Pular para o conteúdo principal

Moro: O player sem carisma




Sem a habilidade inata de alguns seres humanos de conseguir encantar, persuadir, fascinar ou seduzir, Sérgio Moro também parece não ser contemplado pela origem etimológica, do termo carisma: do grego khárisma, que significa “graça” ou “favor”.

As cenas de sua saída do Ministério da Justiça me submetem a uma viagem no tempo justamente à uma certa Ceia onde Judas se recolhe antes de todos à mesa. Judas não teve Graça muito menos favor.

Isolado em seu apartamento em Curitiba no bairro Bacacheri, distante cerca de três quilômetros da sede da Justiça Federal. Um imóvel de 256 m² é mais que suficiente para que o cerebral ex-juiz construa sua estratégia até atingir o ápice. Nem dá para duvidar, afinal conseguiu quase tudo o que quis. Menos o cargo tão sonhado na Suprema corte. 

As postagens no dia do amigo e outras de solidariedade a mortos por causa do Covid-19 fazem as vezes de blogueiro e lacrador. O derretimento pós saída do ministério não sinaliza para uma derrocada somente nas redes sociais, mas revela a falta de fascinação pública deflagrada pela maneira desastrosa de como 'chutou' o cargo de ministro. 

Apesar de escolher mal os seus assessores, em um ano de ministério o ex-juiz teve atuação mediana no quesito segurança pública. A sua autoridade e fascinação irresistível exercida sobre um grupo de pessoas, supostamente proveniente de poderes sobrenaturais já não existem mais. 

Parece muita coincidência que parte do PSDB esteja sendo implodido depois de sua auto demissão. 

E a sua articulação silenciosa não quer antecipar seus passos em público sinalizando a prudência de quem prendeu poderosos da República. 

Sem o carisma exigido pelo sistema político, MORO vem articulando sua candidatura com vistas a derrotar, nas urnas, o presidente a quem serviu porcamente e pretende liderar o país para o qual virou as costas. 

O ex-ministro sempre politicamente correto, avalia que é cedo demais para anunciar qualquer plano e acredita que falar sobre o tema agora vai mais prejudicá-lo do que ajudá-lo. Com um ego gigante não dá apara acreditar que venha a compor uma chapa numa posição secundária de vice. Será? 

Pessoas próximas a Moro tentaram sondar se ele toparia a dobradinha nesse formato, mas o ex-ministro está evitando estrategicamente o assunto. 

Ele ainda diz a amigos próximos que o plano de atuar na iniciativa privada quando sua quarentena acabar é uma possibilidade apoiada, inclusive, pela família. 

Quem conhece bem Moro acredita, porém, que ele é mais candidato do que nunca e que não abriria mão do posto de CABEÇA de chapa, se decidir disputar a eleição para presidente em 2022. 

Em pesquisa de opinião recentemente divulgada, o ex-ministro ficou posicionado numa segunda colocação sem ameaçar seu ex-chefe, Jair Bolsonaro que vence em todos os cenários. Acredite amigo, a margem de erro dessas pesquisas é muito maior. Bolsonaro tem números que a oposição não pode revelar. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização