Pular para o conteúdo principal

IPTU FOI MENINA DOS OLHOS DA ARRECADAÇÃO EM 2017 PODE NÃO SER EM 2018


A arrecadação do GDF com impostos e taxas cresceu em março pelo terceiro mês consecutivo. O Executivo entrou em 2018 com alta de 13,05% e manteve o aumento, chegando a 3,77% no período analisado, se considerados valores nominais, e 3,68%, descontando a inflação. A base usada é o Índice Nacional de Preços do Consumidor Amplo (IPCA), que atingiu o nível mais baixo para o período nos últimos 24 anos (0,09%), segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Ao todo, o governo arrecadou R$ 1.195.463.727,49 em março de 2018 contra R$ 1.144.972.766,99 no mesmo mês de 2017. A alta foi puxada pelo Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU), que somou R$ 9.249.207,79 neste ano, comparado com R$ 4.017.752,22 do período anterior, representando um crescimento de 130,21%. Já o Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) aumentou 7,97% no período analisado.
“O acréscimo no IPTU decorre do trabalho de geoprocessamento, atualização de metragem e correção dos problemas que identificamos”, afirmou o secretário de Fazenda do DF, Wilson de Paula. Para ele, as medidas tomadas ainda terão reflexo nos próximos meses. “Conseguimos um resultado muito bom, sem aumento de qualquer carga tributária. Intensificamos a cobrança administrativa, informamos a necessidade de corrigir divergências, demos prazo para o pagamento e estamos colhendo os frutos”, acrescentou.
Perspectiva
A arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) cresceu 5,7% no trimestre e 1,39% em março. “Isso é reflexo da movimentação de fevereiro. Tivemos Carnaval, é um mês atípico, as pessoas viajam. Mesmo assim, os resultados são positivos. Esperamos ainda melhoras para o quadrimestre”, disse Wilson de Paula.

O ICMS é o imposto mais significativo para a arrecadação. Em março de 2017, foram R$ 586,9 milhões. Neste ano, aumentou para R$ 595 milhões, segundo dados preliminares do Sistema Integrado de Gestão Governamental (Siggo).
Já o Imposto sobre Imposto sobre Serviços (ISS) teve diminuição de 2,22%, em março. O resultado, segundo o secretário de Fazenda, ocorreu devido a uma divergência na lei que mudou a cobrança da tributação para planos de saúde e atividades financeiras. “A expectativa era boa, mas existem alguns entendimentos jurídicos que provocaram a queda. Além disso, toda vez que uma lei muda precisamos respeitar o prazo de 90 dias para iniciar as cobranças”, disse.
Trimestre
A arrecadação no primeiro trimestre chegou a um acumulado de R$ 3,8 bilhões, o que representa um crescimento de 6,03%. “Estamos mantendo a nossa previsão de 6%. Com esse aumento, conseguimos buscar o zero a zero. Todo nosso avanço é em busca do equilíbrio”, completou Wilson de Paula. Segundo ele, a previsão de déficit no orçamento de 2018 ainda é de R$ 880 milhões. “A ansiedade dos fornecedores está mais arrefecida, estamos pagando as dívidas, mas ainda temos um caminho para fechar o ano sem déficit”, disse.

Confira os valores em março de 2018:
Arrecadação total com impostos e taxas*
R$ 1,1 bilhão
Alta de 6,03%
ICMS
R$ 595 milhões
Alta de 1,39%
IPVA
R$ 138,7 milhões
Alta de 7,97%
IPTU
R$ 9,2 milhões
Alta de 130,21%
ISS
R$ 128 milhões
Queda de 2,21%


*Percentuais em valores nominais, sem o desconto da inflação
POR: Manoela Alcantara do Metrópoles


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Notícias do Planalto Central

Simbologia  A imagem (foto) marcante e mais simbólica da semana foi sem dúvida nenhuma a do governador Ibaneis Rocha na Ceilândia cercado de políticos "peso pesados" da Capital. Ladeado de Flávia Arruda (PL) o encontro sinaliza para uma aliança sólida neste ano de 2022.  'Puliça' O encontro de Ibaneis foi no reduto mais cobiçado da Capital, a Ceilândia (maior colégio eleitoral do DF), onde a foto fala mais do que qualquer palavra. O anfitrião,   o delegado Fernando Fernandes estava com sorriso de orelha a orelha com apoio e prestígio. O delegado deverá se filiar ao partido Republicanos com a benção de Ibaneis.  Volta à Cena O empresário e ex-senador  Luiz Estevão que agora goza de liberdade volta aos pouquinhos à cena política e parece já influenciar definitivamente alguns poucos  políticos da Capital, principalmente os distritais. Luiz tem política nas veias e participou discretamente de algumas "confras" ao lado da esposa Cleucy.   Decisão Fraga erra na tá

Coluna: Notícias do Planalto Central

Ex-governador Rollemberg Marketing reverso Na última semana de 2021, antes de assumir sua candidatura a deputado federal o ex-governador Rodrigo Rollemberg publicou um vídeo em que dizia do quanto dá trabalho cuidar das suas bezerrinhas. Fico imaginando o quanto é trabalhoso cuidar do seu curral eleitoral . Em tempo: no vídeo o político aparece todo sujo de esterco. Carnaval Atendendo a oração de muitos e mais ainda ao avanço de uma outra onda do vírus chinês o governador Ibaneis Rocha(MDB) cancelou o Carnaval de rua no DF. Ontem o vice Paco Britto anunciou não descartar um novo lockdown. "Saúde acima de tudo!"   Evangélicos Viver um paradoxo real é também ato de fé, na proporção em que a falta de Carnaval faz mal ao comércio e ao turismo da cidade, a pandemia do vírus chinês também faz mal à população deixando um rastro de pobreza (desemprego) e morte . O discurso dos evangélicos com referência ao fechamento das igrejas precisa encontrar um ponto de convergência ou

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as