Pular para o conteúdo principal

Ibaneis sai na frente nas eleições do ano que vem

 

O governador não saiu na frente somente porque anunciou ser candidato à reeleição, mas porque a sua  posição  na corrida eleitoral é favorável,  muito favorável políticamente falando. É o que apontam as pesquisas.

Ibaneis tem administrador do PSol – administração do Plano Piloto –  e tem amplitude de diálogo com a galera da direita também. O governador transita como nenhum outro na Câmara Legislativa, onde possivelmente haverá traições,  mas também cabos eleitorais importantes.

O governador sai na frente porque ele é governo, tem a máquina estatal na mão e pela exposição contínua, efetiva e natural  de quem está no  poder. Antes não se conhecia o seu potencial.

Em segundo porque tem sido um governador bem acima da média no que diz respeito à gestão da maior crise sanitária dos últimos cem anos. Se destacou quem  “apareceu menos”, quem não fez proselitismo.

Aplicou vacinas quando disponíveis, mandou prender quem tinha que prender (quando precisou) e tem feito uma gestão com  responsabilidade aos recursos.

Listo algumas obras importantes:

Entregou com dois anos de governo três novas estações do Metrô. Reformou e praticamente reconstruiu as tesourinhas da Asa Sul e Asa Norte.

O túnel de Taguatinga sendo entregue antes das eleições de outubro de 2022, será um divisor de águas no reconhecimento dos milhares de motoristas que ali passam. Atraindo olhares dos eleitores de Ceilândia, Águas Claras, Samambaia, Taguatinga e adjacências.

O Complexo Viário Governador Roriz que mudou a realidade do trânsito na saída norte do DF é outra obra finalizada.

Obra aguardada a pelo menos duas décadas que vai da Samambaia rumo ao Recanto das Emas ou em direção ao Gama, também passará por uma grande obra de mobilidade viária:  a construção do viaduto do Balão do Recanto das Emas.

A construção do viaduto de ligação entre o Sudoeste e o Parque da Cidade resolve um problema histórico na mobilidade dessa região do DF,  aguardadas desde o governo Arruda.

Concluiu as obras no viaduto que caiu na época do governo Rollemberg, ali na Galeria do Estados, quem se lembra?

Com todas essas obras  saindo do papel na gestão do governador Ibaneis sua reeleição parece iminente.

O Ibaneis saiu na frente quando ganhou em 2018 ampliando aliança e não deixando nenhum apoiador para trás. Teve a chance de mostrar do que é capaz. Capaz de cuidar e agregar se consolidando como nova liderança nacional.

Antes da pandemia, ou seja, em seu primeiro ano de governo a economia do Distrito Federal cresceu 1,8% no terceiro trimestre de 2019,  em comparação com o mesmo período do ano anterior. A inflação do DF era a menor do país naquele período.

E agora, no pós-pandemia as vendas superaram expectativas nas duas principais datas para o comércio no 1º semestre, segundo a Fecomércio sinalizando para uma recuperação nunca antes vista.

O governador é o cara a ser batido, não há terceira via em construção porque não há uma segunda via, a oposição ou está acomodada no governo ou está pulverizada no discurso de ataque ao governo federal que sinalizará para onde as alianças deverão caminhar. Mas, isto é tema de outra resenha.

Por fim,  não deixou de administrar, corrigir a rota e construir a cidade, mesmo em meio à pandemia o governador Ibaneis Rocha é o maior tocador de obras dos últimos vinte anos no DF.

*Hamilton Silva é jornalista e economista 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.