Pular para o conteúdo principal

ILB FORMA NOVA TURMA

FOTO: ILB - Hamilton Silva


Aconteceu na manhã desta segunda-feira (18), a formatura das turmas dos dois primeiros cursos de extensão do Instituto Legislativo Brasileiro (ILB). Os alunos, que tiveram aulas por três meses, receberam os certificados das mãos das coordenadoras Claudia Lyra – responsável pelo curso Legislação e Processo Político: Teoria e Prática no Legislativo – e Valéria Castanho – do curso Comunicação, Legislativo e Sociedade. Helder Rebouças, diretor-executivo do ILB, afirmou que os cursos de extensão são uma iniciativa que fará o instituto pleitear com mais força a autorização para o mestrado.

— Estamos buscando implantar o mestrado no ILB para o próximo ano. É importante ressaltar também que contamos com o apoio da Mesa e da Presidência do Senado para esse projeto e todas as atividades do instituto, que tem total independência para sua atuação — declarou Helder.

O servidor avalia que os cursos de extensão foram um laboratório e uma oportunidade de trazer temas conectados com a área legislativa. Ele também chamou a atenção para a parceria entre o Senado e a Organização das Nações Unidas (ONU) para a cessão de terreno onde será construída a futura sede administrativa e reitoria da Universidade de Segurança no Brasil, que será voltada para estudos de segurança pública, controle da criminalidade e desenvolvimento humano.

Valéria Ribeiro, responsável pela Coordenação de Educação Superior (Coesup) do ILB, afirmou que os dois cursos de extensão a fizeram lembrar de quando foi aluna de Cláudia Lyra na turma de processo legislativo, assim que chegou ao Senado, e ainda comemorar a parceria com os colegas da Secretaria de Comunicação Social (Secom). Ela mencionou ainda o prazer de ter feito parte da primeira turma de pós-graduação do órgão, que teve Helder Rebouças como professor e convidou todos a continuar estudando e participando de grupos de pesquisa.

— Nós que somos pioneiros nas turmas de cursos de especialização e de extensão enfrentamos desafios, mas também carregamos o mérito de ter iniciado essas importantes ações. Houve aqui uma confluência de pessoas que fazem a história do ILB para esses dois cursos acontecerem — observou a coordenadora.

Novo curso

A servidora aposentada Claudia Lyra, ex-secretária-geral da Mesa do Senado, disse ter sido a primeira vez que atuava como coordenadora e parabenizou o ILB e todos os professores dos cursos de extensão. Valéria Castanho agradeceu aos alunos e disse ter saído da experiência com um aprendizado maior que eles. A servidora, que acabou de ser aprovada em um doutorado em Portugal, aconselhou a todos que nunca deixem de estudar para que continuem crescendo como pessoas e profissionais.

— Sempre é tempo de estudarmos. Ficamos velhos quando queremos. Já convido todos para o próximo curso de extensão sobre mídias sociais, que começa no dia 12 de março — anunciou Valéria Castanho.

Francisco Biondo, que está à frente da Coordenação de Planejamento e Relações Institucionais do ILB, ressaltou a importância de os servidores do Senado buscarem capacitação e qualificação a fim de se prepararem para as mudanças na estrutura do Parlamento. Petrus Elesbão, presidente do Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo Federal e do Tribunal de Contas da União (Sindilegis), elogiou o corpo funcional do Senado, que, em sua avaliação, busca sempre se aperfeiçoar para oferecer o melhor à sociedade e mostrar a importância de seu valor.

— Feliz a instituição que tem um quadro de servidores tão qualificado como o do Senado — disse Petrus.
Foto: ILB - Hamilton Silva

As alunas Gabriela Tavares e Walesca Borges, representando respectivamente as turmas de Legislação e Processo Político – de 22 servidores – e Comunicação, Legislativo e Sociedade – com 33 alunos –, também se pronunciaram durante a formatura, que teve apoio do Sindilegis.

Fonte: Jornal do Senado 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as