Pular para o conteúdo principal

SENADO FEDERAL EM TRÊS ATOS - SEGUNDO ATO - UM TRATOR CHAMADO IZALCI LUCAS


Diplomado nesta terça-feira(18) Izalci Lucas(PSDB) é uma grata surpresa no Senado Federal. 

A frase abaixo é do deputado distrital eleito Hermeto (PHS) em entrevista no programa Conectado ao Poder do último sábado, para ilustrar o compromisso  do senador com a vida pública.



Izalci vai até em enterro de cachorro!


De uma acessibilidade inigualável o deputado federal tucano mais atuante do DF, fo oi único deputado federal do DF a ser promovido pelas urnas saindo da Câmara dos Deputado para o Senado Federal.

O tucano mostrou, em dois mandatos, que existe um jeito eficaz de fazer política. Com poucos recursos e poucos aliados, Izalci ficou em segundo lugar na disputa ao Senado Federal e conseguiu uma das cadeiras para representar o DF na chamada Câmara Alta a partir de 2019, com mais de 403.735 mil votos.

O agora senador trabalhou nos últimos três anos arduamente para ser o titular do Palácio do Buriti, mas enfrentou inúmeros adversários, inimigos e até "traíras".No dia do lançamento da pré-candidatura ao GDF, por exemplo, Izalci teve inquérito remetido à 1ª instância, venceu todos os percalços impostos pelas circunstâncias adversas e venceu.


Às vesperas do registro definitivo para as eleições de 2018 o senador foi traído pelo grupo de Rogério Rosso e Cristóvão Buarque, que havia jurado apoiar Lucas para  cabeça de chapa ao GDF, mas lançaram Rosso numa manobra nem um pouco ética. Curioso que a partir de primeiro de janeiro de 2019 ambos estarão sem mandato, observem o castigo!

Desemprego e oposição ao GDF

Foto:Hamilton-Silva
Numa entrevista concedida ao jornalista Ricardo Noronha(do programa SOS Brasília) neste domingo(16), Izalci demonstrou profunda preocupação com o desemprego, em particular dos jovens, no distrito federal e se colocou a disposição do governador eleito de Brasília, Ibaneis Rocha (MDB) para resolver os problemas graves que assolam a cidade e citou a questão da guerra fiscal que retirou da cidade, empresas que movimentavam a nossa economia.
O senador Eleito irá contribuir com Brasília independente de participar com indicações
no governo de Ibaneis Rocha.

PSDB LOCAL

Muito desgastada, a sigla terá tratamento especial em sua retomada de crescimento para da sustentação aos anseios futuros dos tucanos brasilienses e até no Brasil.

A vitória na batalha interna contra a fundadora tucana Maria de Lourdes Abadia e sua turma foi muito importante para o tucano sedimentar seu protagonismo na corrida eleitoral, mas principalmente na reorganização do Partido na capital federal.

Essa foi outra batalha sanguinolenta que o deputado federal travou e  venceu com muita coragem e força. O tucano não ficou em cima do muro e  separou o joio do trigo posicionando os tucanos na oposição aos socialistas. Reconstruir não parece incomodar o futuro senador.

No Senado Federal Izalci poderá fazer ainda mais

Com uma nova missão que é o Senado e que representa o Estado, Izalci Lucas (presidente do PSDB-DF), venceu guerras homéricas no período pré-eleitoral o que denota uma veia dos nobres guerreiros medievais. Terá que dar manutenção nas centenas de ações na Câmara dos Deputados e ainda trabalhar em novas ações no Senado.

Dificil resumir a biografia do senador, toda via segue um breve relato de sua atuação na Câmara dos Deputados onde deixou um rastro de muito trabalho.

Izalci entrou na vida política em 1998, quando se candidatou a deputado distrital pelo PSDB e assumiu a primeira suplência. Nas eleições seguintes, disputou novamente uma vaga na Câmara Legislativa, elegeu-se pelo PFL, atual DEM, mas licenciou-se do cargo para tornar-se titular na Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia. Em 2006, ficou na primeira suplência do cargo de deputado federal e, em 2007, voltou a assumir a Secretaria de Ciência e Tecnologia. Nas eleições de 2010 e 2014, elegeu-se como deputado federal.

O senador eleito também passou pela presidência dos sindicatos dos Contadores e dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do DF. Enquanto ainda era líder sindical, criou o Cheque-Educação, programa que permitia a destinação de vagas ociosas nas escolas particulares para estudantes de baixa renda, beneficiando mais de 100 mil pessoas. 

Na vida política, foi um dos autores da Emenda Constitucional (EC) nº 95, cujo principal objetivo é impulsionar a pesquisa nacional e a criação de soluções tecnológicas para aplicação no setor produtivo.

Foto: divulgação
Além disso, presidiu a comissão de aprovação do Marco Regulatório de Ciência, Tecnologia e Inovação, a comissão mista que ampliou o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) e apresentou o projeto de lei que inclui entre as diretrizes e bases da educação nacional o Programa Escola sem Partido.

Izalci também presidiu, e foi um dos principais articuladores, da Comissão Mista que regularizou terras das União em áreas urbanas e rurais em todo o Brasil. Foi também o relator da Comissão Mista que aprovou a Reforma do Ensino Médio.

Izalci foi considerado, por todos os institutos, o melhor parlamentar do Distrito Federal no Congresso nos itens quatro anos. Além disso, esteve sempre entre os 20 Melhores do Brasil.

Em relação a votações de repercussão nacional, Izalci se manifestou favoravelmente ao impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Teto dos Gastos Públicos e à Reforma Trabalhista.

Atualmente, é titular em 10 comissões, incluindo a de Educação e o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados.

Durante a campanha ao Senado, Izalci prometeu usar as experiências como contador e auditor para captar verbas e investir na infraestrutura da capital federal. O tucano declarou que os primeiros projetos a apresentar priorizarão as reformas política, previdenciária e tributária e que falta gestão sobre o uso do Fundo Constitucional para segurança, saúde e educação.

Izalci parece incansável na luta pela de melhoria da cidade. Surpresa boa no Senado Federal.

veja a posição do político 
RANKING DOS POLÍTICOS

,

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.