Pular para o conteúdo principal

Bolsonaro no PL continua o mesmo de sempre

Na primeiras semanas de novembro o presidente da República Jair Bolsonaro anunciou sua filiação ao Partido Liberal, o que  ocorreria no dia 22 (número da sigla) , partido este criado em meados de 1985 pelo falecido Álvaro Valle.


O que isto significa? Para muitos nada, até porque já se sabe que Bolsonaro não iria para um partido de centro esquerda (Solidariedade, Podemos ou afins). Sim, ele continua o mesmo Bolsonaro falastrão e cheio de adjetivos pejorativos que a imprensa tradicional, hipócrita e suja costuma rótula-lo. 

O Sistema Politico  predominante no Brasil é elitista, maquiavélico e excludente. Não adianta acusar o PL ou PT de corruptos,  todos são iguais em se tratando de objetivos práticos: defender os interesses de seus proprietários. Se não é ilegal talvez seja imoral! 


Os partidos "são lojinhas";  comércios defendendo os seus interesses muitas vezes nebulosos e lucrativos. Crer em fidelidade partidária é o mesmo que crer em conto da carochinha. 


O clientelismo, corporativismo e fisiologismo predominam na prática da política brasileira a décadas,  não iria ser extinta pelo deputado de baixo clero que no contra fluxo do stablisment se elegeu legitimamente com anseios de mudanças estruturais na cultura do poder pelo poder. 


Bolsonaro continua o mesmo, a esquerda continua a mesma, a mídia suja e inescrupulosa continua a mesma apesar de viver uma crise de autoridade e credibilidade. 


Lembremos que o Centrão esteve, mesmo que pontualmente, com Bolsonaro em 2018,  somente após o segundo ano de governo é que os caciques definiram que não iriam morrer de inanição e partiram para um imobilismo legislativo sistemático e nada de projeto governista avançar no Congresso Nacional. A partição e distribuição do bolo orçamentário  sempre foi objeto principal do clientelismo.


Foi aí que houve uma troca de ministros alinhados ideologicamente com o presidente, sem resistência destes, com vistas a atender ao clientelismo rotineiro.  Nenhuma surpresa.


Quem de fato  irá mudar são os anti bolsonaristas, petistas e socialistas agasalhados no PL. Estes terão que mudar de sigla. Caso do Tiririca, deputado anti governista.


A maior surpresa não é a filiação do presidente  no partido do Centrão, quem deve estar surpreso são os esquerdistas,  socialistas fabianos e afins que ainda não acreditam que Bolsonaro tenha chegado até aqui às vésperas de mais uma eleição com aceitação popular elevada e "dentro da quatros linhas". 


Para estes Bolsonaro estaria preso, impeachmado ou mesmo morto.


O homem está aí governando, com muitas turbulências sim, contrariando todo o 'sistema', mas governando bem.


Bolsonaro pode ter mudado para muitos ; mas principalmente para Joice Hasselman, Alexandre Frota, Luis Miranda e Sérgio Moro além de alguns deputados distritais e estaduais que tiverem que se reinventar para sobreviver na política,  sim  sobreviver.


Só de não se ter nenhuma comprovação de corrupção nos quase quatro anos de governo,  já seria mais que suficiente para repetir o voto, todavia, os auxílios financeiros durante a pandemia me fazem refletir sobre o que aconteceria se as raposas vermelhas estivessem no comando central do Brasil. 

Bolsonaro precisa de um Partido para concorrer e mostrar os feitos realizados em sua gestão, portanto tempo de televisão, o PL tem.


Enfim, Bolsonaro é o mesmo de antes:  usava os partidos para se eleger. Trocou de sigla inúmeras vezes. Continua usando.


Certa ocasião entrevistei  um deputado do Centrão: Perguntei sobre a sua frenética mudança de partido e ele me respondeu taxativamente: "os eleitores não se lembrarão do Partido mas de mim nunca se esquecerão", emudeci. 

  




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as