Pular para o conteúdo principal

A INFLUÊNCIA DAS REDES SOCIAIS NAS ELEIÇÕES DE 2018

divulgação

Por Sandro Gianelli
Muitos clientes, pré-candidatos ou candidatos a reeleição me perguntam sobre as redes sociais na campanha eleitoral de 2018. Alguns afirmam que o principal meio de comunicação desta eleição serão as redes sociais. Outros duvidam que elas possam resultar em votos. Tem político que jura que foi eleito em outras eleições usando apenas as redes sociais. E acreditem! Alguns pré-candidatos querem um planejamento de campanha único e exclusivo para as redes sociais, pois afirmam que investirão apenas nessa forma de comunicação no pleito de 2018.
Alguns especialistas afirmam que não se ganha uma campanha nas redes sociais, mas com certeza as redes sociais podem ser um dos principais fatores para a derrota nas urnas.
Vejo as redes sociais como um reflexo de nossas vidas e vou além, nas redes sociais as pessoas não se apegam a vergonha de se expressar em público. Falam o que pensam, sem se importar com o receptor da mensagem. Defendem seus pontos de vista, suas crenças e posicionamento. Debatem assuntos diversos, se unem em defesa de um pensamento e com certeza as redes sociais serão palco de muitas discussões sobre os candidatos, principalmente os majoritários.
Uma das principais redes sociais do momento, o Facebook, é o principal responsável pela mudança da opinião crítica dos cidadãos e desta união em torno de temas específicos, onde os usuários vivem o fenômeno da crítica midiática.
As redes sociais deram as pessoas outra via de acesso à informação, onde a principal característica é a interação. Essa nova forma de informação e interação, traz a tona uma liberdade de expressão que acaba promovendo as mobilizações que questionam o sistema político e os políticos, e sem duvida será muito utilizada para avaliar os novos candidatos.
Uma avaliação é certa. A internet terá papel ativo nas eleições de 2018 e o candidato que souber explorá-la, terá um grande aliado na campanha eleitoral.
Agora vale ressaltar que não adianta estar, apenas presente nas redes sociais. O principal nas redes sociais é o conteúdo, o monitoramento e o relacionamento.

Foto; sandro gianelli

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização