clássica no espectro político.

Fraturas expostas geram divisões irremediáveis.

No Distrito Federal todos irão se lembrar de quando Geraldo Alckim interviu de forma definitiva efetivando o então Izalci Lucas como pré-candidato do GDF expondo a falta de democracia interna e feridas incuráveis.

No pós eleição de 2018, mesmo depois de uma conturbada e autoritária campanha tucana o PSDB se colocou na oposição sistemática que levou a única personalidade do partido ao esquecimento, Izalci.

Nas próximas eleições o PSDB/DF terá pela frente o desafio de sair com candidatura própria e definhar de vez ou se aliar ao partido de esquerdas como PDT e PT para continuar condjuvante na vida política do brasiliense.

Há forte perspectiva de saída de "medalhões" (isto é, de lideranças de expressão regional/nacional) do PSDB após a virtual apuração final das prévias. A sigla sairá menor. Se ela vai, no entanto, fortalecer-se após seu novo posicionamento, só o tempo e a qualidade das lideranças vitoriosas o dirão.


Hamilton Silva – Economista formado pela Universidade Católica de Brasília e Gestão Pública pelo Instituto Processus. Jornalista e Diretor de Comunicação e Marketing da Associação Brasileira de Portais de Notícias.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.