Pular para o conteúdo principal

PACOTE DE EMERGÊNCIA: SE HOUVER NECESSIDADE COMPROVADA TERÁ EXTRA

foto:divulgação
A Câmara Legislativa começa 2019 com o presidente mais jovem desde a sua fundação, em 1991. Brasiliense, Rafael Cavalcanti Prudente (MDB) tem 35 anos e assume o cargo, nesta terça-feira (1°/1), com o desafio de buscar a unidade da Casa em meio à grande renovação e diversidade partidária: são 19 legendas representadas. Dos 24 parlamentares que integravam a sétima legislatura da CLDF, apenas sete se manterão no posto.


Com uma Câmara contra producente nos últimos anos a jovialidade e energia de Rafael Prudente(MDB) destaca uma discrição e eficiência, haja vista, sua eleição para presidência da CLDF. Sua independência e sua produtividade prevaleçam daqui para frente. Ao que tudo indica vai acontecer diante dos dizeres do deputado em entrevista ao Portal Radar DF.


Diante das dificuldades encontrada pelo governo Ibaneis Rocha(MDB) o mandatário do executivo é obrigado a tomar decisões complexas e não de cunho político somente, mas preponderantemente de Estado e para isso conta com o empenho dos outros poderes em particular do Legislativo que terá a chance de deixar para trás o alto índice de inconstitucionalidades em suas leis propostas e na fiscalização de custo.


PACOTE DE MEDIDAS EMERGÊNCIAS

Em conversa com o Radar, o presidente da Câmara Legislava, Rafael Prudente, afirmou que o governador só falou, mas que não tem conhecimento do conteúdo, da complexidade, bem como dos benefícios que esses projetos trarão para a população para ter a necessidade de uma convocação extraordinária da Câmara Legislativa.

“Se houver a necessidade efetiva, comprovada pelo governo, nós vamos fazer a convocação extraordinária. Agora o governo precisa dizer quais são esses projetos, chamar os deputados para explicar a importância dos conteúdos, os benefícios e o motivo da urgência”, disse Rafael Prudente.

O deputado adiantou que a Câmara está pronta para dar resposta daquilo que a sociedade exige e que for importante para a cidade. Prudente afirmou que a CLDF vai continuar mantendo a sua independência, mas que optará sempre pelo diálogo e pela harmonia com o Executivo.

“Vamos demonstrar isso, mas o governo terá que dá transparência naquilo que pretende fazer”, afirmou, sinalizando a total independência do legislativo.

O deputado avaliou que neste primeiro ano de governo, haverá uma exigência enorme da sociedade em torno dos investimentos para que os empresários possam gerar empregos, bem como exigirá uma melhor política de Segurança Pública e que a Saúde e a Educação sejam melhoradas.
“Sinto que há muita vontade política do governador Ibaneis e muita  vontade de trabalhar para restaurar o Distrito Federal e devolver a esperança do povo. Sou do mesmo partido dele e conheço as diretrizes do programa de governo. Mas estaremos na Câmara Legislativa como fiscal do governo, cobrando transparência para que seja entregue aquilo que prometeu durante o período eleitoral. Por seu turno a sociedade também vai cobrar o mesmo de cada deputado distrital. Os serviços públicos têm que melhorar  na nossa cidade”, disse Rafael Prudente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Notícias do Planalto Central

Simbologia  A imagem (foto) marcante e mais simbólica da semana foi sem dúvida nenhuma a do governador Ibaneis Rocha na Ceilândia cercado de políticos "peso pesados" da Capital. Ladeado de Flávia Arruda (PL) o encontro sinaliza para uma aliança sólida neste ano de 2022.  'Puliça' O encontro de Ibaneis foi no reduto mais cobiçado da Capital, a Ceilândia (maior colégio eleitoral do DF), onde a foto fala mais do que qualquer palavra. O anfitrião,   o delegado Fernando Fernandes estava com sorriso de orelha a orelha com apoio e prestígio. O delegado deverá se filiar ao partido Republicanos com a benção de Ibaneis.  Volta à Cena O empresário e ex-senador  Luiz Estevão que agora goza de liberdade volta aos pouquinhos à cena política e parece já influenciar definitivamente alguns poucos  políticos da Capital, principalmente os distritais. Luiz tem política nas veias e participou discretamente de algumas "confras" ao lado da esposa Cleucy.   Decisão Fraga erra na tá

Coluna: Notícias do Planalto Central

Ex-governador Rollemberg Marketing reverso Na última semana de 2021, antes de assumir sua candidatura a deputado federal o ex-governador Rodrigo Rollemberg publicou um vídeo em que dizia do quanto dá trabalho cuidar das suas bezerrinhas. Fico imaginando o quanto é trabalhoso cuidar do seu curral eleitoral . Em tempo: no vídeo o político aparece todo sujo de esterco. Carnaval Atendendo a oração de muitos e mais ainda ao avanço de uma outra onda do vírus chinês o governador Ibaneis Rocha(MDB) cancelou o Carnaval de rua no DF. Ontem o vice Paco Britto anunciou não descartar um novo lockdown. "Saúde acima de tudo!"   Evangélicos Viver um paradoxo real é também ato de fé, na proporção em que a falta de Carnaval faz mal ao comércio e ao turismo da cidade, a pandemia do vírus chinês também faz mal à população deixando um rastro de pobreza (desemprego) e morte . O discurso dos evangélicos com referência ao fechamento das igrejas precisa encontrar um ponto de convergência ou

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as