Pular para o conteúdo principal

As Madalenas arrependidas embarcam na onda de Moro

Na manhã desta quarta-feira (10) o ex-ministro da justiça Sérgio Moro filiou-se ao Podemos. Houve um frisson e arrepios em muita gente.

O queridinho dos almofadinhas engravatados saiu de cima do muro para levar pedrada dos dois lados. Fato inédito? Claro que não, haja vista que todos tem um lado até mesmo jornalistas ditos imparciais ficaram arrepiados com o discurso ocorrido no famoso auditório Ulisses Guimarães em Brasília.

A claque presente parecia vibrar como se estivesse no momento pré orgasmo dando a impressão de ainda enxergarem o Super Moro e justiceiro outrora perdido com a extinta Operação Lava Jato.

O discurso célebre só poderia levar as “Madalenas Arrependidas” a sonhar com uma volta espetacular do Super Moro vinculado à "esperança de um salvador" como se este o fosse.

Diante da evasão de cupins do Palácio do Planalto devido à postura correta e 'murrinha' do presidente JB, estes precisam quase que desesperadamente de um novo habitat para explorar e articular, aliás estes famintos não pouparam sorrisos pálidos nas selfies.

Mais entusiasmados que Joice Hasselman, somente o Luís Miranda, Mandetta, Kim Kataguiri e alguns poucos generais que arrependeram de ser base governista e coadjuvantes no poder central. Segundo eles “traídos” pelo presidente Jair Bolsonaro. Ôh dó!

Ainda bem que Moro não abriu falas para “as madalenas” caso contrário o clima ia esquentar. “Diga com quem andas e direi se vou contigo”.

Pela plateia você percebe quem irá ditar os rumos da campanha, mas principalmente quem será seu adversário. O que se viu naquele auditório foi nada menos que muitos assessores e políticos profissionais, incapazes de agregar votos para o ex-juiz. Vamos aguardar como será sua atuação nas viagens de campanha.

Na fala bem ensaiada no 'mídia training' e idealizada por marketeiro profissional o ex-juiz fez o discurso perfeito, cheio de frases de efeito e para ficar na modinha foi inclusivo ao frisar solidariedade à imprensa ofendida e intimidada.[ironia]

No que tange o tema arrependimento, o senador Reguffe pode estar muito arrependido de ter se filiado ao Podemos. Afinal o político precisa de votos da esquerda e da direita se quiser governar Brasília. Terá até abril para mudar de partido. Moro é rejeitado por ambos.

Outra “Madalena” é o tal Dória (maior prejudicado, eleitoralmente, com a candidatura de Moro). Governador oportunista que se elegeu na onda bolsonarista e defensor do 'lockdown' que provocou a falência de muitos empresários no estado de São Paulo. Este foi ausente no ato político, mas já flertou com Moro, assim como muitos do Centrão que apoiam Jair Bolsonaro apenas por causa das emendas orçamentárias. Haja fisiologismo e clientelismo. Se Bolsonaro não vingar no segundo mandato o Centrão já sabe onde embarcar

Vamos aguardar cenas dos próximos capítulos...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.