Pular para o conteúdo principal

CODEPLAN PEDE APOIO DA POPULAÇÃO PARA QUE RESPONDA PESQUISA EM DOMICILIO


Foto: Toninho Leite

Codeplan pede apoio da população para
que responda pesquisa em domicílio
 
Traçar o perfil socioeconômico das 31 Regiões Administrativas do Distrito Federal, com dados estatísticos que mostram as características demográficas, carências e prioridades apontadas pela população em cada RA nas áreas de educação, saúde, segurança, transporte, emprego, cultura.
 
Esse é o objetivo da Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios – PDAD 2017/2018 realizada a cada biênio pela Codeplan, que já está na  5ª Edição.  Desde março, pesquisadores do Instituto Euvaldo Lodi - IEL/Fibra - que presta serviços de coleta de dados à Codeplan -, estão em campo realizando o levantamento de dados para a PDAD 2018, prevista para ser divulgada no final do ano.
 
De acordo com o gerente de Pesquisas Socieconômicas da Codeplan, Jusçanio Umbelino de Souza, os dados coletados nessa pesquisa permitem identificar nível de escolaridade, renda per capita, estrutura etária, índice de percepção de segurança, empregabilidade, condições de infraestrutura, e mais um rol de informações fundamentais para entender a dinâmica histórica e evolutiva de cada RA, em separado, e do Distrito Federal como um todo.
 
Os dados da pesquisa ficam disponíveis ao público no site da Codeplan (www.codeplan.df.gov.br) e possibilitam ao GDF a elaboração de políticas públicas, de planejamento urbano, social, econômico e o melhor direcionamento dos recursos, mas também servem de orientação para empresários, empreendedores, prestadores de serviços que pretendam investir no DF, além de manter atualizados o banco de dados estatísticos para consulta de acadêmicos e da sociedade civil.
 
A coleta de dados da 5ª Edição da PDAD 2017/2018, iniciada em março, já concluiu as pesquisas em Samambaia, Recanto das Emas, Riacho Fundo, Candangolândia, Riacho Fundo II, Gama, Santa Maria, Ceilândia, Núcleo Bandeirante, Varjão e Paranoá. Estão em processo de coleta de dados as RAs de Brasília, Sobradinho, Cruzeiro e Brazlândia. Na sequência, o questionário será aplicado nas regiões administrativas restantes. 
 
Mas, segundo o gerente de Pesquisas, para que todo esse trabalho seja realizado de forma consistente, espelhando a realidade das condições de vida dos moradores, de suas moradias e de sua cidade, as informações repassadas aos pesquisadores precisam ser verdadeiras.
 
Ele comentou que os pesquisadores têm encontrado dificuldades para realizar a coleta de dados nas RAs que apresentam maior poder aquisitivo como Lagos Sul e Norte, Sudoeste, Noroeste e Asas Sul e Norte e aproveitou para fazer um apelo a toda a população do DF. “É necessário que o morador dispense alguns minutos de seu tempo. Receber o pesquisador e responder com veracidade às perguntas do questionário é um ato de cidadania.”
 
O gerente de pesquisas da Codeplan salientou ser fundamental que a população receba os pesquisadores e responda ao questionário. “Sem a participação efetiva da sociedade não é possível realizar de forma plena, rápida e precisa a elaboração dessa, pesquisa cujos os dados serão usados em benefícios da própria população”.
 
Para que os moradores se sintam mais seguros quanto à pesquisa, ele enfatizou que os pesquisadores, se apresentam devidamente uniformizados, com colete amarelo, o crachá de identificação e os telefones para contato no Instituto e na Codeplan. A equipe de coleta trabalha de 8h às 20h, de segunda a sábado, podendo por solicitação do morador marcar o horário para o domingo, completou Jusçânio.
 
Para finalizar, o gerente da Codeplan ressaltou que as respostas são sigilosas e tratadas em conjunto. "Não há identificação na base de dados, nem do endereço nem do morador, apenas as informações de interesse técnico de pesquisa”, concluiu.
 
Reportagem: Ana Paula Cortes, da Codeplan
Foto:  Toninho Leite, da Codeplan   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.