Pular para o conteúdo principal

BOLSONARO PRESIDENTE, IBANEIS GOVERNADOR E O AMBIENTE HOSTIL QUE OS ESPERA



Faltando doze dias para o FIM da votação no segundo turno já se pode arriscar um palpite assertivo,se é que isso existe, que os vencedores estão definidos por associação às pesquisas, mas principalmente pela sensibilidade que o comportamento dos eleitores sinalizam.


Ibaneis Rocha(MDB) vence em Brasília e Bolsonaro (PSL) vence no Brasil. Sem querer adivinhar ou exercitar o sentimento do já ganhou antecipado, é preciso projetar o cenário dos vitoriosos e também dos derrotados (SE FIRMARÃO NA OPOSIÇÃO EM SU GRANDE MAIORIA), para que um planejamento positivo reforce os governos vitoriosos no âmbito federal e local.

Jair Bolsonaro terá pela frente um país  devastado economicamente, mas terá desafios ainda maior na condução de uma mudança de hábitos e costumes. A confiança de investidores será retomada pela estabilidade política e pelas promessas de campanha, algumas, aprovadas pelo Congresso Nacional.

Na pesquisa divulga ontem consolida o Jair Bolsonaro em primeiro lugar e enterra de vez as chances do PT voltar ao poder. Matematicamente ainda existe uma chance, todavia a rejeição de Fernando Haddad é muito superior ao de Bolsonaro.


O Distrito Federal terá um governo do MDB com um presidente do PSL. O general Paulo Chagas já se posiciona balizado em 110.973 votos. 


Devastação ainda maior está no Distrito Federal onde Ibaneis Rocha enfrentará  um desafio não muito diferente do presidente eleito. Com conteúdo assertivos e direcionados,  o candidato ao Buriti deverá estabelecer diálogos com segmentos sociais e econômicos abandonados pelo atual governador e firmar um pacto com o legislativo local com vistas a aprovar medidas que podem levar o DF à novos horizontes.


Com necessidade em  responder rapidamente as demandas políticas e econômicas, o GDF deverá discutir com o funcionalismo uma forma de resolver o passivo trabalhista herdado logo no primeiro ano sob pena de sua popularidade se dissolver.

O meu feeling eleva os números de Ibaneis acima de 80% nas próximas pesquisas. Já nas pesquisas de hoje do Correio Braziliense o emedebista aparece com 75,3%.

No âmbito federal, a oposição será sistemática, judicializada e feroz. Aqui no planalto central a oposição parece vestir farda na figura do quarto colocado na corrida eleitoral. 

O que resta saber é se os dois eleitos irão realizar suas promessas na medida das expectativas. Mas primordialmente entender a colcha de aliados  ser montada para abarcar a poderosa máquina governamental. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Notícias do Planalto Central

Simbologia  A imagem (foto) marcante e mais simbólica da semana foi sem dúvida nenhuma a do governador Ibaneis Rocha na Ceilândia cercado de políticos "peso pesados" da Capital. Ladeado de Flávia Arruda (PL) o encontro sinaliza para uma aliança sólida neste ano de 2022.  'Puliça' O encontro de Ibaneis foi no reduto mais cobiçado da Capital, a Ceilândia (maior colégio eleitoral do DF), onde a foto fala mais do que qualquer palavra. O anfitrião,   o delegado Fernando Fernandes estava com sorriso de orelha a orelha com apoio e prestígio. O delegado deverá se filiar ao partido Republicanos com a benção de Ibaneis.  Volta à Cena O empresário e ex-senador  Luiz Estevão que agora goza de liberdade volta aos pouquinhos à cena política e parece já influenciar definitivamente alguns poucos  políticos da Capital, principalmente os distritais. Luiz tem política nas veias e participou discretamente de algumas "confras" ao lado da esposa Cleucy.   Decisão Fraga erra na tá

Coluna: Notícias do Planalto Central

Ex-governador Rollemberg Marketing reverso Na última semana de 2021, antes de assumir sua candidatura a deputado federal o ex-governador Rodrigo Rollemberg publicou um vídeo em que dizia do quanto dá trabalho cuidar das suas bezerrinhas. Fico imaginando o quanto é trabalhoso cuidar do seu curral eleitoral . Em tempo: no vídeo o político aparece todo sujo de esterco. Carnaval Atendendo a oração de muitos e mais ainda ao avanço de uma outra onda do vírus chinês o governador Ibaneis Rocha(MDB) cancelou o Carnaval de rua no DF. Ontem o vice Paco Britto anunciou não descartar um novo lockdown. "Saúde acima de tudo!"   Evangélicos Viver um paradoxo real é também ato de fé, na proporção em que a falta de Carnaval faz mal ao comércio e ao turismo da cidade, a pandemia do vírus chinês também faz mal à população deixando um rastro de pobreza (desemprego) e morte . O discurso dos evangélicos com referência ao fechamento das igrejas precisa encontrar um ponto de convergência ou

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as