Pular para o conteúdo principal

O CARA QUE TENTOU CONTRA O ESTADO NÃO É LOUCO

FOTO: INTERNET




Por: Hamilton Silva

Já sabemos qual será a tese da defesa; o tal louco que tentou contra a vida do presidenciável Jair Bolsonaro(PSL) não é louco, nem aqui nem na China. O tal Adélio Bispo foi filiado a um partido de esquerda por sete anos, o cara tem curso superior e saiu de sua residencia viajou duzentos quilômetros para concretizar sua "missão", segundo ele ordenado por deus. Deus tem andado tão ocupado que agora mandou mandar o secretário.  

Não compreendo como as autoridades policiais deixam essas ameaças acontecerem.

Assim como no caso da vereadora do Rio de Janeiro o crime (tentativa de homicídio) é político sim, as motivações são políticas e a tentativa de traçar um perfil doentio do figura já denota a tese do advogado porta de cadeia. Ah, mas claro que todos tem o direito de defesa. Sim isto é um dos princípios da democracia.

A mesma democracia que criminoso fere com uma estocada somente, a mesma estocada que fere o Estado e afronta os milhões de eleitores simpatizantes do candidato Bolsonaro. Não há conexões do meliante com outros partidos políticos porque o mesmo  ainda ter conexões ideológicas com sua antiga legenda.

Existia em práticas de terrorismo (quando eu era dos segmentos de esquerda) o desligamento preventivo do segmento partidário para preservação da entidade quando o tal individuo era destacado para esses tipos de missões de alta complexidade. Já há indícios de que havia no local outras duas pessoas (um casal) que passaram a arma do crime. Daí mais uma qualificadora. Vejamos se haverá julgamento justo para aquele que coloca em seu perfil do facebook uma balança, símbolo da justiçá.

A conjuntura nacional exige MUITA CALMA nessa hora, até porque o eleitor comum, sem ideologia, deseja somente tocar sua vida com dignidade e paz. Não é atoa que os esquerdistas estão enfurecidos com a prisão efetiva do Lula e possível vitória de um capitão do exército, agora no primeiro turno, e "mito" VIVO é inimigo declarado do comunismo. As eleições irão passar e todos vão estar vivos, mas sem amigos?

O Brasil não vive uma crise econômica; O Brasil é extremamente rico em recursos naturais e outros bens, inclusive os de capital, entretanto o grave problema que enfrentamos é uma crise moral que culmina numa crise de confiança. A pergunta que faco é se você fosse um mega milionário você investiria em um país onde a bagunça prevalece?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as