Pular para o conteúdo principal

ANALISTAS TRIBUTÁRIOS SE MOBILIZAM HOJE CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Hamilton Silva

Analistas-Tributários da Receita Federal do Brasil (RFB) participarão de mobilização nacional com operação padrão nesta próxima terça-feira, dia 23 de janeiro, em todo o país. A mobilização dos servidores do cargo é realizada em protesto contra a reforma da Previdência (PEC 287/2016) e reivindica o cumprimento do acordo salarial da categoria que, mesmo aprovado em lei, ainda não foi efetivado integralmente pelo governo.

Durante a mobilização nacional, os Analistas-Tributários aduaneiros farão operação padrão na Zona Primária (portos, aeroportos e postos de fronteira) e vários serviços serão afetados, entre eles os das alfândegas e inspetorias, como despachos de exportação; verificação de mercadorias; trânsito aduaneiro; embarque de suprimentos; operações especiais de vigilância e repressão; verificação física de bagagens, entre outros.

Além disso, em virtude da celebração do Dia Internacional das Aduanas, comemorado no dia 26 de janeiro, a mobilização dos Analistas-Tributários desta terça-feira será reforçada em todas as unidades da Receita Federal que realizam operações de fiscalização e controle aduaneiro, entre elas as unidades de Uruguaiana/RS, Paranaguá/PR, Foz do Iguaçu/PR, Santos/SP, Viracopos/SP, Guarulhos/SP, Galeão/SP e Manaus/AM.

Assinado em março de 2016 e aprovado na forma da Lei nº 13.464, de 10 de julho de 2017, o acordo salarial dos servidores da Carreira Tributária e Aduaneira da Receita Federal, da qual fazem parte os Analistas-Tributários, ainda não foi cumprido integralmente pelo governo. Ainda no âmbito do acordo salarial, os Analistas-Tributários também aguardam a regulamentação das progressões e promoções da Carreira Tributária e Aduaneira – suspensas em setembro do ano passado por decisão do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão.

O presidente do Sindireceita, Geraldo Seixas, ressalta que estes impasses colocam em risco as atividades fundamentais realizadas pelos servidores da Receita Federal, prejudicando os contribuintes e o trabalho de fiscalização e controle aduaneiro no País. “É inadmissível que um acordo salarial, discutido exaustivamente no Congresso Nacional e devidamente sancionado em lei pela Presidência da República, ainda não tenha sido cumprido pelo governo em sua totalidade. A postura do governo coloca em risco a otimização de diversas atividades da Receita Federal, principalmente nas áreas de arrecadação, atendimento aos contribuintes e combate ao contrabando e descaminho. Não entendemos os motivos da demora injustificada num momento em que a sociedade clama pelo combate à corrupção e o Estado brasileiro necessita incrementar a arrecadação para fazer frente às demandas crescentes por saúde, educação e investimento em infraestrutura. A Receita Federal do Brasil é um dos principais atores na retomada do crescimento, mas o órgão está ruindo. Somos a única Carreira Típica de Estado do Executivo Federal que está sendo enrolada. Este é o nosso sentimento! Governos são efêmeros, a Receita Federal do Brasil é órgão essencial e perene. Lutaremos por nossa reconstrução! ”, alerta Geraldo Seixas.

O líder sindical destaca ainda que a mobilização dos Analistas-Tributários está em sintonia com o clamor dos trabalhadores da administração pública, da iniciativa privada e da sociedade civil contra a reforma da Previdência (PEC 287/2016).  “A Previdência Social já perdeu mais de R$ 3 trilhões devido à sonegação de impostos, desvios e dívidas. O governo federal deve envidar esforços para solucionar estes graves problemas, ao invés de defender uma reforma previdenciária que prejudicará o futuro de milhões de brasileiros. O caminho para a superação da crise econômica não pode ser construído a partir da retirada de direitos da população”, destaca o presidente do Sindireceita, Geraldo Seixas.

fonte: SINDIRECEITA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as