Pular para o conteúdo principal

DELMASSO DIZ QUE CLDF CUSTA R$0,42 POR DIA


FOTO:INTERNET

Da tribuna da CLDF o deputado distrital Rodrigo Delmasso(PRB) fez um discurso e apresentou, nesta terça-feira(13) um estudo comparativo com outros Estados da federação que demonstram o baixo custo de investimento dos eleitores para com os Poderes Legislativos. 



O deputado reforçou que a ótica de quem investe é que deve prevalecer. O distrital fez as contas na ótica do contribuinte que o chamou de Investidor do Poder Legislativo.


"Nós deputados distritais  exercemos uma função híbrida, nós somos deputados estaduais e também somos vereadores... porque nós somos a única unidade da federação que não tem divisão em municipios"

O deputado fez  comparativo com os seguintes Estados da tabela abaixo,  levando em consideração os custos dos poderes municipais e estaduais, já que em Brasília não tem vereadores e os parlamentares distritais exercem as mesmas atividades.

  Delmasso reuniu quatro estados, com a mesma quantidade de deputados do Distrito Federal - 24- e dividiu o orçamento de cada Poder pela população de cada estado. Valor Nominal.



ESTADO
QUANTIDADE DE DEPUTADOS
ORÇAMENTO ANUAL DE CADA ESTADO NO PODER LEGISLATIVO
INVESTIMENTO POR PESSOA
Por ano
INVESTIMENTO POR PESSOA
Por mês
INVESTIMENTO POR PESSOA
Por dia
AMAPÁ
24
R$283 milhões
341,00
28,40
0,94
RORAIMA
24
R$245 milhões
426,00
35,00
1,18
RONDÔNIA
24
R$274 milhões
156,00
13,00
0,43
TOCANTINS
24
R$291 millhões
187,50
15,60
0,52
DISTRITO FEDERAL
24
R$452 milhões
152,13
12,67
0,42
fonte: deputado Rodrigo Delmasso em discurso no plenário em 13 de novembro de 2018


Apesar do deputado comparar com Estados do norte brasileiro, onde  realidade é diferente da vivida por nós  a comparação com parlamentos que produzem o suficiente para manutenção as instituições em funcionamento é legitima e objeto de reflexão aos distritais, haja vista, que o Poder Legislativo não pode ser diminuído, ressaltou o deputado. 

Por: Hamilton Silva


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

Economia - Função de Oferta

FUNÇÃO DE OFERTA  PODE-SE CONCEITUAR OFERTA COMO SENDO AS VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM, OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO EM FUNÇÃO DE PREÇO (Px). Seja os dados abaixo uma escala de oferta PREÇO (Px) QUANTIDADE OFERTADA (x) 1,00 1.000 3,00 3.000 6,00 6.000 8,00 8.000 10,00 10.000 OUTRAS VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA X= OFERTA Px= Preço do bem ofertado Pi = Preço de Insumos (fatores de produção); T = Tecnologia  X =f (Pi)  à X=f (Px, Pi,T) EQUILIBRIO DE MERCADO A lei da oferta e demanda (procura): Tendência de Equlibrio Pts. PREÇO (Px) PROCURA OFERTA SITUAÇÃO DE MERCADO A 1000 11000 11000 Excesso de demanda (escassez oferta) B 3000 9000 3000 Excesso de demanda (escassez de oferta) C 6000