Pular para o conteúdo principal

A retomada das aulas presenciais e a insensatez dos sindicalistas profissionais

Os professores, pais e alunos querem voltar, os sindicalistas profissionais não.

O Sindicato dos Professores realizou assembleia na última sexta-feira com indicativo de greve sob o argumento de alertar o Governo do Distrito Federal de que a categoria não aceitará retorno sem todos os protocolos sanitários contra a Covid-19.

Este argumento sugere negligência do governo ou instituição, algo que nenhum faria deliberadamente: Todos, sem exceção querem um retorno seguro as aulas, cumprindo todos os protocolos necessários.

O argumento dos sindicalistas sugere nada mais nada menos que uma politização extemporânea e intempestiva.

Depois de 18 meses sem aulas presenciais nossas crianças podem ficar ainda mais tempo sem ir a escola. As aulas presenciais serão retomadas a partir desta quinta-feira (5/8), mas o sindicato dos professores motiva a desinformação e estimula o "fica em casa".

O tempo é o que temos de mais precioso. 18 meses sem aulas presenciais são 540 dias longe da sala de aula. Não há como repor esse tempo perdido. Apesar da pandemia não ter acabado, não há razões plausíveis para não se retornar com as aulas presenciais com todos os protocolos de segurança.

Outras categorias trabalham em condições muito mais precárias que as condições disponíveis aos professores hoje em dia, que em sua maioria já se encontram vacinados.

A volta das escolas privadas foi gradual e cada colégio adotou o próprio calendário, após quase sete meses de portas fechadas devido à pandemia. As escolas particulares retornaram  às atividades presenciais em 21 de setembro de 2020, ou seja, há dez meses.

A questão central era o emprego e a própria existência dos estabelecimentos. Diferente das escolas públicas o que está em jogo é a própria saúde de nossos filhos, psicológica, intelectual e profissional.

Diferentemente das escolas particulares os professores das escolas públicas tiveram seus salários garantidos pelo cidadão contribuinte e a vacina para toda a categoria.

Não há como deixar de falar na construção de um método seja ele hibrido, gradual , mas é  preciso voltar sob pena de agravar ainda mais as consequências nefastas para as crianças e adolescentes.

O GDF tem se preocupado e reservado vacinas suficientes para os professores. Diminuiu o intervalo de vacinação para que todos os professores estejam vacinados, mas  para o Sindicato isto não importa. O importante é marcar posicionamento político de oposição. Politizar agora é tiro no pé.

As crianças e os profissionais da educação já podem frequentar igrejas, clubes, shopping, parques e transporte público, mas a sala de aula não?

A pergunta pertinente aqui é: a quem interessa o absurdo em prolongar o "fica em casa" para nossas crianças? Fácil responder.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.