Pular para o conteúdo principal

MULHERES AMARELAS

FOTO: DIVULGAÇÃO


Há trinta anos a saudosa jornalista Consuelo Nasser, uma das líderes feminista mais brilhante do país, escreveu um artigo que viralizou na época, intitulado “Mulheres Amarelas”.


Hoje volto ao mesmo assunto, numa época libertária, onde as mulheres já se livraram quase que por completo da maior escravidão que as assolava, a independência financeira. Estudadas ou não estão no mercado de trabalho, o que as impulsionam é o desejo de crescer e cuidar da família.
São a maioria nas universidades, até nos cursos de medicina e engenharia já são encontradas em números bem expressivos. Nós somos questionadoras, queremos entender o porquê, para que e como fazer e ainda temos coragem, cremos no que fazemos e lutamos pelo que queremos.
Em 1987, quando era presidente do PMDB Mulher de Goiás, que organizei em todo estado, o Santillo, governador eleito, na distribuição de cargos, para atender minha reivindicação de ter uma mulher no primeiro escalão, pediu-me que lhe desse o nome de uma geóloga para assumir a Secretaria de Minas e Energia e eu não tinha… Sorridente ele me desafiou dizendo que nós não tínhamos quadros e me ofereceu, como provocação, a Presidência do Sistema Penitenciário do Estado de Goiás, mas eu tinha um nome, o da nobre advogada, professora emérita de Direito Penal Dra. Marilene Viggiano. Foi assim que uma mulher assumiu este posto historicamente masculino, pela primeira vez no Brasil.
FOTO: DIVULGAÇÃOCom o passar dos tempos descobri que avançamos muito, no que dependia de nós, mas estamos muito aquém na distribuição do poder político, ele continua nas mãos dos homens e quando as mulheres assumem elas passam a serem, em sua grande maioria, Mulheres Amarelas.
Amarelam de medo de perder o poder, o cargo que têm, medo de não dar conta, de errar, de ser criticada e o pior é que tem medo de lutar por outras mulheres e se acovardam e se calam, em vez de se unirem e fazerem uma grande corrente a favor da educação, saúde, emprego, família e distribuição igualitária do poder para as mulheres, e então passam a ser massa de manobra nas mãos experientes do poder masculino.
As Mulheres Amarelas estão em todas as ideologias, e neste momento onde os generais estão presentes e muitos ainda são resistentes ao comando de uma pasta por uma mulher, quero fazer uma advertência a todas as mulheres do país, profissionais liberais, empregadas, donas de casa, autônomas, de todas as crenças e raças: “O que nos une é muito maior do que o que nos separa”. Juntem-se, apoiem as mulheres que tem projetos de melhorias para a nação, sejam um eco de ressonância delas, sei que muitos vão criticá-las porque têm medo do nosso crescimento, afinal somos a metade da população do país, mas nós temos que estar presentes para aplaudi-las.
Quero deixar um lembrete para as politicas estreantes e para as que já foram e as que ainda estão nesta difícil caminhada: “Não se transformem em Mulheres Amarelas”, saibam dizer não à corrupção, aos partidos políticos, aos projetos contra a população e apoiem outras mulheres a subirem no poder, mas nunca amarelem de medo, perdendo o “time” da história.

Administradora pública, pós graduada em Administração de Serviços de Saúde, Especialista em Terceiro Setor, foi Diretora da Fundação de Promoção Social e Secretária da Mulher do Estado de Goiás, liderando organizações de mulheres em movimentos classistas e políticos. Conhecimento notório em política, ética e ações sociais. É compromissada com os direitos fundamentais e acredita ser essa a chave para o sucesso do Brasil.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Notícias do Planalto Central

Simbologia  A imagem (foto) marcante e mais simbólica da semana foi sem dúvida nenhuma a do governador Ibaneis Rocha na Ceilândia cercado de políticos "peso pesados" da Capital. Ladeado de Flávia Arruda (PL) o encontro sinaliza para uma aliança sólida neste ano de 2022.  'Puliça' O encontro de Ibaneis foi no reduto mais cobiçado da Capital, a Ceilândia (maior colégio eleitoral do DF), onde a foto fala mais do que qualquer palavra. O anfitrião,   o delegado Fernando Fernandes estava com sorriso de orelha a orelha com apoio e prestígio. O delegado deverá se filiar ao partido Republicanos com a benção de Ibaneis.  Volta à Cena O empresário e ex-senador  Luiz Estevão que agora goza de liberdade volta aos pouquinhos à cena política e parece já influenciar definitivamente alguns poucos  políticos da Capital, principalmente os distritais. Luiz tem política nas veias e participou discretamente de algumas "confras" ao lado da esposa Cleucy.   Decisão Fraga erra na tá

Coluna: Notícias do Planalto Central

Ex-governador Rollemberg Marketing reverso Na última semana de 2021, antes de assumir sua candidatura a deputado federal o ex-governador Rodrigo Rollemberg publicou um vídeo em que dizia do quanto dá trabalho cuidar das suas bezerrinhas. Fico imaginando o quanto é trabalhoso cuidar do seu curral eleitoral . Em tempo: no vídeo o político aparece todo sujo de esterco. Carnaval Atendendo a oração de muitos e mais ainda ao avanço de uma outra onda do vírus chinês o governador Ibaneis Rocha(MDB) cancelou o Carnaval de rua no DF. Ontem o vice Paco Britto anunciou não descartar um novo lockdown. "Saúde acima de tudo!"   Evangélicos Viver um paradoxo real é também ato de fé, na proporção em que a falta de Carnaval faz mal ao comércio e ao turismo da cidade, a pandemia do vírus chinês também faz mal à população deixando um rastro de pobreza (desemprego) e morte . O discurso dos evangélicos com referência ao fechamento das igrejas precisa encontrar um ponto de convergência ou

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as