Pular para o conteúdo principal

Bolsonaro no PL continua o mesmo de sempre

Na primeiras semanas de novembro o presidente da República Jair Bolsonaro anunciou sua filiação ao Partido Liberal, o que  ocorreria no dia 22 (número da sigla) , partido este criado em meados de 1985 pelo falecido Álvaro Valle.


O que isto significa? Para muitos nada, até porque já se sabe que Bolsonaro não iria para um partido de centro esquerda (Solidariedade, Podemos ou afins). Sim, ele continua o mesmo Bolsonaro falastrão e cheio de adjetivos pejorativos que a imprensa tradicional, hipócrita e suja costuma rótula-lo. 

O Sistema Politico  predominante no Brasil é elitista, maquiavélico e excludente. Não adianta acusar o PL ou PT de corruptos,  todos são iguais em se tratando de objetivos práticos: defender os interesses de seus proprietários. Se não é ilegal talvez seja imoral! 


Os partidos "são lojinhas";  comércios defendendo os seus interesses muitas vezes nebulosos e lucrativos. Crer em fidelidade partidária é o mesmo que crer em conto da carochinha. 


O clientelismo, corporativismo e fisiologismo predominam na prática da política brasileira a décadas,  não iria ser extinta pelo deputado de baixo clero que no contra fluxo do stablisment se elegeu legitimamente com anseios de mudanças estruturais na cultura do poder pelo poder. 


Bolsonaro continua o mesmo, a esquerda continua a mesma, a mídia suja e inescrupulosa continua a mesma apesar de viver uma crise de autoridade e credibilidade. 


Lembremos que o Centrão esteve, mesmo que pontualmente, com Bolsonaro em 2018,  somente após o segundo ano de governo é que os caciques definiram que não iriam morrer de inanição e partiram para um imobilismo legislativo sistemático e nada de projeto governista avançar no Congresso Nacional. A partição e distribuição do bolo orçamentário  sempre foi objeto principal do clientelismo.


Foi aí que houve uma troca de ministros alinhados ideologicamente com o presidente, sem resistência destes, com vistas a atender ao clientelismo rotineiro.  Nenhuma surpresa.


Quem de fato  irá mudar são os anti bolsonaristas, petistas e socialistas agasalhados no PL. Estes terão que mudar de sigla. Caso do Tiririca, deputado anti governista.


A maior surpresa não é a filiação do presidente  no partido do Centrão, quem deve estar surpreso são os esquerdistas,  socialistas fabianos e afins que ainda não acreditam que Bolsonaro tenha chegado até aqui às vésperas de mais uma eleição com aceitação popular elevada e "dentro da quatros linhas". 


Para estes Bolsonaro estaria preso, impeachmado ou mesmo morto.


O homem está aí governando, com muitas turbulências sim, contrariando todo o 'sistema', mas governando bem.


Bolsonaro pode ter mudado para muitos ; mas principalmente para Joice Hasselman, Alexandre Frota, Luis Miranda e Sérgio Moro além de alguns deputados distritais e estaduais que tiverem que se reinventar para sobreviver na política,  sim  sobreviver.


Só de não se ter nenhuma comprovação de corrupção nos quase quatro anos de governo,  já seria mais que suficiente para repetir o voto, todavia, os auxílios financeiros durante a pandemia me fazem refletir sobre o que aconteceria se as raposas vermelhas estivessem no comando central do Brasil. 

Bolsonaro precisa de um Partido para concorrer e mostrar os feitos realizados em sua gestão, portanto tempo de televisão, o PL tem.


Enfim, Bolsonaro é o mesmo de antes:  usava os partidos para se eleger. Trocou de sigla inúmeras vezes. Continua usando.


Certa ocasião entrevistei  um deputado do Centrão: Perguntei sobre a sua frenética mudança de partido e ele me respondeu taxativamente: "os eleitores não se lembrarão do Partido mas de mim nunca se esquecerão", emudeci. 

  




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.