Pular para o conteúdo principal

VAMOS CONVERSAR SOBRE PRODUTIVIDADE

Foto: Internet



A maioria dos nossos especialistas em crescimento do PIB acha que produtividade é produzir mais no mesmo espaço de tempo.


Quanto mais se produzir mais se ganha, inclusive salários.


Marx foi um dos que mais disseminou essa ideia, mas olhando do outro lado, que o trabalhador não estava ganhando tudo o que produzia, a chamada “mais valia”.


Por isso, países que seguem Marx ou Harrod-Domar se esforçam em aumentar a produtividade do trabalhador 5% a 10% ao ano.


São taxas de produtividade elevadas, a longo prazo estressantes de se conseguir.


Países que seguem Peter Drucker e Michael Porter há muito tempo descobriram a melhor forma possível de aumentar a produtividade.


1000%, já no primeiro ano, sem stress, sem pesados investimentos do BNDES.


Racionalizando, muitas vezes até eliminando a tarefa.


A renda per capita no Brasil poderia ser hoje o dobro se tivéssemos lido menos Marx e Domar e mais Drucker e Porter.


Começando por eliminar o quanto desperdiçamos de tempo, material, tarefas inúteis, controles repetitivos.


No transporte ao trabalho, no preenchimento de informações que o governo não usa, nas escolas aprendendo matérias inúteis, no governo construindo pontes desnecessárias ou comprando vagões que jamais serão usados.


Nossos vendedores brasilienses perdem tempo digitando o CPF do cliente para que o Estado distribua um prêmio no Nota Legal


Tarefa que reduz a produtividade dos caixas e vendedores e reduz, portanto os seus salários..


Que só pensou em quanto o Estado arrecadaria a mais de impostos e não em quanto reduziria a produtividade do setor privado.


Mais um exemplo concreto de como ouvimos as pessoas erradas nesse país e como elas enriquecem o Estado e empobrecem o país.


Leia também





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Notícias do Planalto Central

Simbologia  A imagem (foto) marcante e mais simbólica da semana foi sem dúvida nenhuma a do governador Ibaneis Rocha na Ceilândia cercado de políticos "peso pesados" da Capital. Ladeado de Flávia Arruda (PL) o encontro sinaliza para uma aliança sólida neste ano de 2022.  'Puliça' O encontro de Ibaneis foi no reduto mais cobiçado da Capital, a Ceilândia (maior colégio eleitoral do DF), onde a foto fala mais do que qualquer palavra. O anfitrião,   o delegado Fernando Fernandes estava com sorriso de orelha a orelha com apoio e prestígio. O delegado deverá se filiar ao partido Republicanos com a benção de Ibaneis.  Volta à Cena O empresário e ex-senador  Luiz Estevão que agora goza de liberdade volta aos pouquinhos à cena política e parece já influenciar definitivamente alguns poucos  políticos da Capital, principalmente os distritais. Luiz tem política nas veias e participou discretamente de algumas "confras" ao lado da esposa Cleucy.   Decisão Fraga erra na tá

Coluna: Notícias do Planalto Central

Ex-governador Rollemberg Marketing reverso Na última semana de 2021, antes de assumir sua candidatura a deputado federal o ex-governador Rodrigo Rollemberg publicou um vídeo em que dizia do quanto dá trabalho cuidar das suas bezerrinhas. Fico imaginando o quanto é trabalhoso cuidar do seu curral eleitoral . Em tempo: no vídeo o político aparece todo sujo de esterco. Carnaval Atendendo a oração de muitos e mais ainda ao avanço de uma outra onda do vírus chinês o governador Ibaneis Rocha(MDB) cancelou o Carnaval de rua no DF. Ontem o vice Paco Britto anunciou não descartar um novo lockdown. "Saúde acima de tudo!"   Evangélicos Viver um paradoxo real é também ato de fé, na proporção em que a falta de Carnaval faz mal ao comércio e ao turismo da cidade, a pandemia do vírus chinês também faz mal à população deixando um rastro de pobreza (desemprego) e morte . O discurso dos evangélicos com referência ao fechamento das igrejas precisa encontrar um ponto de convergência ou

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as