Pular para o conteúdo principal

ANALISTAS TRIBUTÁRIOS SE MOBILIZAM HOJE CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Hamilton Silva

Analistas-Tributários da Receita Federal do Brasil (RFB) participarão de mobilização nacional com operação padrão nesta próxima terça-feira, dia 23 de janeiro, em todo o país. A mobilização dos servidores do cargo é realizada em protesto contra a reforma da Previdência (PEC 287/2016) e reivindica o cumprimento do acordo salarial da categoria que, mesmo aprovado em lei, ainda não foi efetivado integralmente pelo governo.

Durante a mobilização nacional, os Analistas-Tributários aduaneiros farão operação padrão na Zona Primária (portos, aeroportos e postos de fronteira) e vários serviços serão afetados, entre eles os das alfândegas e inspetorias, como despachos de exportação; verificação de mercadorias; trânsito aduaneiro; embarque de suprimentos; operações especiais de vigilância e repressão; verificação física de bagagens, entre outros.

Além disso, em virtude da celebração do Dia Internacional das Aduanas, comemorado no dia 26 de janeiro, a mobilização dos Analistas-Tributários desta terça-feira será reforçada em todas as unidades da Receita Federal que realizam operações de fiscalização e controle aduaneiro, entre elas as unidades de Uruguaiana/RS, Paranaguá/PR, Foz do Iguaçu/PR, Santos/SP, Viracopos/SP, Guarulhos/SP, Galeão/SP e Manaus/AM.

Assinado em março de 2016 e aprovado na forma da Lei nº 13.464, de 10 de julho de 2017, o acordo salarial dos servidores da Carreira Tributária e Aduaneira da Receita Federal, da qual fazem parte os Analistas-Tributários, ainda não foi cumprido integralmente pelo governo. Ainda no âmbito do acordo salarial, os Analistas-Tributários também aguardam a regulamentação das progressões e promoções da Carreira Tributária e Aduaneira – suspensas em setembro do ano passado por decisão do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão.

O presidente do Sindireceita, Geraldo Seixas, ressalta que estes impasses colocam em risco as atividades fundamentais realizadas pelos servidores da Receita Federal, prejudicando os contribuintes e o trabalho de fiscalização e controle aduaneiro no País. “É inadmissível que um acordo salarial, discutido exaustivamente no Congresso Nacional e devidamente sancionado em lei pela Presidência da República, ainda não tenha sido cumprido pelo governo em sua totalidade. A postura do governo coloca em risco a otimização de diversas atividades da Receita Federal, principalmente nas áreas de arrecadação, atendimento aos contribuintes e combate ao contrabando e descaminho. Não entendemos os motivos da demora injustificada num momento em que a sociedade clama pelo combate à corrupção e o Estado brasileiro necessita incrementar a arrecadação para fazer frente às demandas crescentes por saúde, educação e investimento em infraestrutura. A Receita Federal do Brasil é um dos principais atores na retomada do crescimento, mas o órgão está ruindo. Somos a única Carreira Típica de Estado do Executivo Federal que está sendo enrolada. Este é o nosso sentimento! Governos são efêmeros, a Receita Federal do Brasil é órgão essencial e perene. Lutaremos por nossa reconstrução! ”, alerta Geraldo Seixas.

O líder sindical destaca ainda que a mobilização dos Analistas-Tributários está em sintonia com o clamor dos trabalhadores da administração pública, da iniciativa privada e da sociedade civil contra a reforma da Previdência (PEC 287/2016).  “A Previdência Social já perdeu mais de R$ 3 trilhões devido à sonegação de impostos, desvios e dívidas. O governo federal deve envidar esforços para solucionar estes graves problemas, ao invés de defender uma reforma previdenciária que prejudicará o futuro de milhões de brasileiros. O caminho para a superação da crise econômica não pode ser construído a partir da retirada de direitos da população”, destaca o presidente do Sindireceita, Geraldo Seixas.

fonte: SINDIRECEITA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.