Pular para o conteúdo principal

COM BAIXO DESEMPENHO A CLDF TEM O DEVER DE ELEGER UM PRESIDENTE FORTE

A pressão social se dá através de projeto "Câmara+Barata" dentre outros e a colheita de assinaturas  para a apresentação de um projeto de lei de iniciativa popular (Plip) que acaba com a verba indenizatória.


Com leis inconstitucionais, excesso de homenagens e baixa produtividade, a Câmara Legislativa do Distrito Federal necessita de uma mesa forte e com expressão junto ao Executivo, ou seja, de uma parceria com Secretarias estratégicas do GDF, mas mantendo sua autonomia política.

Mas como isso é possível?
O FRACO desempenho do Governo que sai, teve seu auge produtivo quando, em parceira com a CLDF, uniram esforços em prol da sociedade e  aprovaram algumas matérias importantes.

Não há, felizmente,  ação com eficácia nas atribuições da Câmara sem o debate com a sociedade e muito menos com o Executivo local, mas isso não quer dizer uma interferência naquela Casa Legislativa por parte dos outros poderes, Executivo e judiciário.

O fraco desempenho se dá, por um lado, quando elegem, para a presidência da CLDF,um deputado sem projeto ou sem compromisso de fortalecimento da instituição, ou seja, limitando-se em contemplar anseios clientelistas e corporativos.

A CLDF tem seu papel na democracia candanga e carece de um projeto macro fortalecendo seu pepel enquanto capital federal e missão administrativa, abrigando diversas autoridades nacional e mundiais. Isso corrobora para elaboração de uma legislação tributária (Ibaneis vai reduzir impostos aos níveis de 2013) mais eficiente e que atenda os moradores de nossa cidade, melhoria no relacionamento e interface com o contribuinte (comunicação) e ainda um protagonismo no debate de soluções imediatas para soluções que deprimem nossa economia objetivando a diminuicao dos altos índices de desemprego.

Observem todos; quem arregimentou mais votos, quem teve sua votação diminuída e quem não foi eleito. Na Câmara dos Deputados e no Senado Federal, os partidos que têm a maior bancada geralmente ocupam a presidência das duas casas. Como seis legendas empataram na quantidade de parlamentares eleitos na CLDF, o critério de desempate é a quantidade de votos. Sendo assim, caso a regra de representatividade seja colocada em prática, o PRB deve ocupar a presidência do Legislativo local. Todavia o MDB, tem se demonstrado forte nas articulações para encampar uma candidatura vencedora. 
 
Isto posto, e com o adiantar das articulações para eleição da mesa, cabe salientar que os deputados de primeiro mandato terão papel preponderante junto ao processo eleitoral escolhendo um deputado experiente, conhecedor do Regimento Interno e dos processos de discussão dos temas prioritários e relevantes, com acesso ao gabinete do governador eleito. Os partidos políticos ali representados cabe decifrar o recado dado nas urnas, mais que isso, honrar a confiança depositada pelos eleitores que passam uma procuração para os eleitos os quais deverão agir como os eleitores agiriam.

Para fechar esta reflexão, muitos dos rumos da cidade deverão trilhar uma rota sem contra tempos no qua diz respeito ao projeto de alcar nossa economia e serviços públicos aos patamares que a cidade merece, o da excelência.


Hamilton Silva é jornalista (DRT-11.815) e além de servidor público é diretor da Associação Brasiliense dos Blogueiros de Política


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.