Pular para o conteúdo principal

NOTICIAS DO PLANALTO CENTRAL; OS BASTIDORES DA POLITICA DE BRASÍLIA, FRENETICAMENTE SE IMPÕEM


Por aqui a seca já passou faz tempo, a poeira e racionamento d'água deram lugar à lama e a buracos no asfalto que me remete aos vazios econômicos deixado nas contas do GDF.

A pouco mais de um mês de mudarmos definitivamente a história da capital, ainda tenho receio de expressar minhas angústias e análises sobre a capital, nem parece que vivo numa democracia. Tudo isso devido aos clamores socialistas paraestatais.

Aqui o babado é o movimento nos órgãos de governo para posse das novas autoridades públicas que resultaram em muito trabalho e articulação politica por parte do governador eleito. As eleições da OAB, que ocorrem amanhã está freneticamente agitada nos fazendo lembrar das acirradas eleições gerais desse ano, inclusive o baixo nível.

O governador que sai já protagoniza no ostracismo e já figura o passado. Com ele sai muita desesperança e imobilismo governamental. Sai também alguns acadêmicos que fracassaram na difícil missão de tirar o DF do fundo do posso.

A esperança não está numa situação somente, mas no conjunto delas, o ambiente já mudou, está mais leve e receptivo. A Câmara Legislativa do Distrito Federal se renovou e pode protagonizar ventos de prosperidade para o Plano Alto.

Dizem as más línguas e a diplomacia confirma que um vigésimo quinto distrital não pega bem para ninguém. Influências externas ferem a autonomia de qualquer legislativo. O lobby nunca foi reconhecido legalmente devido aos males que podem proporcionar ao poder público.

Apesar dos tempos difíceis os fatos recentes: saída de muitos chegada de outros tantos me leva a crer na grandeza da força do trabalho e no poder de empreender de nosso povo.

Há por parte do governador eleito muita sensibilidade para com os menos assistidos e uma mescla de gestores por ele escolhido, que pode resultar em excelentes políticas públicas, resta saber se a LRF vai deixar ou se a bengala vai prevalecer. Não podemos esquecer a dificuldade em escolher os titulares das pastas da saúde e transportes, por exemplo. Isso denota o grau de complexidade numa escolha com tantas variáveis a serem analisadas, o governador eleito tem-se utilizado de todo tempo da transição disponível para essas escolhas conectado com a assertividade.

A onda Ibaneis veio pra ficar deixando a sensação de ser um "novo Roriz", pós-moderno, claro.

Caro amigo leitor, muitas movimentações de bastidores estão ocorrendo, mas a prudência e compromisso com a ética nos faz ignorar muitas fofocas e boataria. Temos compromisso com a informação e refutamos a especulação.
Até a próxima.

Hamilton Silva é jornalista com DRT 11.815

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.