Pular para o conteúdo principal

Economia x prioridades, quais delas define uma eleição?



Ora bolas todos nós sabemos que din din no bolso faz uma grande diferença na vida de qualquer cidadão. Isto é fato, todavia dizer que a economia de uma nação poderá definir uma eleição, isso não seria uma tolice? Não poderíamos aqui propor uma desconstrução dessa ideia?

Vamos começar analisando as últimas eleições americanas, um país poderoso e próspero, renda per capita superior a todos da américa. O que foi preponderante nestas eleições foram os destinos das verbas que as Bigtechs deram. Esses recursos foram decisivos e chancela da vitória de Biden. Definitivamente foi o engajamento dessas empresas no dia a dia da Campanha, disponibilizando suas ferramentas de persuasão para influenciar diretamente no resultado.

Trazendo para a nossa realidade do DF, o mandatário do Palácio do Buriti não deu IBOPE em dívidas fiscais e orçamentárias oriundas das gestões passadas, pelo contrário. Tocou o barco. Sem desculpas ou subterfúgios.

Por conta de gestões anteriores imbuídas de roubalheira e corrupção o GDF adotou uma linha de priorizar o cuidado com a cidade. Obras preventivas e de infraestrutura tomaram conta. Tudo isto no primeiro ano, mas a crise sanitária provocou uma conversão e inversão nas prioridades de gestão do atual governo, assim como em vários outros estados do país.

A saúde em situação crítica há muito tempo e a pandemia obrigaram os gestores do governo Ibaneis a enfrentar o corporativismo, interesses de lobbies e uma ingerência sistêmica naquela pasta que ordena bilhões de reais. Mesmo assim, com efetividade, não descuidaram da cidade em nenhum momento.

Por conceito, a política é a arte de definir prioridades e esta escolha define uma gestão bem ou má sucedida.

Numa realidade, de país desenvolvido, onde se tem recursos financeiros suficientes para aplicá-los em prioridades eleitas o gestor poderá ter dificuldades de realizar. Porém, em países subdesenvolvidos este tema é ainda mais sensível.

Mecanismos de controle e fiscalização tornam-se prioritários em toda e qualquer gestão. Contudo há enormes distorções de prioridades na fiscalização e aplicabilidade de recursos.

Então chegamos à conclusão de que a escolha de onde o dinheiro será aplicado é que se torna determinante para o sucesso ou insucesso das eleições. Por que vocês acham, por exemplo, que os deputados e senadores sangram e pressionam o chefe do executivo por mais verbas e por mais ministérios?

Eu escrevi em 2018 um texto sobre a conjuntura acesse o link onde relato alguns fatores de influência econômica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.